Publicidade

Estado de Minas

Como criar meu filho?

Mães de primeira viagem aprendem também a lidar com conflitos com as avós materna e paterna sobre a melhor maneira de lidar com a educação e alimentação dos rebentos


postado em 28/07/2019 04:19


 





Enfaixar o umbigo? Não pode. Funchicória? Melhor evitar. Chá? De jeito nenhum. Água? Também não. Deitar de bruços? Põe em risco a vida da criança. Andador? Pode ter traumatismo craniano. Talco? Provoca síndrome respiratória, resseca e pele e pode causar câncer!

Se você tem por volta de 30 anos e é mãe de primeira viagem, provavelmente sabe de todas essas coisas. Agora, se você tem mais de 40, deve ter caído para trás ao ler as linhas acima e há grandes chances de ter pensado em voz alta, enquanto lia: "Fiz tudo isso com meu filho e ele não morreu!". De fato, a repórter que lhes escreve passou por quase todos esses procedimentos quando era bebê e está aqui, 'vivinha da silva', para contar história. Mas, se ao longo dos anos a medicina avança com o intuito de melhorar a vida das pessoas, por que insistir em métodos hoje vistos pelos médicos como desatualizados ou até prejudiciais? A verdade é que todas essas mudanças têm gerado pane na relação entre as novas mães e suas respectivas genitoras e sogras.

Na maior parte das vezes, os conselhos são bem-intencionados ou até solicitados. Noutras, chegam com ar de superioridade e minando a segurança da nova mãe, já devastada pelo puerpério. Foi o que ocorreu no nascimento da primeira filha da professora Carolina Hastenreiter, de 31 anos. Desde a gravidez, ela começou a se desentender com a sogra, que, diferentemente da sua mãe – com comportamento mais discreto –, interferia bastante nos assuntos relacionados à criação de Sofia, hoje com 6 anos. "Se a Sofia chorava, ela já queria pegar e resolver na minha frente. Eu não podia tentar pegar minha filha, que ela já me empurrava, literalmente", conta Carol, acrescentando, ainda, o que sempre ouvia: "Ela dizia que sabia mais do que eu, porque já tinha criado três filhos e eu não sabia de nada".

AVANÇOS 

O médico pediatra Mateus Salzgeber Coutinho concorda que os cuidados com o recém-nascido mudaram bastante de 30 anos pra cá. Ele atribui essas mudanças ao avanço da tecnologia e também aos estudos direcionados à área da pediatria. "Por um lado, há cada vez mais oferta de novos produtos na linha de cuidados do recém-nascido, bem como a popularização desses produtos. E, de outro, um entendimento geral menos intervencionista no binômio materno-infantil desde o nascimento", explica.

Para Coutinho, a inclusão da figura paterna nos cuidados com o bebê também foi uma mudança bastante significativa ao longo desse período. "Outro ponto importante foi a dinâmica familiar, que mudou muito. Cada vez mais, os homens estão introduzidos e participativos nos cuidados com os filhos. As tarefas costumam estar mais divididas entre o casal, o que é muito positivo", reflete. Uma evolução incontestável, de fato, mas que também provoca reações das avós. Afinal, estaria o pai de um recém-nascido habilitado a cuidar dele sozinho? A resposta dos pediatras é unânime em dizer que sim. Mas, na prática, as avós exigem um pouquinho mais. 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade