Publicidade

Estado de Minas MÚSICA

Disco do sanfoneiro Theo Lustosa traz gravação inédita de Dominguinhos

Zeca Baleiro, Maurício Tizumba e a Bárbara Barcellos participam de 'Serranias', álbum de estreia do instrumentista mineiro


21/01/2021 04:00 - atualizado 21/01/2021 07:41

Com sua sanfona, o forrozeiro Theo Lustosa viaja por serras mineiras e nordestinas(foto: Weber Pádua/Divulgação)
Com sua sanfona, o forrozeiro Theo Lustosa viaja por serras mineiras e nordestinas (foto: Weber Pádua/Divulgação)
Serranias, o primeiro disco solo de Theo Lustosa, traz uma preciosidade: o dueto de Dominguinhos (1941-2013) com Zeca Baleiro em Menino angola. O sanfoneiro pernambucano havia gravado a faixa em 2004, mas ela só foi recuperada em 2019.

Lustosa conta que a gravação de Dominguinhos sairia no disco de seu parceiro Paulinho Motta, mas se perdeu. Há dois anos, um técnico do estúdio onde o registro ocorreu encontrou o CD. “Abrimos os arquivos e ela estava lá”, comemora o sanfoneiro mineiro. Nessa empreitada, ele contou com a ajuda de Rodrigo Grillo, que mixou e masterizou Serranias.

Menino angola foi produzida pelo britânico Paul Ralphes, radicado no Brasil desde os anos 1980, que trabalhou com Jota Quest, Lagum e Tiago Iorc, enquanto ao próprio Theo produziu as outras sete faixas.

CONVITE 

Ralphes participou do disco por uma feliz coincidência, conta o sanfoneiro. Ele estava em BH na época da produção de Serranias e Rodrigo Grillo lhe mostrou o material. “Paul gostou muito e topou entrar no projeto. Foi ele quem fez o convite ao Zeca Baleiro. Regravamos o áudio com a sanfona e a voz de Dominguinhos e depois o Zeca gravou a participação dele. Ficou muito legal”, diz Theo.

Dedicado ao forró, Lustosa diz que seu trabalho também traz influências da música mineira, mesclando a sonoridade nordestina com a harmonia especial de Minas.

“O tradicional forró pé-de-serra do Nordeste bem poderia ser também de Minas, das serras do Curral, do Espinhaço e da Lapinha da Serra, onde ele é muito tocado. Neste disco, resolvi fazer um paralelo das serras com a música”, explica.

De acordo com o sanfoneiro, a diversidade da música brasileira permite o diálogo entre vários ritmos e gêneros. “O forró, com a formação sanfona, zabumba e triângulo, é tradicionalmente tocado nas festividades do Nordeste, ao pé das serras do sertão. Pergunto: não poderia ser ao pé das serras de Minas ou da Serra do Mar? Serranias tenta fazer essa conexão. É a união imaginária, a mistura da Serra do Curral com a tão cantada Serra do Araripe, próxima de Exu, terra de Luiz Gonzaga.”

Antes de lançar seu primeiro álbum, Theo produziu os três discos da banda Menina do Céu, da qual faz parte, e do Trio Alcalino. “Fui fazendo Serranias aos poucos. A gravação de Dominguinhos é de 2004, grande parte de Lilith foi registrada em 2006 e as outras fiz durante a pandemia, boa parte em casa mesmo. Externamente, só registramos as participações.”

Serranias está disponível nas plataformas de streaming. “Hoje, não encontra mais o aparelho para tocar CD. Computadores não vêm mais com o dispositivo, assim como os novos carros. Penso em mandar prensar alguns vinis, mais charmosos do que o CD, pois carregam uma pegada mais saudosista, sofisticada”, diz o sanfoneiro.

Além de Dominguinhos e Zeca Baleiro, o disco de estreia de Theo Lustosa conta com as participações da cantora Bárbara Barcelos, do cantor e instrumentista Maurício Tizumba, de Severo Gomes (integrante do Trio Potiguá) e do violonista e cantor Sérgio Marques.

(foto: Theo Lustosa/divulgação)
(foto: Theo Lustosa/divulgação)
SERRANIAS
.De Theo Lustosa
.Oito faixas
.Produção independente
.Disponível nas plataformas digitais









receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade