Publicidade

Estado de Minas

Como preservar a fertilidade após diagnóstico de câncer de mama

Técnicas de reprodução assistida podem tornar real o sonho da maternidade


postado em 14/10/2019 14:30 / atualizado em 15/10/2019 15:43

Fertilidade também é assunto a ser discutido durante outubro rosa(foto: Reprodução)
Fertilidade também é assunto a ser discutido durante outubro rosa (foto: Reprodução)
 
Durante o outubro rosa, é comum a conscientização para o diagnóstico precoce e o autoexame, mas outro assunto que também deve ser discutido é a preservação da fertilidade. De acordo com o médico Selmo Geber, diretor da clínica Origen, o tema deve ser abordado desde o diagnóstico. “O ideal é que a abordagem seja feita pelo médico que deu o diagnóstico do câncer (no caso, o mastologista) e/ou médico que fará o tratamento (no caso, o oncologista), já que são eles que acompanham a paciente nessa fase e, assim, precisam abordar todas os riscos e efeitos adversos do tratamento, e as alternativas de resolução”, afirma.

O médico conta que os tratamentos oncológicos promovem limitação no sistema reprodutor feminino, podendo causar esgotamento folicular e infertilidade. "Há risco de falência ovariana pelo esgotamento total dos óvulos em 60% das mulheres. A alternativa seria o congelamento dos óvulos antes do início da quimioterapia",revela.
 
Preservar a capacidade reprodutiva dessas mulheres tornou-se fundamental e os recentes avanços nas técnicas de reprodução assistida permitiram a preservação da fertilidade, tendo no congelamento de oócitos uma das suas possibilidades. “Inicialmente, realiza-se a estimulação ovariana com hormônios para que os folículos cresçam nos ovários. Cada folículo contém um óvulo em seu interior. Quando os folículos atingem o tamanho desejado (aproximadamente 10 dias), realiza-se a punção dos folículos para aspiração dos óvulos, que são congelados, em um processo chamado vitrificação. Os óvulos ficam congelados em nitrogênio líquido a -296 graus. Eles podem ficar congelados por tempo indeterminado, até haver a possibilidade, o desejo e/ou necessidade do descongelamento”, explica Selmo Geber.

Mariana Hamaceck foi diagnosticada com câncer de mama e optou por congelar os óvulos(foto: Rômulo Brandão)
Mariana Hamaceck foi diagnosticada com câncer de mama e optou por congelar os óvulos (foto: Rômulo Brandão)
Quem passou pelo procedimento foi Mariana Hamaceck, diagnosticada com câncer de mama em 2018. Depois da cirurgia de mastectomia, e iniciar, em junho deste ano, o tratamento de quimioterapia, ela foi alertada sobre o risco da infertilidade pelo médico, que deu 60% de chance de ela engravidar após o tratamento. “Como sonho ser mãe um dia, não quis arriscar e fiz o congelamento de óvulos por prevenção”, revela. 

Ginecologista especializado em reprodução assistida, Ricardo Marinho, da clínica Pró-Criar, revela qual o perfil da mulher que pode optar pelo congelameto. “O mais comum é a criopreservação (congelamento) de óvulos maduros, que poderão ser utilizados futuramente para fertilização in vitro. O congelamento de fragmentos de tecido ovariano ainda é considerado experimental, e está indicado para meninas antes da puberdade, que não poderiam fazer a estimulação e a aspiração dos folículos ovarianos ou nos casos em que não há tempo para o procedimento de congelamento de óvulos.” 
 
* Estagiária sob a supervisão da subeditora Elizabeth Colares 



Publicidade