Publicidade

Estado de Minas CONTA-GOTAS

Dor no cotovelo


postado em 21/06/2020 04:00



A epicondilite lateral, popularmente conhecida como “dor no cotovelo” ou “tendinite do tenista ou golfista”, é uma doença que atinge cerca de 3% da população brasileira, de acordo com a Sociedade Brasileira de Reumatologia. Além de causar muitas dores, o problema pode afetar a qualidade de vida de pessoas em diferentes faixas etárias. Flávia Nascimento, médica da área de reumatologia e dor, explica que esse transtorno se caracteriza como uma inflamação e microrrompimento de fibras que acometem os tendões extensores do antebraço. Assim, o paciente acometido pela doença pode sentir grande sensibilidade, dor, desconforto e dificuldade de movimentar a região do cotovelo. “Essa doença é ocasionada principalmente pelo esforço contínuo nesse local. Portanto, pessoas que realizam qualquer tipo de atividade repetitiva envolvendo essa região podem sofrer com o surgimento do problema”, acrescenta. A melhor forma de evitar a doença, segundo Flávia, é com exercícios físicos.


Dicas para manter a saúde bucal e prevenir contaminação

 

(foto: Pixabay )
(foto: Pixabay )
 

Com a mudança de hábitos de higienização impostas pela pandemia do novo coronavírus, muita atenção se dá em manter as mãos e o rosto limpos. Mas é preciso ir além, e redobrar os cuidados com a higiene bucal, uma vez que descuidos com a boca podem aumentar as chances de contaminação por diversas doenças. Diante disso, Edmilson Pelarigo, diretor clínico da OrthoDontic, dá cinco dicas para manter a higiene bucal em dia neste período de quarentena. Veja abaixo:

» Higienização
Além de escovar os dentes após as principais refeições do dia, é preciso evitar aplicar força na escovação. Além disso, não dá para esquecer da língua e da parte interna das bochechas, pois elas retêm bactérias e devem ser igualmente higienizadas. Por último, mas não menos importante, vem a utilização do fio dental.

» Visitas ao consultório
É recomendável que uma visita ao dentista seja feita, no mínimo, a cada seis meses. Mas lembre-se: em tempos de distanciamento social, a consulta deve ser feita apenas em casos de urgência e emergência.

» Alimentação
Os alimentos chamados “detergentes” são capazes de ajudar a livrar os dentes de resíduos e gorduras, como a maçã, a cenoura, o kiwi, a acelga e o pepino, entre outros.

» Mudança de hábitos
Alguns hábitos comuns podem ser extremamente nocivos para a saúde bucal, como roer unhas e rasgar embalagens com os dentes, desgastando o esmalte ou mesmo provocando fissuras.

» Cuidado com os tratamentos caseiros
Clareamentos feitos sem o acompanhamento do dentista, com auxílio de receitas caseiras ou produtos comprados em mercados e farmácias podem causar a corrosão do esmalte e manchar os dentes.







Pacientes em tratamento contra o câncer

A rápida proliferação das contaminações pelo novo coronavírus tem gerado muita preocupação entre a população global. O medo do contágio tem causado ainda mais ansiedade e incertezas em pacientes que enfrentam o câncer neste momento, visto que se faz necessário seguir rotinas de cuidado, que, por vezes, exigem deslocamentos a hospitais ou clínicas. De acordo com a hematologista e especialista em medicina integrativa Regina Chamon, da Oncoclínicas, em São Paulo, a prática frequente de meditação pode ser uma aliada valiosa, já que é capaz não apenas de melhorar os quadros de dor causados pelo tratamento oncológico, como também de reduzir os índices de depressão e ansiedade e preparar o paciente para lidar melhor com o imprevisível e com suas emoções diante das situações. A prática da respiração compassada é outra aliada. A medicina integrativa também pode ser utilizada como uma forma de ajudar o paciente oncológico, especialmente durante momentos de aflição como o atual.
 
 
 

Uso correto de máscaras em crianças

(foto: Pixabay)
(foto: Pixabay)
 

A máscara de pano é uma ferramenta recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Ministério da Saúde para tentar reduzir os casos do novo coronavírus. Segundo a infectologista Fabianne Carlesse, do hospital GRAACC, usar a imaginação é uma sugestão. "Essa é a melhor maneira de estimular o uso de máscaras de pano. É importante manter as crianças em casa o máximo possível, de falar sobre a higiene das mãos, e de explicar por qual motivo não devemos nos beijar e abraçar as pessoas neste momento, além de não expor os pequenos a pessoas com suspeita ou confirmação de estarem doentes", explica. Fabianne recomenda, ainda, que a família explique, de acordo com a capacidade de entendimento da faixa etária do filho, que ele vai ter que usar o pano sobre a boca e o nariz até voltar para casa e que não poderá encostar na proteção.  E que, ao sair, vistam máscaras do tamanho adequado na criança a partir de 2 anos. Os pais devem pôr a máscara na criança com as mãos limpas, e a retirada precisa ser feita pelas alças laterais.
 
 
 
 

10 sinais de perda auditiva

(foto: Pixabay)
(foto: Pixabay)
 

Falar sobre perda de audição não é fácil. Muitas pessoas com dificuldade auditiva não tomam a iniciativa de procurar a ajuda de um profissional especializado. Em geral, ainda não admitem que começam a sentir dificuldades para ouvir. Isso ocorre porque, na maioria dos casos, a perda auditiva ocorre gradualmente. Além disso, a falta de informação e o preconceito fazem com que a consulta ao médico seja protelada.
Conheça 10 situações, listadas pela fonoaudióloga Marcella Vidal, da Telex Soluções Auditivas, que mostram os primeiros indícios de surdez.

» Assiste à TV em volume mais alto do que as outras pessoas 
da casa, pedindo com frequência para aumentar o som
» Dificuldade para se comunicar em lugares ruidosos, 
como ônibus, festas, shoppings e restaurantes
» Faz leitura labial durante uma conversa
» Comunica-se com dificuldade quando está em 
grupo ou em uma reunião
» Escuta zumbido
» Pede com frequência que as pessoas repitam 
o que disseram
» Ouve as pessoas falando como se elas 
estivessem sussurrando
» Concentra-se muito para entender o que as pessoas 
falam ou cochicham
» Não ouve quando é chamado por uma pessoa que não 
está à sua frente ou que se encontra em outro cômodo
» Ouve com dificuldade o toque da campainha ou do telefone; ou mesmo fica embaraçado ao não entender o que outro diz durante uma conversa pelo telefone
» Família e amigos comentam que você não está 
ouvindo bem.


Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade