Publicidade

Estado de Minas CRÍTICA

'Mare of Easttown': nasce um clássico no mundo das séries

Estrelado por Kate Winslet, seriado policial usou as doses certas de suspense e drama para mobilizar o público durante sete semanas. Stephen King aprovou


18/06/2021 04:00 - atualizado 17/06/2021 23:58

Kate Winslet interpreta a detetive Mare na série fenômeno da HBO (foto: HBO/divulgação)
Kate Winslet interpreta a detetive Mare na série fenômeno da HBO (foto: HBO/divulgação)

Minissérie sensação de 2021, “Mare of Easttown” merece todas as loas que tem recebido. A razão de ser do drama policial é a presença de Kate Winslet. Com as doses exatas de realismo e dor, a atriz britânica conseguiu que a personagem-título, detetive machucada pela vida de uma cidade interiorana dos EUA, mesmerizasse audiências mundo afora. É o maior sucesso da HBO deste ano. O episódio final foi o mais assistido da HBO Max nos EUA – a plataforma chega ao Brasil em 29 de junho, vale dizer.

Tamanho sucesso não se deve somente à performance da atriz. Ainda que na última década tenham proliferado as produções em série, tramas realmente bem contadas não surgem com tanta velocidade. E na era do streaming, quando séries inteiras entram no ar de uma só vez, a HBO continua apostando em produções com episódios semanais.

TRAUMA 
Foi com expectativa que a cada domingo acompanhamos Mare e suas doses cavalares de problemas – o trauma causado pela morte precoce do filho, o neto que pode estar no mesmo caminho do pai, a filha com quem não consegue dialogar, a mãe e o ex-marido, com quem vive às turras, o vizinho drogado, a vizinha idosa que não lhe deixa em paz, enfim, uma vida sem perspectivas.

Em meio a isso, dois crimes em uma cidadezinha na Pensilvânia. O desaparecimento da filha de uma colega de escola, que culpa Mare pela investigação interrompida, e o assassinato de uma adolescente. A narrativa, que tem início morno, vai se intensificando com a chegada do novo colega para ajudá-la na investigação. Os vários personagens que gravitam em torno da protagonista têm também uma boa dose de drama.

Não cabe aqui revelar muito sobre a trama. O que importa é que tudo o que está em cena – algumas questões parecem dispensáveis no primeiro momento – tem sua razão de ser. Sem adiantar muito, o quinto episódio é de altíssima combustão, com a sequência final claramente inspirada em “O silêncio dos inocentes”.

Mais: a resolução da trama é surpreendente (somente o mestre Stephen King descobriu o assassino; ele tuitou sua aposta, um dia antes do fim da série, e provou estar certo), factível e sem nenhuma ponta solta.

Para quem chegou agora, a dica é uma só: reserve o fim de semana para maratonar “Mare of Easttown”. Não há, nas sete horas desta produção, um só minuto que não valha a pena. 

“MARE OF EASTTOWN”
A minissérie em sete episódios está disponível na HBO Go



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade