Publicidade

Estado de Minas CORONAVÍRUS

COVID-19: mitos e verdades sobre a doença após 1 ano da pandemia

Infectologistas, epidemiologistas, virologistas e sanitaristas tiram dúvidas que circularam, ao longo do primeiro ano de pandemia, sobre o novo coronavírus


24/03/2021 19:38 - atualizado 24/03/2021 20:22

Em meio à pandemia, circulam várias fake news sobre a doença(foto: Pixabay)
Em meio à pandemia, circulam várias fake news sobre a doença (foto: Pixabay)
Após mais de um ano em que a COVID-19 foi considerada pela Organização Mundial da Saúde uma pandemia, muitas coisas já foram ditas sobre a doença. E diversas informações sobre o novo coronavírus, nem sempre verdadeiras, circulam principalmente nas redes sociais.
 

Para tentar ser um contraponto a essa onda de fake news que dificulta as medidas eficazes de enfrentamento da COVID-19, infectologistas, epidemiologistas, virologistas e sanitaristas se uniram no projeto de uma plataforma chamada HubCovid. 

Lançada no início de março, ela tem o objetivo de transmitir conteúdo atual, de qualidade e acessível, além de integrar as informações sobre o tema em uma plataforma que seja referência para equipes de saúde, gestores, população e mídia. 

Dentre os conteúdos disponíveis, está uma lista de 19 mitos e verdades sobre a COVID que circularam durante o primeiro ano de pandemia. Confira:

1 -  O coronavírus foi fabricado em laboratório

Mito. Segundo os especialistas, as melhores evidências existentes até o momento apontam para a origem do vírus a partir de coronavírus que circulam em animais. Estudos encontraram grande similaridade entre os genomas do Sars-CoV-2 detectado em humanos e de coronavírus encontrados em pangolins - uma espécie de mamífero existente em regiões da Ásia e África - e morcegos. 

Dessa forma, o mais provável é que o vírus circulava inicialmente entre esses animais, mas mutações ao acaso foram acontecendo até que fosse possível um salto de espécies, ou seja, o vírus passar a circular entre os humanos.

2 – Pessoas de todas as idades podem ser infectadas pela COVID-19

Verdade. Qualquer indivíduo, de qualquer idade, pode ser infectado e desenvolver sintomas, inclusive quadros graves que levam à morte. Crianças e adolescentes costumam apresentar quadros leves ou mesmo ter infecção assintomática. Apesar disso, 
já foram registrados casos graves e até morte, nestes grupos.
 
 
Já idosos e pessoas com comorbidades têm maior risco de apresentar formas mais graves da doença. De maneira geral, os protocolos para se reduzir o risco de transmissão devem ser seguidos por pessoas de todas as idades.

3 - Quem pegou o novo coronavírus já está imunizado contra a doença

Mito. Embora exista alguma proteção contra reinfecção nos primeiros meses, a tendência é que essa proteção vá diminuindo ao longo do tempo. Com a disseminação de novas variantes mais transmissíveis, é possível que as reinfecções sejam mais frequentes do que antes.

4 - As vacinas em uso contra a COVID-19 são seguras

Verdade. As vacinas aprovadas para serem utilizadas em larga escala na população passaram por diversos tipos de testes e estudos com muitos voluntários. Nessas análises, os eventos adversos relatados foram, em sua grande maioria, reações leves, como dor no local da aplicação, dor de cabeça e mal-estar. Geralmente, essas reações são de curta duração, melhorando espontaneamente em um ou dois dias. 
 
Não há relatos de mortes relacionadas às vacinas. Sendo assim, de acordo com os especialistas, os benefícios da vacinação são imensamente superiores a qualquer risco relacionado a elas. Os imunizantes são seguros e devem ser utilizados pelo maior número possível de pessoas. 

5 - As vacinas alteram o DNA humano

Mito. As vacinas não são capazes de alterar o material genético humano. Os imunizantes que utilizam tecnologias envolvendo o RNA mensageiro simplesmente carregam uma “receita” para que nossas células produzam proteínas que farão com que nosso sistema imunológico fabriquem os anticorpos contra o vírus.

6 - Animais domésticos podem transmitir o novo coronavírus

Mito. Apesar de existirem relatos de animais que tiveram o vírus Sars-Cov-2 detectado, não há qualquer evidência de que eles possam transmitir o vírus para humanos.

7 - Não existem medicações para o tratamento da COVID-19 em sua fase inicial

Verdade. Até o momento nenhuma medicação se mostrou capaz de alterar a evolução da doença quando administrada em sua fase inicial. Muitas drogas foram, e continuam sendo, estudadas para encontrar uma opção terapêutica eficaz. 

No entanto, todos os bons estudos capazes de oferecer essa resposta indicam que ainda não há nenhuma medicação para o tratamento inicial da doença.

8 - A pessoa pode transmitir o coronavírus mesmo sem apresentar sintoma

Verdade. Quando se trata de uma infecção sintomática, ou seja, a partir de algum momento a pessoa infectada vai apresentar sintomas, o período de transmissibilidade começa antes do início dos sintomas (geralmente 48 horas antes). Mas, ele pode se estender até 10 ou 20 dias após, dependendo da gravidade da doença. 

Vale ressaltar que existem pessoas que são infectadas e não apresentam sintomas em nenhum momento. Essas pessoas também podem transmitir o vírus. Sendo assim, fica clara a importância de adotar as medidas de prevenção de maneira universal, pois todas as pessoas com quem temos contato podem estar infectadas sem saber.

9 - Antibióticos são eficazes na prevenção ou tratamento da COVID-19

Mito. Os antibióticos são utilizados para o tratamento ou prevenção de infecções bacterianas. Não há nenhum benefício em se utilizar antibióticos para tratamento de infecções virais. 

Assim como para qualquer outra substância, o uso desses medicamentos gera risco de eventos adversos, além de contribuir para a seleção de bactérias resistentes aos antibióticos.

10 – A COVID-19 só é letal em idosos

Mito. Todas as faixas etárias, desde recém-nascidos, têm risco de morrer por COVID-19, porém o risco de morte é maior em idosos e pessoas com comorbidades, por serem mais propensos ao desenvolvimento dos quadros mais graves da doença.

11 – O consumo de álcool protege contra a COVID-19

Mito. Não há qualquer evidência que sugira um benefício da ingestão de álcool para proteção contra a COVID-19. Da mesma forma, nenhum tipo de alimento, vitamina ou medicamento é capaz de promover um efeito protetor específico em relação à COVID-19.  

12 – O uso de termômetros infravermelhos não causa danos cerebrais ou outras sequelas

Verdade. O termômetro é um receptor de infravermelho. Ele não emite o infravermelho. É um detector de temperatura. Desta forma, não são capazes de causar alteração no sistema nervoso central ou no nosso organismo como um todo.

13 – A vacina contra COVID-19 pode inserir um microchip no corpo do vacinado

Mito. As vacinas produzidas e utilizadas em diferentes partes do mundo passaram por rigorosos estudos pré-clínicos e clínicos para documentar sua segurança e eficácia. Elas são compostas essencialmente pelo vírus inativado ou fragmentos dele. 

Há ainda outros ingredientes “químicos ou biológicos” como água estéril, soro fisiológico ou fluidos contendo proteína, conservantes e adjuvantes, responsáveis pela estabilidade da vacina e que ajudam a melhorar e prolongar sua proteção.

14 – Os calçados podem espalhar o vírus?

Verdade. Entretanto, é uma forma de transmissão extremamente incomum. A grande maioria dos casos é transmitida através da eliminação, pela pessoa infectada, de gotículas contendo o vírus que atingem os olhos, nariz e boca de outro indivíduo. 

A outra principal forma de transmissão é por meio de aerossóis, que são partículas menores geradas por fala, tosse, espirro e que podem ficar suspensas no ar por horas, sobretudo em ambientes fechados e mal ventilados. 

No caso dos calçados seria necessário primeiro acontecer a contaminação destes com o vírus. Depois, o vírus presente no calçado precisaria ser levado aos olhos, nariz ou boca, ao levar a mão ao rosto sem higienizá-las. 

Da mesma forma, o chão pode ficar momentaneamente contaminado com o vírus, mas, novamente, esse vírus precisaria ser levado aos olhos, nariz, boca para acontecer transmissão. Portanto, é importante higienizar as mãos logo após tocar em objetos e superfícies e não levá-las ao rosto antes de higienizá-las.

15 – Redes móveis 5G são capazes de espalhar o vírus

Mito. O vírus é transmitido por via respiratória e por contato. Não há um tipo de dispositivo que cause transmissão. Pode, eventualmente, ocorrer a transmissão indireta de uma pessoa infectada que teve contato com um determinado dispositivo, contaminando sua superfície para outra pessoa que toque o mesmo objeto, contamine as mãos e leve a mão contaminada (sem higienizá-las com água e sabão ou produto alcoólico) aos olhos, nariz ou boca.

16 – O uso prolongado de máscaras não causa intoxicação por dióxido de carbono (CO2) ou deficiência de oxigênio

Verdade. Estudos avaliaram essa questão e, segundo especialistas, não há qualquer influência na concentração de gás carbônico no sangue a partir da utilização da máscara. Já a pessoa que usa máscara e vai fazer alguma atividade física, pode sentir um maior desconforto. 

Mesmo nessas situações, o que muda é apenas a percepção de esforço, não a quantidade de oxigênio que está sendo inalada. Vale enfatizar que o ar passa pela máscara tranquilamente. Só não passa o vírus. Ela não obstrui a respiração, já que é permeável ao ar. Portanto, não há motivos para deixar de usar a máscara.

17 - A exposição ao sol ou a temperaturas superiores a 25 °C protege a pessoa da COVID-19

Mito. A transmissão ocorre de pessoa para pessoa. Assim, mesmo em locais quentes, com exposição direta ao sol, se houver proximidade entre duas ou mais pessoas a transmissão vai acontecer da mesma forma. 

As gotículas vão se espalhar independentemente da temperatura externa. Um pouco de sol faz bem para a saúde, mas não vai mudar o desfecho em relação à COVID. O sol não impede a transmissão, tampouco a evolução da doença.

18 – O vírus da COVID-19 não pode ser transmitido pela picada de mosquito

Verdade. A transmissão acontece de pessoa para pessoa por secreções respiratórias ou por contato. Ao contrário de outras doenças causadas por vírus, como a dengue, a transmissão do Sars-CoV-2 não se dá por picada de mosquito.

19 – A água da piscina não transmite o vírus da COVID-19 e, desta forma, nadar é seguro

Verdade. Nadar é uma atividade segura. Porém, é preciso ter cuidado se você estiver nadando próximo a outra pessoa. Neste caso, existe o risco de transmissão por eliminação de secreções respiratórias durante o movimento de respiração fora da água. 

Portanto, o distanciamento físico é essencial, principalmente em ambientes compartilhados como clubes e academias de natação.

Os especialistas responsáveis por esclarecer essas dúvidas foram:  André Ribas Freitas, médico, doutor em Epidemiologia e professor de Epidemiologia e Bioestatística na Faculdade de Medicina São Leopoldo Mandic; André Giglio Bueno, infectologista e professor da disciplina de Infectologia da Faculdade de Medicina da PUC-Campinas e Thiago Lavras Trapé, doutor em Saúde Coletiva e docente da Faculdade São Leopoldo Mandic. Todos são curadores de conteúdo do HubCovid.
 
*Estagiária sob supervisão do subeditor Eduardo Oliveira 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade