Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas OPINIÃO SEM MEDO

Eleição municipal: Kalil com a faca e o queijo nas mãos

Certamente teremos uma eleição inédita, onde o interesse pela política será baixíssimo, favorecendo o candidato da situação


24/07/2020 06:00 - atualizado 24/07/2020 07:06

(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)

O cenário eleitoral para a disputa da prefeitura de Belo Horizonte vai se cristalizando em um modorrento ajuntamento de nomes de pouco peso e expressão política, entremeado por dois ou três candidatos que poderão fazer algum tipo de frente ao atual prefeito da capital.

Tudo o mais constante, Alexandre Kalil será eleito ainda em primeiro turno, já que seus principais concorrentes, o deputado estadual João Vítor Xavier (Cidadania), Rodrigo Paiva (Novo) e Mauro Tramonte (Republicanos) não conseguem deslanchar nas pesquisas de opinião, e a pandemia de COVID-19 impossibilitará uma campanha eleitoral mais acirrada.

É sabido que o prefeito pretende abandonar a prefeitura em 2022 para tentar o governo de Minas, por isso o nome escolhido para compor sua chapa, como vice-prefeito, será fundamental. Os eleitores - e os adversários políticos - deverão estar muito atentos a isso, pois a escolha deverá ser levada em conta na hora do voto.

Kalil não é uma unanimidade e, particularmente, considero sua gestão muito ruim, mas o prefeito consegue a tal “conexão” com o povo, nos moldes que conseguia, por exemplo, Lula, e consegue Jair Bolsonaro. O populismo é uma praga que se alastra fácil no Brasil e a personificação dos candidatos é sempre decisiva junto ao eleitorado.

O ideal seria um rápido e forte arrefecimento no número de contágio (e de mortes) pelo novo coronavírus a fim de trazer a campanha eleitoral para a vitrine. Os demais candidatos poderiam expor e explorar as inúmeras falhas do prefeito, e tentar ao menos emplacar algum tipo de debate político, o que neste momento é impensável.

Como o número de eleitores indecisos (e desinteressados) é muito grande, não se pode cravar nada, por óbvio. E, como bons mineiros, tanto Kalil não deve comemorar, como os adversários, desistir. A nós, eleitores, os verdadeiros agentes de uma eleição, cabe acompanhar tudo de perto e decidir pelo melhor para a cidade e nossas vidas.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade