UAI
Publicidade

Estado de Minas NOVIDADES NA COZINHA

Cafeteria em meio à natureza é nova atração em BH

Quem procura um lugar agradável para fugir por algumas horas da vida agitada pode ir tomar um café no meio de um charmoso jardim no Belvedere


05/12/2021 04:00 - atualizado 06/12/2021 16:42

Restaurante
Quase um jardim secreto, que abriga um charmoso e aconchegante ambiente (foto: Juarez Rodrigues/em/d.a press)
 
A nutricionista Maria Tereza Bittar Nolli, antes mesmo de se formar, foi seduzida pela mãe e foi trabalhar com seus pais em uma fábrica de ração de gado de grande porte e aves, e gostou de ser empresária. Infelizmente, perdeu os pais muito cedo e começou a procurar alguma coisa para fazer, paralelamente à empresa, que tivesse mais a sua cara. Foi nessa busca que a jovem descobriu sua paixão pela natureza e resolveu abrir o ateliê de plantas e cafeteria Verde-si.
 
Ainda no meio do curso de nutrição, Maria Tereza viu que esse não seria seu caminho. “Não me via dentro de um consultório tentando convencer uma pessoa a comer e fazer uma coisa que ela não queria. Mas decidi terminar o curso e depois fazer uma pós em outras áreas de gestão e empreendedorismo. Estava amando o mundo empresarial.
 
 croissants
Cafés, sucos e croissants são os itens mais pedidos pelos clientes (foto: Juarez Rodrigues/em/d.a press)
 
 
Os planos da mãe era ampliar a fábrica, atuando no universo pet, mas não deu certo, porque a competição era desigual, ou os grandes produtores ou os informais. Abortaram o processo antes mesmo de construir a nova fábrica, mas serviu de muito aprendizado. A jovem empresária usou sua pós-graduação para essa análise do negócio e os professores diziam, ou briga de igual para igual ou desiste. Conseguiu convencer seus pais e desistiram.
 
Infelizmente, em um intervalo de um ano e quatro meses ela perdeu os pais, e teve que assumir a empresa legalmente. Até que uma de suas meias-irmãs foi ajudá-la. Conseguiram organizar tudo, em três anos. Mas, depois que a fábrica estava estabilizada e a irmã trabalhando junto, começou a pensar em fazer algo que fosse mais a sua cara.
 
Maria Tereza Bittar
A empresária Maria Tereza Bittar Nolli é apaixonada por plantas (foto: Juarez Rodrigues/em/d.a press)
 
 
“Sempre morei aqui no Belvedere, morava nesta rua mesmo, e tinha muita área externa, e sempre gostei muito de ficar junto da natureza. Como sou solteira, saí da casa e fui para um apartamento no Vila da Serra. Comecei a me sentir sozinha em casa e comprava plantas. Não tinha mais lugar para colocar verde e eu queria mais. Acabei fazendo uma treliça na varanda para colocar as orquídeas enquanto não floriam. Fiz. E quanto mais planta mais feliz eu ficava e mais eu gostava.”
 
“Quando estava pensando em qual negócio abrir veio planta na minha cabeça, mas não queria ser apenas uma floricultura. E veio tudo tão rápido. Comecei a pensar em outubro de 2018 e em novembro estava com o contrato de locação desse espaço assinado, e sabia que seria uma cafeteria no jardim, em um ateliê de plantas. O nome veio em uma madrugada e eu amei: Verde-si, com i no final, que para mim representa trazer o verde para si. Por ser nome próprio nos permite escrever errado e ter essa licença poética. Fui para São Paulo conhecer casas nesse estilo, porque aqui não tinha nenhuma.”
 
“Encontrei este espaço – na verdade, era apenas a área construída, mas negociei o jardim e fiz uma entrada independente. Abri em março de 2019, e poucos dias depois tivemos que fechar por causa da pandemia, mas continuamos vendendo as plantas e arranjos por delivery, e caixinhas de biscoitos etc. Só café que não dava. Fiz vários cursos de jardinagem e arranjos florais, kokedama, e de cafés também. Sou dessas, tudo que quero vou a fundo. Não sou especialista em café, entendo um pouco e tenho um excelente barista.”

Cozinha sob medida

A proposta da casa era ser um ateliê de plantas, onde as pessoas iriam para comprar flores e verdes diferentes e aproveitariam para tomar um café em um lugar gostoso, um refúgio no meio da cidade. Porém, o dia a dia mostrou que a história seria outra. As pessoas começaram a ir para um café, um bate-papo e, já que estavam lá, viam as plantas e consumiam os produtos.
 
A empresária percebeu que o ateliê de plantas seria o negócio secundário, diferentemente do que havia imaginado no início. E se é café que querem, café, terão. As quatro mesas do início se transformaram em 17. E investiu ainda mais na cafeteria. O menu começou pequeno e foi ampliando à medida que o movimento e a demanda cresciam.
 
A máquina de café já foi trocada três vezes. Mas de uma coisa Maria Tereza não abre mão: de ser cafeteria. “As pessoas pedem para eu começar a servir almoço, e colocar bebida alcoólica. Se fizer isso, passarei a ser restaurante ou bar, e essa não é a minha proposta. Para atender os clientes dei uma leve incrementada no cardápio para o horário do almoço”, conta.
 
O espaço não conta com uma ampla cozinha, por isso poucas coisas são feitas no local. Mesmo assim, o cardápio foi feito com todo capricho e cuidado, com fornecedores escolhidos a dedo. Além dos 14 tipos de cafés variados, desde o coado ao espresso e prensa francesa, também tem o capuccino quente e uma série de cafés gelados e chás. Para acompanhar, tem croissant, pão de queijo simples ou recheado, bolos, brownie, cruffing, danish, salada de fruta, açaí. Para o horário do almoço, ela criou uma salada que pode vir acompanhada de quiche e tortinha low carb ou pizza proteica.
 
O funcionamento é de terça a sexta, das 10h às 19h; sábado e domingo, das 9h às 14h. Em outros horários ela aluga a casa para eventos. Já teve até mini-wedding. A capacidade máxima da casa é para 50 pessoas.
 

Serviço

Verde-si
Rua Modesto Carvalho de Araújo, 405B
Belvedere 
 
 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade