Publicidade

Estado de Minas BEBIDA FITNESS

Pesquisa da UFMG alerta para consumo da bebida fermentada kombucha

Não há comprovação científica que confirme a ação probiótica da bebida, que virou 'moda' entre pessoas com hábitos saudáveis


13/04/2021 20:32 - atualizado 14/04/2021 09:14

Muitas informações sobre benefícios da bebida ainda precisam de comprovação (foto: Reprodução/ TV UFMG)
Muitas informações sobre benefícios da bebida ainda precisam de comprovação (foto: Reprodução/ TV UFMG)
Uma bebida que está ‘em alta’ entre as pessoas com hábitos alimentares saudáveis não tem comprovação científica sobre sua funcionalidade probiótica. O 'kombucha' foi tema de pesquisa na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que alerta para as doses seguras da substância. 

De acordo com o pesquisador Cosme Barbosa, doutor em Ciência de Alimentos e autor da pesquisa, o kombucha tem origem asiática e é obtido por meio da fermentação alcoólica e acética da infusão de chá da espécie Camellia sinensis. Essas folhas podem originar o chá branco, verde, e o chá preto. Na produção tradicional da bebida, são utilizadas infusões dos chás verde ou preto. 

O processo baseia-se na combinação de chá e açúcar junto ao inóculo, grupo de microrganismos que fermentam a infusão e é constituído por duas partes: sólida (polímeros de celulose, produzidos pelos próprios microrganismos) e uma parte líquida (infusão fermentada). 

O inóculo tem leveduras, bactérias ácido-acéticas e bactérias ácido láticas, que se desenvolvem e produzem a bebida. Além disso, há também uma diminuição do Ph da parte líquida, que ajuda a eliminar a contaminação por microrganismos contaminados, que prejudicam o corpo humano. 

Segundo o pesquisador, o estudo realizado na Faculdade de Farmácia da UFMG tem objetivo de caracterizar o kombucha em partes químicas e farmacológicas. Entre os destaques da pesquisa, Cosme fala sobre alguns dados que já mostram propriedades da bebida, mas deixa um alerta: “Na literatura científica temos algumas alegações de alguns dados que já dão propriedade para a bebida, mas quero ressaltar que esses estudos foram feitos, majoritariamente, in vitro ou animais”. 

De acordo com Cosme, existem dados sobre a propriedade antioxidade, atividade antimicrobiana e hepatoproteção, que é a proteção do fígado. Outros estudos estão sendo realizados para comprovar as teses sobre o kombucha, que é ‘uma bebida promissora’ e será bastante explorada.

“É uma bebida promissora, que vai ser bastante estudada e explorada nos próximos anos. Mas para a população em geral, é preciso tomar cuidado ao buscar dados sobre, porque temos muitas informações inverídicas circulando na internet. É preciso pesquisar em lugares seguros. Em uma busca rápida, encontramos centenas de alegações sobre o kombucha, mas poucas são comprovadas e algumas outras estão em estudo”, finaliza o doutor.
 
*Estagiária sob supervisão do subeditor Eduardo Oliveira 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade