UAI
Publicidade

Estado de Minas EXCLUSIVA

Carol Biazin lança 'Raio X' com Dilsinho, última do álbum 'Beijo de Judas'

A cantora de 24 anos lançou o primeiro disco da carreira em novembro de 2020 com faixas bloqueadas, que foram sendo liberadas aos poucos como singles


21/10/2021 17:35 - atualizado 21/10/2021 18:07

Na foto, Carol Biazin e Dilsinho na gravação do clipe de Raio X
Carol Biazin lança 'Raio X', parceria com o cantor Dilsinho (foto: Divulgação/Luna Pinho)
Prestes a completar um ano da estreia de “Beijo de Judas”, o primeiro álbum da carreira de Carol Biazin, a cantora de 24 anos lançou a última faixa do trabalho, “Raio X”. A canção é uma parceria com o cantor Dilsinho e ainda conta com um clipe minimalista e profundo, que foi divulgado junto da música nesta quarta-feira (20/10).

O álbum “Beijo de Judas” foi lançado em novembro de 2020, mas com uma ação inédita no Brasil. Foi a primeira vez que um álbum foi lançado com faixas escondidas na tracklist dos aplicativos de streaming de música. Era possível até ver os títulos das faixas do disco, mas nem todas estavam disponíveis para audição, sendo liberadas posteriormente. A princípio, das 10 faixas do álbum, apenas seis foram disponibilizadas: “Beijo de Judas”, “Sempre que Der”, “Desgrama”, “Louca”, “Inveja” e “Tatuagem”. 

Com “Raio X”, a última liberada, o álbum completo está disponível em todas as plataformas de streaming e conta com parcerias como Luísa Sonza, Vitão, Gloria Groove e Dilsinho. Confira:


 

#SoltaCarol 

“Raio X” foi aguardada pelos fãs, que subiram a tag “#SoltaCarol” no Twitter e entrou para os trending topics (assuntos mais comentados da rede). A música fala sobre um amor proibido, de duas pessoas que querem estar perto mas, pelas circunstâncias da vida, não conseguem. No refrão envolvente e profundo, as vozes potentes de Carol e Dilsinho se misturam em uma explosão de sentimentos nos versos: “É que cê me olha feito um raio-x, tenta encontrar o que eu nunca vi em mim. Juro por Deus que eu tô por um triz, mas é melhor perder do que se arrepender”.

Em entrevista exclusiva ao Estado de Minas , Carol Blazin afirma que o motivo de ter guardado por tanto tempo a faixa foi pelo desejo de conseguir a parceria com o pagodeiro. “Quando a gente subiu a música no álbum ainda não tinha o Dilsinho, mas já era um desejo que eu tinha de trazê-lo, porque assim que eu escrevi o refrão eu visualizei a voz dele e vi que tinha tudo a ver com ele. Isso foi em abril de 2020", recordou a cantora.

"Desde então, fui lançando os singles de 'Beijo de Judas'. Depois que eu lancei 'Tentação' eu consegui mandar essa música para o Dilsinho e ele gostou. Então a gente fez todo um rolê de gravar a parte dele e subir a música de novo. Tivemos que fazer uma adaptação de agenda, quando ele poderia lançar e por isso demorou tanto e tive que guardar esse segredo”, explica. Carol ainda deu risada com a brincadeira dos fãs de cobrarem a música. “Eles ficam me zoando”, brincou.
 

Pop feat. pagode 

A união de uma voz do pop com o pagode teve um resultado surpreendente até mesmo para Carol. “Eu sempre vi o Dilsinho como artista do pagode que misturava outros gêneros musicais, sempre achei ele meio R&B em algumas melodias e arranjos, misturava umas paradas de guitarra no meio que eu não via outras pessoas no pagode fazendo. Eu acho ele diferente da galera", avaliou.

"Falei: 'Cara, ele tem umas referências parecidas com as minhas'. Não deu outra, quando eu encontrei ele pessoalmente a gente começou a ouvir as músicas que curtimos e colocava a galera pra cantar e a gente tinha muito mais coisa em comum do que eu imaginava. Então acabou que fez muito sentido”, completou. 

Essa também é uma estratégia pensada para o álbum “Beijo de Judas”: juntar artistas de outros estilos musicais para atrair um público maior. “Eu também gosto de misturar pessoas de nichos diferentes para furar bolhas e o objetivo. A estratégia de 'Beijo de Judas' era essa, de trazer pessoas com bolhas diferentes para o projeto”, contou.
 

Clipe 

Apesar do poder e da grandiosidade da canção, a ideia para o clipe foi no sentido inverso, com uma ideia minimalista e pessoal. Com a direção de Marioo, que trabalhou com a cantora em outras faixas do álbum, como “Tentação” e a música título, o processo de produção foi pensado para o curto período que teriam para gravar. 

“Foi bem corrida a gravação desse clipe. O Dilsinho mora no Rio, então a gente teve que trazer ele para São Paulo e aproveitar um dia que ele estaria aqui. Pensamos em um roteiro sabendo que a música é acústica, simples e não precisa de muito para ser ela. A gente veio com esse clipe minimalista e com poucas informações porque a minha ideia a princípio era que a música fosse maior do que qualquer outra coisa e não fazer o clipe deixá-la grande, não precisava disso. Casou bem a gente manter o pé no chão e pensar em formas práticas de fazer o clipe, mas que fosse bonito e a gente conseguisse executar. Geralmente a gente tem duas semanas para produzir e nesse a gente teve quatro. Bolamos esse roteiro minimalista, criando uma ideia de evolução pessoal e que saía um pouco desse âmbito romântico que a música fala para a gente trazer outros assuntos na faixa”, revelou Carol.

Confira o resultado:
 


A cantora chegou a mencionar no podcast Pouquinho que esta era a música favorita do álbum. “Eu me identifico muito com essa música só pelo fato dela não precisar de uma grande produção, já diz muito. Quando eu fiz ela, gravei a guia no celular e pensei: 'Eu subiria essa guia aqui agora nas plataformas sem problema nenhum', porque eu já achava muito lindo. Eu já falava 'é real, um sentimento verdadeiro que eu vivi', me identifiquei muito com essa música, por isso é minha favorita.”

Ouça o podcast com a Carol Biazin:



Agora, com todo processo concluído e todas as músicas do álbum liberadas, Carol conta que sente uma sensação de alívio e dever cumprido. “Estou muito satisfeita, aliviada, porque eu vi o quanto é difícil e suado entregar o álbum completo e ainda mais da forma que a gente fez. Foi a primeira vez que a gente bolou essa estratégia de esconder faixas. Sinto a sensação de dever cumprido, e fiz o que eu tinha que fazer. Vejo muito que teve até o respeito das pessoas de olhar diferente para o meu trabalho. É diferente você lançar singles de lançar um álbum. O álbum requer muito de um artista, eu fui de cabeça e acabei colhendo muitos frutos”, comemora.
 

Remix 

Mas, se engana quem acha que ela vai parar por aqui com o álbum. Carol ainda quer trabalhar em outras versões de "Beijo de Judas". “Temos os remixes. São 4 faixas que distribuímos para DJs, e é um projeto paralelo. Até então a gente tinha cogitado colocar como se fosse deluxe, mas depois de um tempo eu achei que perdeu o sentido porque eu não queria mexer no 'Beijo de Judas'. A produção é minha, eu faço parte de tudo e não queria mexer lá. Vamos liberar isso daqui um tempo. Primeiro vamos trabalhar com ‘Raio X’. Daqui um tempo a gente libera para a galera poder dançar com essas músicas, e talvez até chegar em outras pessoas que não escutariam com a produção que é, mas vão escutar por gostar desse estilo de música. Tem um monte de DJs incríveis”, revela.
 

Show 

Com a pandemia controlada e o número de vacinação no Brasil avançando, a cantora já começa a planejar os shows. “É o que eu mais quero fazer logo, já estou montando show e vai ter em breve. Logo vem o primeiro show de 'Beijo de Judas', eu estou muito ansiosa. É um projeto que eu ainda não tinha tido a oportunidade de fazer, que era de show com banda e a gente vai trazer isso. Já estou no estúdio para montar milimetricamente o show, a pausa da bateria. Eu estou montando o meu próprio show, nunca tinha feito isso também”, afirmou. Ela ainda prometeu que Minas Gerais vai estar na agenda.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade