Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

COVID-19: Antialérgicos mostram eficácia em testes laboratoriais

Pesquisadores americanos analisaram 25 mil registros de pacientes; ainda não há eficácia comprovada para uso, apenas nos resultados preliminares


19/01/2021 13:57 - atualizado 19/01/2021 15:45

Testes em células laboratoriais mostram eficácia de antialérgicos no combate à COVID-19(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Testes em células laboratoriais mostram eficácia de antialérgicos no combate à COVID-19 (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Pesquisadores da University of Florida Health descobriram que três medicamentos anti-histamínicos (antialérgicos) comuns podem inibir a infecção de células pela COVID-19. A descoberta é baseada em testes laboratoriais e análise detalhada de registros médicos de 25 mil de pacientes da Califórnia.
 
Os dados podem apoiar o lançamento de um ensaio clínico controlado para determinar se os anti-histamínicos podem tratar ou mesmo prevenir a COVID-19 em humanos, disseram os pesquisadores, que publicaram o estudo na revista Biochemical and Biophysical Research Communications.
 
Envolvidos no estudo, estão Leah Reznikov, Ph.D., professora assistente de ciências fisiológicas na Faculdade de Medicina Veterinária da UF e investigadora principal do estudo; e David A. Ostrov, Ph.D., imunologista e professor associado do departamento de patologia, imunologia e medicina laboratorial da Faculdade de Medicina da UF.

De acordo com a publicação, os pesquisadores começaram a identificar remédios já aprovados que podem interferir na maneira como o vírus da COVID-19 se liga às células. Eles bloqueiam a conexão entre elas, e a transmissão do vírus é inibida ao sistema respiratório.
 
Embora haja uma associação entre os medicamentos e as taxas de infecção, os pesquisadores enfatizaram que há muito mais a ser aprendido e nenhuma causa e efeito foi formalmente estabelecida. Ainda são resultados precoces

Como os medicamentos atuariam

Em análise do estudo, o professor brasileiro Rubens de Fraga Júnior, especialista em geriatria e gerontologia, diz que, ao estabelecer as descobertas, os colaboradores se concentraram na enzima conversora de angiotensina-2, ou ACE2, uma proteína "porta de entrada" que o vírus usa para invadir células humanas. 
 
A pesquisa descobriu que pessoas com 61 anos ou mais que usaram certos antialérgicos têm menos probabilidade de teste positivo para COVID-19 do que aquelas que não tomaram os medicamentos.
 
Em seguida, os cientistas testaram os anti-histamínicos quanto à capacidade de inibir o novo coronavírus em uma combinação de células humanas e de primatas. As drogas hidroxizina, difenidramina e azelastina mostraram eficácia estatisticamente significativa.

 
Os medicamentos foram testados em diferentes concentrações para medir o quanto é necessário para inibir o vírus. Entretanto, apesar da boa descoberta, a automedicação é contraindicada e ainda não há comprovação de tratamento precoce ou remédios que curem a COVID-19. 
 
Os estudos com os antialérgicos continuarão para testar a eficácia desses medicamentos no tratamento da doença. 
 
*Estagiária sob supervisão da subeditora Kelen Cristina



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade