Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas ENTRE LINHAS

Bolsonaro promete armar um barraco político no Dia da Independência

Num país com rumo, o presidente anunciaria uma proposta de desenvolvimento e a convocação de um debate nacional sobre os próximos cem anos, envolvendo a todos


31/08/2021 04:00 - atualizado 31/08/2021 07:18

EVARISTO SÁ/AFP(foto: Bolsonaro está preocupado em criar crises, sem um projeto de desenvolvimento para o Brasil)
EVARISTO SÁ/AFP (foto: Bolsonaro está preocupado em criar crises, sem um projeto de desenvolvimento para o Brasil)


Ao resenhar a obra do historiador José Honório Rodrigues, “Conciliação e reforma no Brasil” (Senac), de 1965, o embaixador Alberto Costa e Silva destacou que a chave para entender a história do Brasil é a conciliação: "Entre os que se foram tornando o povo brasileiro –  os índios convertidos e os selvagens; os negros escravos, libertos, africanos e crioulos, os brancos reinóis e os mazombos; os mamelucos, os mulatos e os cafuzos, tão diversos entre si, tantas vezes conflitantes e, na aparência, irredutíveis –, venceram os conciliadores sobre a violência dos intransigentes.”

Pelourinhos, quilombos, motins, revoltas, repressões sangrentas, fuzilamentos, enforcamentos, esquartejamentos, guerras e mais guerras, desde a Independência, foram 200 anos sangrentos, mas prevaleceu a unidade nacional e a conciliação no seio do povo, à qual devemos “o fato de ter Brasil, desde cedo, deixado de ser uma caricatura de Portugal nos trópicos”, e possuir um substrato novo, “apesar do europeísmo e lusitanismo vitorioso e dominante na aparência das formas sociais”, como destacou Honório Rodrigues.

Não haveria futuro com recusa ao diálogo, desrespeito aos opositores, intolerância mutu a e intransigência. Muito mais do que às elites, ao povo se deve a integridade territorial, a unidade linguística, a mestiçagem, a tolerância racial, cultural e religiosa, e as acomodações que acentuaram e dissolveram muitos dos antagonismos grupais e fizeram dos brasileiros um só povo, que como se reconhece e autoestima, delas também recebeu as melhores lições de rebeldia contra uma ordem social injusta e estagnada.

Hoje, o Brasil vive um cenário de incertezas, tendo como falso deadline o próximo Sete de Setembro, no qual o presidente Jair Bolsonaro promete armar um grande barraco político, em manifestações convocadas para a Avenida Paulista, em São Paulo, e a Esplanada dos Ministérios, em Brasília, enquanto as Forças Armadas se recolherão às cerimônias de quartel, à margem da política, sem os populares desfiles militares. A contagem regressiva para o bicentenário da Independência começa numa encruzilha do seu destino: não temos um projeto de futuro nem consensos sobre o presente.

Não será um ano fácil. Num país com rumo, o presidente da República anunciaria grandes comemorações, uma proposta de desenvolvimento e a convocação de um debate nacional sobre os próximos cem anos, envolvendo toda a sociedade. O objetivo seria nos tornarmos um país desenvolvido (ou quase) pelo esforço continuado de quatro gerações. Entretanto, o que estamos vendo é a desesperança na sociedade e o desejo de volta ao passado, de uma minoria reacionária e extremista, saudosista do sesquicentenário, comemorado durante o governo do general Emílio Garrastazu Médici.

Naquela época, em plena ditadura, o ponto alto das comemorações foi o seu encerramento, na colina do Ipiranga, em São Paulo, local onde foi proclamada a Independência em 1822 e onde ocorreria a inumação dos despojos mortais de D. Pedro I, ao lado da Imperatriz Leopoldina, após peregrinação por todo o país. Um tour de necropolítica, à sombra da censura prévia e da suspensão do habeas corpus. Os órgãos de segurança do regime sequestravam, torturavam e desapareciam com oposicionistas.

Nova agenda

Com certeza, haverá muita discussão sobre o que aconteceu nestes 200s anos e o que devemos projetar para o futuro, na academia e nos partidos, como o MDB, o PSDB, o DEM e o Cidadania, cujas fundações anunciam a realização de uma série de debates programáticos, com objetivo de repensar a realidade brasileira no contexto da globalização, a partir da segunda semana de setembro. O primeiro será no dia 15 de setembro, sobre a atual crise institucional e a democracia, tendo como conferencista o ex-presidente do Supremo Nelson Jobim e os ex-presidentes José Sarney, Fernando Henrique Cardoso e Michel Temer como debatedores, com a participação dos presidentes dos respectivos partidos: deputados Baleia Rossi (MDB-SP) e Bruno Araujo (PSDB-PE), o ex-prefeito de Salvador ACM Neto (DEM) e o ex-deputado Roberto Freire (Cidadania).

Segundo o ex-governador Moreira Franco, mediador do debate e um dos curadores do evento, o objetivo é debater um novo rumo para o país, em bases democráticas, modernas e inclusivas, antes de pensar em candidatura, debater a nova agenda do país. O evento reunirá gente que pensa com Pê maiúsculo: Roberto Brant, Zeina Latif, José Roberto Afonso, Bernard Appy, Ricardo Paes de Barros, Ricardo Henriques e Cristovam Buarque, Raul Jungman, Murilo Ca valcanti, Sérgio Bessermnan Vianna, Rubens Ricupero e José Carlos Carvalho, Milton Seligman,m Gabriela Cruz Lima, Ivanir dos Santos, Luiz Antônio Santini, André Médice e Januário Montoni, Marta Suplicy e Luiz Roberto Mott, entre outros.


*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade