Publicidade

Estado de Minas AMBIENTES MULTIFUNCIONAIS

Coronavírus: veja como adaptar o espaço doméstico para o home office sem tirar a característica de lar

Configuração das casas muda conforme aparece uma nova rotina por conta da pandemia


postado em 10/04/2020 07:00 / atualizado em 09/04/2020 14:30

Ambientes se transformam para atender a diferentes funções, como nesse projeto da RKM Engenharia(foto: Daniel Mansur/Divulgação)
Ambientes se transformam para atender a diferentes funções, como nesse projeto da RKM Engenharia (foto: Daniel Mansur/Divulgação)

Tendência
listada pela Euromonitor International, empresa global de pesquisa de mercado, no relatório 10 Principais Tendências Globais de Consumo 2020, a noção da chamada casa multifuncional remete a fazer tudo no conforto do lar. Um item que vem da arquitetura e do design e que encontra um significado especial em época de coronavírus.

Confinadas nos ambientes domésticos, agora as pessoas transferem suas principais atividades para dentro das residências, seja trabalhar, estudar, malhar ou até reinventar o próprio negócio. A ideia é adaptar os espaços para as novas funções, em propostas multiuso, seja para quartos, salas, cozinhas ou outros cômodos.

Na teoria, o conceito compreende empreendimentos com espaços flexíveis que mudam com agilidade para se moldar às funções ali exercidas pelos moradores - na prática, isso já ocorre há um bom tempo. Conforme essa perspectiva, as casas são desenhadas para atender a demandas de personalização dentro desse perfil, seguindo a necessidade de cada habitante. Quem foi surpreendido pela decisão pelo modelo de trabalho em home office precisou adequar dormitórios e recintos comuns em ambientes propícios à realização da atividade profissional, unindo ainda propostas para lazer e relaxamento, que não mais podem ser na rua.

A arquiteta da construtora RKM Engenharia, Juliana Maioli, explica que, para que as atividades em casa sejam desempenhadas com qualidade, as adaptações passam por escolhas assertivas, direcionadas ao novo objetivo, quanto a iluminação, ergonomia e separação dos ambientes seguindo os meios de convivência da família. Quem não tem a casa projetada para ser flexível pode usar a arquitetura, o design e a marcenaria como aliados para dividir cada cômodo e agregar bem-estar, agilidade e leveza para o dia a dia. Outra dica é abrir as janelas e deixar a luz do sol e o ar puro entrarem. Se não for possível, ela indica colocar plantas próprias para espaços fechados, como areca, palmeirinha e lírio da paz.

MUDANÇA


A arquiteta aponta a tendência como divisor de águas em empresas e famílias no período pós-pandemia. "Estamos mudando a maneira com que enxergamos nossa casa, nosso trabalho e formas de convivência. Já estamos vivendo uma mudança gradual nos hábitos de consumo. As pessoas buscam um estilo de vida mais minimalista, sustentável e saudável. Com a população voltada para fazer tudo no lar, vamos começar a priorizar mais flexibilidade, menos deslocamentos e espaços multiuso que visam a qualidade de vida."

Destinar um espaço para o trabalho em casa é um boa dica. Na foto, ambiente da construtora RKM Engenharia(foto: Daniel Mansur/Divulgação)
Destinar um espaço para o trabalho em casa é um boa dica. Na foto, ambiente da construtora RKM Engenharia (foto: Daniel Mansur/Divulgação)

Começa a se criar o consenso de que, depois da quarentena, o trabalho remoto pode se manter como uma forma de atuação para muitas pessoas. Mesmo com essa flexibilidade e, em grande parte, a economia de gastos, trazer o escritório para dentro de casa deve ser um processo inteligente, para que não se perca em conforto e privacidade. Para o arquiteto Henrique Hoffman, do escritório Painel Arquitetura, modificar a ambientação da casa por causa do trabalho, por outro lado, pode tirar a característica de lar e ser prejudicial aos moradores.

Henrique ensina maneiras de ter equilíbrio. "É importante preestabelecer um horário, como o intervalo comercial, das 8h às 18h, para que a casa não deixe de ser um lar. Se a pessoa não tem um home office e está utilizando um canto da casa para trabalhar, sugiro que, assim que terminar o 'expediente', retire tudo do lugar. Limpe o espaço todos os dias, guardando todo o material de trabalho. Afinal, é preciso determinar que lar e ambiente de trabalho sejam desvinculados um do outro, pois são atividades funcionais distintas", recomenda. Para ele, o mais indicado é destinar um cômodo só para o trabalho e, se não for o caso, o ideal é designar um canto fixo para não espalhar o trabalho por toda a moradia.

De acordo com Fernando Oliveira, sócio-diretor da loja Mobília, especializada em móveis corporativos, a vantagem hoje é que equipamentos como computadores e impressoras são compactos e, assim, é possível criar uma ambientação profissional sem tirar a sensação de acolhimento do lar. Os computadores são menores, alguns não têm nem CPU externo e, na maioria das vezes, os trabalhos são executados em notebook e até mesmo em smartphones. "O que precisamos, principalmente, é de uma boa cadeira, que seja ergonômica, compacta, com bom design e que os rodízios não danifiquem o piso. Depois, uma mesa que atenda o espaço disponível e os equipamentos que teremos que utilizar, de acordo com as medidas determinadas pela ABNT, e, por último, se necessário, uma iluminação de apoio. Além disso, pode-se pensar em painéis acústicos para que o barulho não incomode."

(foto: Arte: Paulinho Miranda)
(foto: Arte: Paulinho Miranda)


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade