Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Vinhos duros e macios


postado em 24/03/2019 05:06


Hoje vou falar do vinho seco e suas variáveis. Para começar, é importante saber que o vinho seco, branco ou tinto, deve ter até 5g de açúcar por litro (açúcar da uva que sobra naturalmente do processo de fermentação). Em uma degustação, é muito difícil saber quanto de açúcar cada vinho tem. Mas, por incrível que pareça, podemos, de uma forma genérica, dizer que determinado vinho é mais leve ou macio que outro, mesmo que tenha a mesma quantidade de açúcar. Em outras palavras, dois vinhos secos, com a mesma quantidade de açúcar, podem passar sensações muito diferentes, sendo um mais macio e outro mais tânico ou duro. Se por acaso alguém usar a expressão leve ou macio, já está falando em presença de açúcar ou elementos de maciez.
Na verdade, este é um grande dilema referente ao estilo de vinhos, e o que se apresenta na boca no quesito textura leve, macia, seca ou muito seca. Podemos citar alguns países que produzem vinhos secos ‘macios’ em sua maioria como Argentina, Chile,  Austrália e Espanha.  A fruta madura resulta em álcool, taninos aveludados, açúcares e gliceróis, e este conjunto de fatores, de uma forma geral, produz vinhos macios. Para o enófilo que aprecia esse estilo de vinho, leveza e maciez significam maior prazer. Na categoria de vinhos mais duros temos países como Uruguai, Itália e a  Norte de Portugal (o Sul produz vinhos macios na região do Alentejo). Nesses países, por vários fatores, a produção resulta em vinhos com taninos mais firmes, acidez mais pronunciada e amargor mais acentuado (novamente digo que não são todos, e sim uma grande parte). Vinhos fantásticos e que têm seu estilo próprio, que podem agradar ou não. Os enófilos que não estão habituados a esses vinhos podem se surpreender. Podemos resumir a lógica acima, dizendo que países com climas mais estáveis e temperaturas mais elevadas tendem a produzir vinhos mais macios, redondos e mais fáceis de beber – não necessariamente melhores. Já as regiões mais frias e com um clima mais instável tendem a produzir vinhos mais duros, frescos e mais secos.


Publicidade