Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Saiba qual é o impacto do novo coronavírus no funcionamento do coração

Pacientes com a COVID-19 podem apresentar danos no órgão a longo prazo. Estudo aponta que 78% deles tiveram comprometimento no músculo após ter se curado


27/08/2020 06:00 - atualizado 27/08/2020 07:59

Autores também detectaram inflamação na parede cardíaca de 60% dos pacientes mais de dois meses depois que tiveram alta hospitalar(foto: Joaquin Sarmiento/AFP)
Autores também detectaram inflamação na parede cardíaca de 60% dos pacientes mais de dois meses depois que tiveram alta hospitalar (foto: Joaquin Sarmiento/AFP)


À medida que os cientistas conhecem melhor a COVID-19, mais identificam sinais de que algumas complicações desencadeadas por essa doença podem provocar danos persistentes ao organismo. Duas pesquisas desenvolvidas na Alemanha e divulgadas nesta semana reforçaram essas suspeitas.

Um dos estudos revelou que indivíduos infectados pelo Sars-CoV-2 apresentaram inflamação no tecido cardíaco meses após a recuperação. O outro trabalho confirmou a presença do vírus no miocárdio (parede cardíaca) em pessoas que faleceram em decorrência da enfermidade. As duas investigações foram publicadas na revista especializada Jama Cardiology.



No primeiro estudo, os pesquisadores contaram com a participação de 100 pacientes, que foram submetidos a exames de ressonância magnética periodicamente. Por meio da tecnologia, os investigadores comprovaram que a maior parte dos analisados sofreu danos no músculo cardíaco mesmo 71 dias após terem se recuperado da COVID-19.

“Nossas análises revelaram comprometimento cardíaco em 78 pacientes (78%) e inflamação miocárdica em andamento em 60 pacientes (60%), independentemente de condições preexistentes, gravidade e curso geral da doença”, detalham os autores no trabalho, liderado por Valentina O. Puntmann, do Hospital Universitário de Frankfurt.

Os pesquisadores destacam que os dados obtidos servem de alerta para a possibilidade de danos mais graves à saúde cardíaca em pacientes infectados pelo Sars-CoV-2.

“Embora os efeitos a longo prazo dessas alterações na saúde que foram vistas no estudo ainda não tenham sido pesquisados, sabemos que esse tipo de anormalidade pode agravar cardiomiopatias inflamatórias (…) Essas descobertas indicam a necessidade de investigação contínua das consequências cardiovasculares a longo prazo da COVID-19”, enfatizam os autores.



Lázaro Fernandes de Miranda, cardiologista do Hospital Santa Lúcia, em Brasília, e conselheiro da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), destaca que a pesquisa aprofunda informações já percebidas por profissionais da área.

“Algumas pesquisas haviam apontado para o efeito da COVID-19 no tecido cardíaco, e esse trabalho reforça essa questão com dados bastante sólidos. A ressonância magnética é um dos recursos mais sensíveis para fazer essa análise, mais que o eletrocardiograma e a tomografia cardíaca, por exemplo, apontando, assim, com veracidade, que essas alterações podem ocorrer”, explica.

Segundo o médico, os efeitos provocados pela COVID-19 no músculo cardíaco, inclusive após a recuperação da doença, podem ser desencadeados devido a uma reação do sistema imune. “Mesmo quando essa pessoa se cura, podem ficar resquícios do patógeno, e isso faz com que o sistema de defesa continue agindo contra ele e gere essa inflamação”, explica.

Genoma viral


Em um segundo estudo, cientistas analisaram autópsias de 39 pacientes que faleceram com COVID-19 e constataram a presença do patógeno no tecido cardíaco em 60% dos casos.

“O genoma viral estava presente no tecido do miocárdio em uma parcela considerável do grupo analisado. E esses dados estão de acordo com trabalhos anteriores que mostraram como os receptores de Sars-CoV-2 são expressos nas células do miocárdio”, detalham, no artigo, os cientistas liderados por Diana Lindner, pesquisadora do Departamento de Cardiologia e área vascular do Centro Universitário do Coração, na Alemanha.

Para Lázaro Miranda, o trabalho também contribui ao aprofundar o entendimento sobre danos no coração causados pelo novo coronavírus. “O estudo é bastante interessante, muitas pesquisas vêm sendo feitas com cadáveres, e essas descobertas apontam para os mesmos dados que temos visto nos pacientes tratados: a presença do vírus no músculo cardíaco, podendo, assim, gerar uma inflamação”, justifica.



Quatro tipos


São inflamações do músculo do coração, o miocárdio, que o enfraquecem e atrapalham o bombeamento do sangue. Existem quatro tipos: a dilatada, que expande o tecido e atinge pessoas de 20 a 60 anos; a restritiva, quando o músculo cardíaco se torna duro e rígido; a cardiomiopatia hipertrófica, que se caracteriza pelo espessamento das paredes do coração; e a arritmogênica do ventrículo. Esse último é raro e ocorre quando o tecido do músculo cardíaco é substituído por um tecido cicatrizado, afetando os sinais elétricos do coração.

Palavra de especialista


Ludhmilla Hajjar, professora de cardiologia da Universidade de São Paulo (USP) e cardiologista intensivista da Rede D’Or de hospitais


Atenção também aos grupos de risco


“Assim como esse estudo da revista Jama mostrou essa taxa alta, de 78 pacientes com inflamação cardíaca, temos observado o mesmo na prática clínica, enquanto atendemos pessoas que sofrem com essa enfermidade.

Esses dados reforçam a necessidade de acompanhar o paciente mesmo depois de recuperado e de ficar atento a complicações possíveis no sistema cardíaco e também no respiratório, que são os mais atingidos pela doença.

Essas novas informações também nos ajudam a reforçar ainda mais os cuidados que precisamos ter com pessoas que são do grupo de risco, como os cardiopatas. No caso deles, as complicações podem ser ainda mais graves.”


Teste de vacina em fase final


A farmacêutica Moderna anunciou que deu início ao estágio final dos testes clínicos da sua candidata à vacina para COVID-19. Participarão dessa etapa 30 mil adultos sem registro da doença respiratória. O objetivo da empresa americana é avaliar a segurança da fórmula de imunização mRNA-1273 e determinar se ela pode evitar a doença causada pelo novo coronavírus após a aplicação de duas doses.

O governo dos Estados Unidos apoia o projeto com quase U$ 1 bilhão (aproximadamente R$ 5,21 bilhões), e a previsão da Moderna é de que a fórmula fique pronta até dezembro. A empresa americana pretende fornecer 500 milhões de doses por ano, chegando a 1 bilhão de doses por ano, a partir de 2021. Após o anúncio da fase mais avançada dos ensaios clínicos, as ações da farmacêutica subiram 11%.

O que é o coronavírus


Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp

Como a COVID-19 é transmitida? 

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?


Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal
Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus. 

Vídeo explica por que você deve 'aprender a tossir'


Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade