Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA DO JAECI

Galo mantém vantagem sobre o Fla e está a dois jogos da taça

Atlético empatou com Palmeiras em SP; empate do Flamengo contra o Grêmio deu a certeza de que o rubro-negro não terá fôlego para encostar


23/11/2021 23:37

Gol do Atlético
(foto: Pedro Souza/Atlético)
Os reservas do Palmeiras deram trabalho. Saíram na frente, sofreram o empate, desempataram e novamente levaram o empate. O resultado deu mais um pontinho precioso para o Atlético Mineiro, que já é quase campeão. De fato, pra mim, ele já é campeão há tempos. O empate do Flamengo deu a certeza de que o rubro-negro não terá fôlego para encostar. Esse Brasileirão está no papo do Galo.

74 pontos e a tranquilidade de entrar em campo com 8 pontos à frente do mais próximo concorrente. E o que era melhor: enfrentando um Palmeiras reserva, pois o Porco tem decisão da Libertadores, sábado, contra o Flamengo, em Montevideo. O rubro-negro também encarava o Grêmio, com 11 reservas, pois Renato Gaúcho poupou seu time titular, também para a finalíssima de sábado. O Atlético Mineiro preocupava-se apenas com o Brasileirão, pois é o time mais regular, o mais bem treinado e está com as duas mãos na taça. Dessa vez, ela não escapa, por mais que o atleticano seja reticente, por causas de tantas frustrações e Brasileiros passados.

Há quem atribua a liderança do Galo aos erros de arbitragem. Uma covardia, pois os árbitros erram contra e a favor de todos. A competência do técnico Cuca, e o crescimento de vários jogadores, ao longo da competição, levaram o Atlético Mineiro a essa condição. Uma equipe que tem 23 vitórias, 74 pontos, uma defesa segura e um ataque competente, com apenas uma derrota, em casa e 14 vitórias, realmente fez o dever direitinho. Reconhecer os méritos de uma outra equipe, é sinal de grandeza. As outras 19 equipes que participam do Brasileirão, devem ter esse espírito.

O Galo, completo, era o grande favorito. Everson fez a primeira grande defesa do jogo, com 3 minutos. Hulk viu Jaílson adiantado e chutou do meio-campo. A bola passou perto. O Palmeiras era melhor, mais agudo e explorava as costas do fraco Guga. Esse foi o único que Cuca não conseguiu melhorar o futebol. Realmente ele é muito fraco. Grêmio e Fla empatavam em 0 a 0 no primeiro tempo. Patric de Paula também tentou do seu campo, para surpreender Everson, que estava adiantado. A bola foi para fora. Wesley, que deitava em Guga, recebeu, limpou e chutou no canto. Um golaço. Será que ninguém percebeu a fragilidade de Guga, sem cobertura pelo seu lado? Quando Nacho, Hulk e Costa não resolvem, surge Zaracho. E foi ele quem empatou, em falha de Jaílson, que bateu roupa e soltou a bola nos seus pés. Final de primeiro tempo com 1 a 1.

O Flamengo fez 1 a 0, com Vitinho, no começo do segundo tempo. A distância para o Galo diminuía para 6 pontos. O time mineiro voltou com Keno na vaga de Diego Costa. Vitinho fazia 2 a 0, empurrando o Grêmio ladeira abaixo. O time gaúcho diminuiu. Ferreirinha empatou 2 a 2. A vantagem do Galo se mantinha em 8 pontos. O Palmeiras fez 2 a 1 com Deyverson, em falha de Everson, que havia pegado o pênalti cobrado por Patric de Paula.

Quem tem Hulk tem tudo. Ele fuzilou de fora da área, marcando um golaço. 2 a 2. Mesmo com o empate, o Galo estava soberano. O Flamengo só pode chegar a 79. O Galo já tem 75, o que significa dizer que em 4 jogos, o time mineiro precisa de 1 vitória e um empate. E domingo, o adversário é o Fluminense, no Mineirão, lotado. Já sabemos o que vai acontecer. Casa cheia e torcida ansiosa por soltar o grito de campeão. Acabou a saga dos últimos 50 anos. O Galo é o campeão brasileiro. Se não ainda de direito, é de fato!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade