Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

COVID-19: O Brasil vai se acostumando com a tragédia

Mortos não assustam mais, números não assustam mais e o País segue à deriva


17/07/2020 06:00 - atualizado 17/07/2020 07:14

Doente de coronavírus, homem recebe atendimento médico em hospital de campanha no Norte do país(foto: TARSO SARRAF / AFP)
Doente de coronavírus, homem recebe atendimento médico em hospital de campanha no Norte do país (foto: TARSO SARRAF / AFP)

Meio que sem saber ou meio que sem querer saber, o governo brasileiro vai tocando sua vida, em meio à pandemia do novo coronavírus, como se muito pouco, ou quase nada, estivesse realmente acontecendo no País.

É surpreendente que, com dois milhões de casos confirmados e mais de setenta e cinco mil mortos oficiais, não tenhamos sequer um ministro da Saúde. Pior: continuamos discutindo reabertura do comércio, eficácia da cloroquina e presença de militares no governo, e assistindo à reprise de um filme velho e surrado, a corrupção comendo solta nos estados e municípios.

Aliás, fora do âmbito federal, prefeitos "vêm e vão" em decisões movidas por pressão política e popular, enquanto governadores, perdidos e sem dinheiro, viram-se como podem, órfãos que são - e estão - da União. A COVID-19 escancarou a necessidade premente de um novo pacto federativo. O dinheiro da cidade deve ficar na cidade, depois seguir para o estado, e só então para Brasília.

Já a treta da semana ficou por conta do embate entre o ministro Gilmar Mendes e o general Eduardo Pazzuelo, onde o primeiro, acertadamente (para variar), corresponsabilizou o exército brasileiro pelo que chamou de genocídio. Ofendidos, os militares do governo retrucaram e judicializaram a opinião. Alguém tem de explicar a esse pessoal que, fora dos quartéis, criticar oficiais não é crime nem proibido.

Pois é. Enquanto o mundo político bate cabeça, o povo bate as botas. Que as benditas vacinas cheguem logo, pois são tudo o que nos resta.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade