Publicidade

Estado de Minas OSCAR 2021

H.E.R leva a estatueta com música engajada e discurso militante

Cantora e compositora californiana de 23 anos venceu com 'Fight for you', do longa 'Judas e o messias negro', sobre racismo e violência do Estado


26/04/2021 17:42 - atualizado 26/04/2021 18:04

H.E.R. com seu Oscar, após a premiação de premiação na Union Station, em Los Angeles, na noite de domingo(foto: Chris Pizzello/ AFP)
H.E.R. com seu Oscar, após a premiação de premiação na Union Station, em Los Angeles, na noite de domingo (foto: Chris Pizzello/ AFP)
No ano passado, foi Elton John. Em 2019, Lady Gaga. Olhando o histórico dos vencedores do Oscar de melhor canção original, a cantora californiana Gabriella Wilson, detentora de fama mundial sob a alcunha de H.E.R, conseguiu um grande feito,  aos 23 anos. Na noite do último domingo (25/4), ela ficou com a estatueta pela música “Fight for you”, composta para o filme “Judas e o messias negro”.

O prêmio para Elton John veio com a cinebiografia do próprio cantor e compositor britânico (“Rocketman”). O de Lady Gaga foi graças ao musical “Nasce uma estrela”, mesmo gênero cinematográfico da animação “Viva - A vida é uma festa” (2018) e de “La la land - Cantando estações” (2017), vencedores da categoria nos anos anteriores. 

Leia: Confira os vencedores do Oscar 2021, que mostrou mudanças em Hollywood

O prêmio conquistado por H.E.R se destaca por vir em um drama de teor político. Dirigido por Shaka King, o filme é baseado na história de Bill O’Neal, militante infiltrado pelo FBI para espionar Fred Hampton, líder do Partido dos Panteras Negras, que acabou assassinado, aos 21 anos, em 1969, por agentes do Estado norte-americano. 

Daniel Kaluuya, que interpretou Hampton, ganhou o Oscar de melhor ator coadjuvante. O’Neal, personagem principal, foi vivido por Lakeith Stanfield. A letra de “Fight for you”, escrita em parceria com Dernst Emile II e Tiara Thomas, tem a ver com o contexto da trama. 

“Toda a fumaça no ar / Sinta o ódio quando eles olham / Toda a dor que suportamos /É melhor você tomar cuidado / As armas deles não jogam limpo / Tudo o que temos é uma oração / Estava tudo em seus planos / Lave o sangue de suas mãos” diz o início da canção, cujo refrão fala em “Liberdade para meus irmãos”, “Liberdade porque eles nos julgam” e “A liberdade vai nos manter fortes”.

Na disputa pelo Oscar de melhor canção original, H.E.R levou a melhor sobre Celeste, com “Hear my voice” (“Os 7 de Chicago”); Fire Saga, com “Husavik” (“Festival Eurovision da Canção”); Laura Pausini, com “Io si (seen)” (“Rosa & Momo”); e Leslie Odom Jr., com “Speak now” (“Uma noite em Miami”). 

Temas sociais em pauta 

Contudo, olhando o retrospecto recente da jovem cantora, essa nova conquista não surpreende. Tanto por seus predicados artísticos quanto pela coragem de levar temas sociais para seus trabalhos. 

Depois de despontar para o estrelato ainda aos 14 anos no reality show “The next big thing”, da Rádio Disney, H.E.R é tida como um dos principais nomes do R&B na atualidade. Surgido nos anos 1940, o R&B mescla a linguagem do pop com as raízes da musicalidade afro-americana e sua potência vocal. Esse grande momento de H.E.R foi comprovado na mais recente edição do Grammy, realizada em março.
 
Na mais cobiçada premiação da música mundial, a cantora levou o Gramofone de canção do ano por "I can't breathe". O título faz referência direta à luta contra a violência policial sofrida pela população negra nos EUA, tema de tantos protestos ao longo do último ano. 

Em português, a frase significa “não consigo respirar”. Exatamente as últimas palavras ditas pelo cidadão negro George Floyd antes de ser assassinado pelo policial policial branco Derek Chauvin, que o sufocou pressionando o joelho em seu pescoço durante oito minutos, em Minneapolis, no episódio que chocou o mundo, em maio do ano passado. 

Com uma melodia suave, a música fala sobre a luta pelos direitos civis igualitários e denúncia o extermínio dos negros nos EUA. “Destruição de mentes, corpos e direitos humanos”; “Ancestralidade destruída, chicoteada e confinada”; “Este é o orgulho americano, que justifica um genocídio, romantizando o roubo e o derramamento de sangue, isso fez da América a terra da liberdade”; e “Tirar a vida de uma pessoa preta, terra dos livres” são alguns dos versos. 

Dois anos antes, em 2019, H.E.R  já havia conquistado dois troféus no Grammy. Melhor performance de R&B, por "Best part" , em parceria com Daniel Caesar, e melhor álbum de R&B, pelo homônimo “H.E.R”. Naquele mesmo ano, ela veio ao Brasil e se apresentou no Rock In Rio, mostrando habilidade com diversos instrumentos musicais, além da magnífica voz.  

Para receber a estatueta, anunciada e entregue pela atriz Zendaya, outra estrela de sua geração, H.E.R manteve o estilo que se tornou sua marca registrada. A artista nunca aparece em público sem óculos escuros e assim foi na cerimônia. 

Ela costuma justificar como um artifício para preservar sua identidade. Além disso, H.E.R chamou a atenção pela escolha do vestuário, em homenagem ao cantor Prince (1958-2016). O traje era inspirado na peça que Prince usou ao receber o Oscar de melhor trilha sonora original por “Purple rain”, em 1985. 

Ao receber o Oscar, seu breve discurso esteve à altura do reconhecimento que tem recebido, reforçando o poder transformador da música e do cinema. “Músicos e cineastas, acredito que temos a oportunidade e a responsabilidade de dizer a verdade e de escrever a história do jeito que ela foi e como ela nos conecta aos dias de hoje e ao que vemos acontecendo no mundo hoje”, disse. 

H.E.R encerrou seus agradecimentos dizendo: “Conhecimento é poder, música é poder e, enquanto eu estiver de pé, sempre lutarei por nós. Sempre lutarei pelo meu povo e pelo que é certo. Acho que é isso o que a música faz, e é isso o que a narrativa faz".


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade