Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas ENTRE LINHAS

Boato sobre a demissão de Queiroga termina com uma simples vírgula

Ex-ministro nega que esteja deixando o cargo após mal-entendido sobre coluna publicada na quinta-feira (2/9)


03/09/2021 04:00 - atualizado 03/09/2021 07:40

Ministro Marcelo Queiroga disse que segue na pasta após intensa boataria nas redes sociais
Ministro Marcelo Queiroga disse que segue na pasta após intensa boataria nas redes sociais (foto: TWITTER/REPRODUÇÃO)
A notícia de que o  ministro Marcelo Queiroga havia pedido demissão foi a sensação nas redes sociais nesta quinta-eira  (2/9), até ser desmentida pelo próprio. Em se tratando daquela pasta, cuja atuação na pandemia de COVID-19 é investigada pela CPI do Senado,  tudo poderia acontecer, ainda mais uma troca de ministros , porque três já passaram pelo cargo. A notícia era uma “barriga”, ou seja, uma notícia falsa no velho jargão jornalístico, geralmente publicada de forma involuntária, ou seja, algo muito diferente de uma maldosa fake news. Se bem que não é incomum um fato como esse se confirmar somente algumas semanas depois, por puro capricho de quem demite, porque a informação “vazou”.

A história toda começou por causa de uma vírgula, na coluna publicada pelo jornalista Matheus Leitão, no site da revista Veja, intitulada “Queiroga, pede para sair”. O texto faz um balanço da atuação do ministro e conclui: “Assim como todos os ministros da Saúde que já passaram pelo governo de Jair Bolsonaro, Queiroga demonstra fraqueza e apatia no cargo. Ninguém supera os erros de Eduardo Pazuello, mas talvez seja hora de Queiroga cogitar sua saída da liderança da pasta que se tornou o foco e a responsável por administrar a crise no país nos últimos meses.

Houve leitura apressada do texto, ignorando a pontuação, ou seja, concluíram que Queiroga havia pedido demissão. Quem checou com alguma fonte dadivosa, provavelmente teve a confirmação antes de publicar a notícia. Tropeçar na vírgula é um dos cavacos do ofício de jornalista, daí a antológica campanha realizada pela Associação Brasileira de Imprensa (ABI), ao completar 100 anos:

A vírgula pode ser uma pausa… ou não:
Não, espere.
Não espere.
Ela pode sumir com seu dinheiro:
R$ 23,4.
R$ 2,34.
Pode criar heróis:
Isso só, ele resolve!
Isso, só ele resolve!
Ela pode ser a solução:
Vamos perder, nada foi resolvido!
Vamos perder nada, foi resolvido!
A vírgula muda uma opinião:
Não queremos saber!
Não, queremos saber!
A vírgula pode condenar ou salvar:
Não tenha clemência!
Não, tenha clemência!

Uma vírgula muda tudo!

ABI: 100 anos lutando para que ninguém mude uma vírgula da sua informação.

Mais uma dose

São funções da vírgula: (1) representar uma pausa ou uma mudança na entonação; (2) separar palavras ou orações que precisam de destaque ; (3) eliminar ambiguidades e esclarecer o conteúdo da frase. Há situações em que é imprescindível empregar a vírgula, como nas orações explicativas, e outras em que ela não deve ser usada, como nas orações restritivas. Por isso, ao anunciar o nome do presidente da República, Jair Bolsonaro, usa-se vírgula; para falar do ex-presidente José Sarney, porém, não, porque outros também exerceram o cargo: Fernando Collor, Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff e Michel Temer.

A vírgula é terminantemente proibida quando separa o sujeito do verbo e seus complementos. Quando há apenas um substantivo simples no sujeito, fica mais fácil: João saiu de casa à meia-noite. A mesma lógica se aplica ao verbo e seus complementos: João pediu a Maria que fosse visitá-lo. No caso Queiroga, realmente, a vírgula faz sentido, deveria pedir pra sair. Não é competente como sanitarista, está no cargo porque atende aos caprichos do presidente Jair Bolsonaro, um negacionista, que até hoje não se vacinou contra a COVID-19 ou o fez escondido, como o general Luiz Ramos, secretário-geral da Presidência.

A última do Queiroga foi retirar a CoronaVac, a vacina do Butantan, do programa de reforço da vacina, a chamada terceira dose. Foram aplicadas até agora 57,4 milhões de doses dessa vacina. Os que a tomaram não terão direito ao reforço? Ontem, o The New England Journal of Medice publicou o resultado de uma pesquisa realizada no Chile sobre a eficácia da vacina chinesa, que usa o método tradicional, mas contra a qual o presidente Jair Bolsonaro até hoje faz campanha. Realizada de 2 de fevereiro a 1º de maio de 2021, alcançou 10,2 milhões de pessoas vacinadas acima de 16 anos, com uma média de 600 mil pessoas/dia.

Entre as pessoas que foram totalmente imunizadas, a eficácia da vacina ajustada foi de 65,9% para a prevenção de COVID-19 e 87,5% para a prevenção de hospitalização, 90,3% para a prevenção de admissão na UTI, e 86,3% para a prevenção de morte relacionada a COVID-19. “Nossos resultados sugerem que a vacina SARS-CoV-2 inativada preveniu efetivamente a COVID-19, incluindo doença grave e morte”, concluiu o relatório.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade