Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas OPINIÃO SEM MEDO

O governo Bolsonaro já se tornou um governo velho

A celebrada ''nova política'' perdeu, e o famoso ''sistema'' segue imbatível no comando do poder


31/07/2020 07:06

"Bolsonaro vem rompendo com todas as bandeiras de campanha que levaram o 'mito' a vencer a eleição de 2018" (foto: EVARISTO SA / AFP)

Aliança com o Centrão e líderes políticos envolvidos em casos de corrupção; indicação de um PGR francamente opositor à Lava-Jato; uma provável (e inevitável) onda de aumento de impostos; farta distribuição de cargos em ministérios e secretarias…

O governo Bolsonaro vem rompendo com todas as bandeiras de campanha que levaram o “mito” a vencer a eleição de 2018. Precocemente, vem se transformando em “mais do mesmo”, mas com um tempero inédito e ainda pior: pitadas de autoritarismo extremo.

Até mesmo a prática do assistencialismo eleitoral, tão corretamente criticado nos tempos do lulopetismo, ensaia ser a nova tônica deste governo. Assim como Lula “roubou” de FHC os programas sociais e criou o Bolsa-Família, Bolsonaro promete o Renda Brasil.

A bandeira do combate à corrupção caiu por terra. Um governo liberal, enxuto e pró-empreendedorismo não sai do papel. O lema “menos Brasília e mais Brasil” foi engolido pelo jogo rasteiro da pior política. Só restou ao governo o antipetismo radical e a busca do eleitorado mais pobre, como suporte eleitoral.

Para quem, como eu, apostou em algo melhor - ainda que sem muita esperança, e por mera falta de opção no segundo turno - Jair Bolsonaro é a síntese da decepção. Para não dizer, a síntese de um enorme estelionato eleitoral. E para piorar, em meio à essa maldita pandemia de coronavírus, que deixará como saldo, além de milhões de mortos e doentes, a maior crise econômica da história mundial.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade