Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Celebridades francesas 'aprontam' no seriado Dez por cento, na Netflix

Isabelle Hupert, Juliete Binoche e Jean Dujardin são quase 'gente como a gente' na série que revela os divertidos bastidores de uma agência de talentos parisiense


postado em 15/02/2019 05:07

Grégory Montel é Gabriel, o agente da estrela Monica Bellucci em Dez por cento(foto: Netflix/divulgação)
Grégory Montel é Gabriel, o agente da estrela Monica Bellucci em Dez por cento (foto: Netflix/divulgação)

– Adoraria encontrar alguém – confidencia Monica Bellucci.

– Alguém? Está falando de um homem? – estranha Gabriel.

– O inverno está chegando, vai começar a fazer frio... Não tem um amigo para me apresentar?

– Claro, também sou agente matrimonial – brinca ele.

– Quero um cara normal.

– Isso é bem amplo.

– Não sei. Um professor de matemática, um marceneiro... – responde Monica.

Dez por cento (Dix pour cent) acompanha os agitados bastidores da Ask, escritório encarregado de administrar a carreira de atores e cineastas. Gabriel Sarda (Grégory Montel), por exemplo, cuida de Monica Bellucci, a diva que lhe encomenda um rapaz para chamar de seu. Com inteligência, a série francesa brinca com o “lado B” do mundinho das celebridades.

Os “agentes da Ask” são quase babás dos clientes. Anjos da guarda, “rotweilers” se for preciso, negociam contratos, administram pitis de egos monumentais, oferecem o ombro amigo. Desdobram-se para manter o cast cobiçadíssimo por concorrentes, lutam para salvar a empresa da falência. Quando o chefão morre, o jeito é aguentar o novo CEO, o jovem e arrogante outsider Janowski (Assaad Bouab), que fez fortuna na internet.

Intrigas, segredos, algum afeto verdadeiro e puxadas de tapete – além, claro, de romances de escritório – animam os corredores da Ask. Criada por Fanny Herrero, a série entrelaça dramas pessoais da equipe – a lésbica “predadora” às voltas com o amor, o veterano ambicioso, a trainee insegura, esnobada pelo pai – com a “face oculta” das estrelas. Na verdade, todo mundo ali é meio maluco.

Isabelle Huppert, Isabelle Adjani, Françoise Fabian, Claude Lelouch e Béatrice Dalle, entre outros coadjuvantes de luxo, interpretam a si próprios. É hilariante o episódio em que Juliete Binoche enfrenta estoicamente as chatices do badalado Festival de Cannes. Jean Dujardin, que tem um Oscar na prateleira por seu papel em O artista, pira pra valer, obcecado por seu personagem ogro. A aclamadíssima Isabelle Huppert viola contratos, com a cumplicidade da Ask. Acaba alvo de um “Huppergate”.

A constelação superstar é encantadora, mas o brilho das três temporadas vem, mesmo, é da estressada equipe da empresa de talentos, formada pelos atores Camille Cottin (Andrea), Thibault de Montalembert (Matias), Grégory Montel (Gabriel), Liliane Rovère (Arlette), Fanny Sidney (Camille) e Nicolas Maury (Hervé). Esses agentes da Ask merecem muito mais do que aqueles dix pour cent do título.
 



Publicidade