Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA

Dias de criação

Há um novo mundo para criarmos não em sete dias, nem com ervas que dão sementes, nem com árvores que dão frutos


06/12/2020 04:00 - atualizado 06/12/2020 08:51


 
No primeiro livro da Sagrada Escritura – um hino de louvor à criação –, os 31 versículos do primeiro capítulo de Gênesis vão se unindo uns aos outros mostrando que tudo que Deus criou foi para o bem. É um Deus cuidadoso e detalhista, descrito em um texto poético que transpira amor durante os sete dias dedicados a criar o dia e a noite, o céu e o mar, a terra com ervas que deem semente e árvores que dão frutos.
 
Ao final dos trabalhos (lembrando que os dias eram contados a partir do pôr do sol) sempre a expressão: “E Deus viu que era bom”. No quarto dia aparecem no firmamento o grande luzeiro (sol) para presidir o dia e o luzeiro menor (lua) para presidir a noite, e também as estrelas, para separar a luz das trevas.
 
No quinto dia, fervilham as águas de seres vivos e pássaros começam a voar sobre a terra e abaixo do firmamento, sob as bênçãos do Criador: “Sede fecundos e multiplicai-vos segundo suas espécies”. No sexto dia surge sua obra-prima, o ser humano, criado à sua imagem, para dominar os peixes do mar, as aves do céu e todo ser vivo que rasteje sobre a terra. Deus dá ao ser humano a erva que dá semente e as árvores que produzem frutos para servir-lhe de alimento. E também dá aos animais, a todo ser vivo sobre a terra, as ervas e as árvores para se alimentarem. Deus viu tudo o que tinha feito e achou tudo muito bom. Concluídos o céu e a terra com todos os seus elementos, no sétimo dia Deus descansou.
 
Onde estava o homem, o Senhor plantou um jardim e nele fez brotar toda sorte de árvores agradáveis de aspecto e boas para se comer. Um rio dividido em quatro braços regava o jardim e bem no meio havia a árvore da vida e também a árvore do conhecimento do bem e do mal. Com carinho, Deus molda o homem do solo, dá-lhe uma companheira e limites. E assim termina o primeiro capítulo, para o qual fomos hoje lembrar o tempo em que tudo era bom. Passemos ao capítulo de hoje.
 
Agora que o mundo já sabe que a pandemia não foi apenas um vento que passou em nossas vidas, a tarefa pós-Covid não será colocar as coisas no lugar como estavam, mas reconstruir melhor, reiniciar. Deixar para trás tudo que a prosperidade duramente conquistada nos proporcionou, como o luxo da escolha e serviços confiáveis, e descobrir como lidar com esse coletivismo que nos descaracteriza e nos transforma em peças de xadrez.
 
Durou e está durando muito mais do que imaginávamos nos instantes de maior pessimismo e para seguir adiante e para o alto precisaremos caminhar muito mais do que planejávamos, pensando nas soluções tintim por tintim. Teremos que nos capacitar para provermos nós mesmos o maná que nos sustentará durante a travessia. Só a mudança no comportamento das pessoas, como consumidoras e cidadãs, já é motivo para uma pausa. Ainda precisamos refletir se é nos tornando juízes sumários uns dos outros que se fará a caminhada.
 
Temos necessidade de novos modelos de negócio e de operação – isto é fato. Também ficou claro o papel da tecnologia e digitalização na gestão da crise. Educação e saúde, por exemplo, são áreas que têm pressa para chegarem ao futuro. Como sair de um modelo tradicional de educação para um modelo tecnológico, incluindo pais e professores nesse novo sistema já que não se trata de simplesmente replicar o modelo presencial para o on-line? Juntar casa e escola, capacitando tanto professores como os pais e os alunos para as novas ferramentas de ensino?
 
E só para falar um pouco da saúde, como aceitar melhor a teleconsulta? Como fazer um fragilizado doente, que chegava ao consultório com aflições no coração e saía feliz com as palavras consoladoras do médico, como fazer dele um paciente que não se impacienta diante de uma teleconsulta?  Como levar a tecnologia para fora dos muros dos hospitais?
 
Há um novo mundo para criarmos não em sete dias, nem com ervas que dão sementes, nem com árvores que dão frutos. Mas o Criador espera que nós, todos nós, cheguemos a uma criação coletiva de maneira tal que, afinal, todos os envolvidos achem que está tudo muito bom.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade