Publicidade

Estado de Minas PAGO QUANDO PUDER

Planejamento financeiro pessoal: mais fácil e necessário do que você pensa

A organização das finanças é um desafio para muita gente. Mas acredite: se planejar financeiramente é possível e não precisa ser sofrido


28/07/2021 06:00 - atualizado 28/07/2021 07:08

(foto: Pixabay)
(foto: Pixabay)
Julho já vai se despedindo de 2021 e, junto com o até logo dele, vem aquele pensamento de todo fim de mês: no mês que vem, eu vou ser diferente! Você anuncia que vai voltar pra dieta, assume com você mesmo o compromisso de dar aquela faxina que tem adiado há meses e o mais importante: promete que vai organizar as finanças para que o próximo mês seja mais equilibrado.

Se você se identifica com essas situações ou está apenas buscando ajuda pra fazer um planejamento financeiro que realmente te ajude a organizar seu dinheiro, você está no lugar certo. 

Mesmo que os seus objetivos sejam mais de longo prazo e que você tenha consciência que seus sonhos não serão realizados de um mês para o outro, a gente indica fortemente que você faça um planejamento financeiro mensal.

Gerenciar e revisitar despesas e receitas pelo menos a cada 30 dias contribui para que você mantenha o controle sobre as finanças e tenha tempo de recalcular a rota caso isso seja necessário. Além do mais, a maioria dos cidadãos brasileiros costuma ter receitas e despesas fixas no mês, e fazer um planejamento acompanhando essa frequência é fundamental para manter as contas bem controladas.

E não para por aí: planejar-se financeiramente é, com certeza, uma forma de encurtar a distância entre você e os seus sonhos que envolvem recursos financeiros!

Mas como fazer isso, afinal? Acompanhe!

Como fazer um planejamento financeiro mensal?

Se você não tem o hábito de organizar suas contas, a primeira coisa que precisa saber é que não está sozinho nessa. De acordo com uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), quase metade (48%) dos consumidores brasileiros não controla o seu próprio orçamento.

Se 48% dos brasileiros não controlam o orçamento, podemos dizer que a maioria dos consumidores se planejam financeiramente de forma adequada, certo? Não é bem por aí!

O mesmo estudo mostrou que, entre os que mantêm o controle sobre suas finanças, somente 33% planejam o mês com antecedência, registrando o quanto esperam ganhar e gastar no mês seguinte. A maioria (39%) anota os gastos à medida que eles acontecem e outra boa parte (27%) só anota os gastos depois que o mês acaba. Anotar os gastos depois que eles aconteceram é melhor que não ter controle de nada, mas não  dá pra chamar isso de planejamento, concorda?

Considerando que “planejar” significa programar com antecedência ou criar um plano para alcançar um objetivo, o ideal é fazer o planejamento antes dos boletos começarem a chegar.
Se você tem interesse em fazer parte do time dos que se planejam de maneira adequada, vem com a gente neste passo a passo!

Passo 1: liste todas as suas despesas e receitas fixas

Essa dica parece clichê, mas acredite: sem passar por ela, a gente não chega a lugar nenhum! Por isso, comece anotando todos os gastos fixos que você tem no dia a dia. Liste as contas que você tem a pagar todos os meses, que incluem despesas como:
- aluguel;
- internet;
- condomínio;
- plano de saúde;
- IPTU;
- IPVA.

E não se esqueça de estimar um valor a ser gasto com contas que não têm um valor fixo, mas que são despesas certas todos os meses, como gasolina, supermercado, água, luz e gás. Lembre-se também de incluir os gastos extras, que vão além do mínimo necessário para a sobrevivência, como os serviços de streaming e despesas com academia, por exemplo.

Sobre as contas que chegam anualmente, como é o caso do IPTU, IPVA e seguro obrigatório, esforce-se para separar um valor no planejamento de todo mês para o pagamento deles. Assim, quando os boletos chegarem, você não precisará comprometer o seu salário ou 13º para pagá-los, pois já terá reservado o valor referente a esses gastos!

Por fim, é muito importante que você mantenha na sua previsão de gastos as despesas que têm data certa pra acabar, como prestações de compras a longo prazo e parcelas de dívidas negociadas. Se tiver algum gasto específico previsto apenas para aquele mês (como despesas médicas com uma cirurgia, por exemplo), não deixe de lançar também.

E atenção: nada de lançar a fatura do seu cartão de crédito como uma despesa única, viu? É muito importante que você especifique os gastos e classifique-os de acordo com cada categoria (ex: alimentação, lazer etc). Isso te ajuda a ter uma exata noção de quanto você está gastando com cada coisa.

Paralelamente à previsão de despesas, liste também todos os ganhos previstos para o mês, incluindo salário, comissões, benefícios trabalhistas (13º e férias, por exemplo), entre outros. Fazer o planejamento financeiro mensal, e não em um prazo mais longo, facilita o lançamento de receitas bem pontuais (como o pagamento de um empréstimo que você fez a um amigo, por exemplo), o que é fundamental para uma previsão mais precisa de como será o seu mês em termos financeiros.

Ah, e você não precisa reinventar a roda pra fazer esse controle, viu? Existem vários aplicativos no mercado que podem te ajudar nesse processo e até mesmo ferramentas mais simples, como uma planilha de Excel para controle financeiro que pode ser personalizada de acordo com sua realidade, ou um caderno de anotações separado para essa função.

Passo 2: avalie a relação entre receitas e despesas e ajuste seu orçamento

Depois de seguir esse primeiro passo, você terá uma visão clara e completa do seu orçamento mensal. E é daí que vão surgir necessidades ou oportunidades de ajuste.

As despesas estão maiores do que as receitas? Já sabemos que evitar esse tipo de situação é a regra número um para o controle financeiro. Se esse for o seu caso, revisite as despesas e veja em que você pode reduzir para o mês seguinte.

Pode ser que valha a pena, mesmo que temporariamente, cortar os serviços de streaming, enxugar os excessos das compras de supermercado e reduzir os gastos com gasolina, por exemplo. A regra básica é: mantenha e cumpra o compromisso com o que é realmente essencial e reveja o que não é!

Mas, se a situação for exatamente o contrário e esse controle te mostrar que suas receitas são suficientes para arcar com as despesas e ainda anda sobrando grana todo mês, você tem uma excelente oportunidade pela frente.

É aí que entra sua chance de destinar uma quantia para uma reserva de emergência, estudar possibilidades de investir seu dinheiro e tirar do papel aqueles planos que você anda fazendo há meses.

É importante saber: essa não deve ser a exceção e sim a regra da organização das suas finanças, viu? Inclusive, é exatamente para isso que um bom planejamento financeiro serve: pra te ajudar a entender o que precisa ser feito pra que você não viva no aperto todos os meses.

Passo 3: trace seus objetivos e estabeleça metas para alcançá-los

Um planejamento financeiro ficaria muito limitado se fosse feito apenas para acompanhar despesas e receitas. O maior benefício desse processo é, sem dúvida, te permitir alcançar seus objetivos e realizar seus sonhos, te dando uma visualização mais clara e simples do que precisa ser feito para que você chegue lá sem se endividar ou pagar infinitas parcelas.

Portanto, depois de dimensionar ganhos e gastos e fazer os ajustes necessários pra não viver apenas pagando contas, é hora de visualizar onde você quer chegar e estabelecer metas que vão te ajudar no caminho.

Por exemplo: você quer fazer uma pós-graduação daqui dois anos e vai precisar de R$ 10 mil para pagar o curso? Que despesas você pode cortar nos próximos meses para economizar cerca de R$ 400 por mês e ter o valor necessário no prazo estabelecido? É nesse tipo de organização que um planejamento financeiro pode te ajudar.

Com a meta estabelecida, lembre-se de incluí-la nas despesas previstas do mês, porque é importante deixar registrado que essa “reserva” é um gasto planejado, que precisa acontecer para que seu objetivo seja alcançado.


Busque conhecimento para te ajudar nesse processo

Por mais que o passo a passo pareça simples de ser seguido, sabemos que o planejamento financeiro é um desafio pra muita gente. Portanto, tenha certeza de que incluir a educação financeira como um hábito na sua vida é fundamental para te ajudar nesse processo.

Se você chegou até aqui é porque está em busca de informações relevantes pra organizar suas finanças e entende a importância do assunto. Saiba, então, que essa busca por conhecimento precisa ser constante e que, graças à tecnologia, você tem acesso a um mundo de informações na palma da sua mão.

Pago Quando Puder, por exemplo, é uma plataforma digital de conteúdos que tem o propósito de ajudar os brasileiros a lidar melhor com seu dinheiro, de forma simples e acessível a qualquer pessoa. O objetivo da iniciativa é promover mais qualidade de vida financeira, ajudando os consumidores a pôr fim nessa história do mês acabar antes do salário.

Por que se planejar financeiramente é tão importante?

Agora que você já sabe como fazer um planejamento financeiro adequado e coerente com a sua realidade, vale a pena entender por que fazer isso é tão importante. Isso vai te ajudar a ter certeza que, mesmo parecendo difícil e trabalhoso, o processo não tem a ver com a burocracia de preencher planilhas e pode trazer ganhos reais para sua vida.

Controle das finanças

Falar da importância de se organizar para alcançar metas e sonhos é lindo, mas o desafio começa um pouco antes disso. Pra muita gente, um planejamento financeiro é, acima de tudo, uma forma de controlar as finanças e entender, exatamente, pra onde está indo o dinheiro do mês.

Portanto, um controle mais estruturado das receitas e despesas é um dos benefícios de um bom planejamento financeiro. Não importa se você está endividado, vivendo só pra pagar contas ou se está conseguindo guardar um dinheirinho por mês. O importante é que controlar seu orçamento é o primeiro passo de qualquer caminho que você queira seguir.

Preparação para imprevistos

Quem nunca precisou lidar com uma situação inesperada e se apertou financeiramente que atire o primeiro boleto. A vida é cheia de imprevistos e te deixar minimamente preparado para lidar com eles é mais um dos benefícios que um bom planejamento financeiro proporciona.

Tendo clareza das suas despesas e receitas atuais e dos gastos que estão planejados para as próximas semanas fica mais fácil saber de onde você vai tirar quando precisar desembolsar um determinado valor para lidar com um imprevisto. A gente só consegue recalcular a rota se a gente conhece bem o caminho traçado, não é mesmo?

Além disso, como já vimos, um planejamento financeiro adequado também vai te ajudar a transformar o sonho da reserva de emergência em realidade. E esse é um passo fundamental pra parar de tomar sustos com os imprevistos que estão fora do nosso controle, mas a gente sabe que podem acontecer.

Conquista de objetivos e sonhos

Com o arroz e o feijão bem feitos, agora sim dá pra falar disso. Indiscutivelmente, um planejamento financeiro é essencial para que você não viva só para pagar contas e consiga traçar e alcançar planos a médio e longo prazo.

Não importa se você pretende casar, fazer uma viagem de intercâmbio, morar sozinho, abrir o próprio negócio… Independentemente de qual for o seu objetivo, somente um bom planejamento vai ser capaz de te ajudar a chegar lá de forma estruturada e sem comprometer as finanças.


*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade