Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA DO JAECI

Cruzeiro: Tríplice coroa da B é uma vergonha sem tamanho

Em 2022, 'a vaidade no clube deve ficar de lado e todos trabalharem para a volta à elite'


23/11/2021 11:03

Torcida do Cruzeiro lota Mineirão
Uma torcida fiel, sofrendo com o rebaixamento (foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro)


Botafogo, campeão da Série B. Coritiba e Goiás também estão de volta à elite. Falta definir o último classificado. Enquanto isso, o Cruzeiro continua seu calvário de 3 anos na Série B. Como dizem os atleticanos: “já pode pedir música no Fantástico, ou campeão da Tríplice Coroa da Série B”, brincadeiras saudáveis assim estão valendo.

É uma vergonha saber que o planejamento do clube nos últimos dois anos foi abaixo da crítica, com uma diretoria completamente amadora, que de bola nada entende. Claro que o torcedor tem que dar um desconto para quem, pelo menos, “pegou o chifre do touro pela unha”, já que ninguém se habilitou a encarar a situação. Porém, assumiram sem perspectiva de volta à Série A.

Vejam que equipes com folha salarial e orçamento bem menor que o do Cruzeiro subiram. E o fizeram pela competência de seus dirigentes, que apostaram no técnico certo, nos jogadores de qualidade, para encarar o desafio que é a Segundona.

Aliás, por falar nisso, outro dia um leitor e telespectador do meu canal de Youtube, me mandou a seguinte mensagem: “Jaeci, a Série A mais parece a B. veja você que temos Juventude, Ceará, Fortaleza, Atlético Goianiense, América, Sport, Cuiabá, Bahia, Chapecoense. Quase 50% dos times que disputam a competição”. Ele tem razão. Nunca a Série A esteve tão fraca.

E com a manutenção de América, Fortaleza, Ceará, Cuiabá, e, possivelmente, Atlético-GO e Juventude, além do acesso de Botafogo, Coritiba, Goiás, e CRB ou CSA, vai continuar dando chances a quem se preparar melhor, entre os grandes, de ganhar a competição.

Eu já disse que o que torna um time campeão é o fato de não perder pontos para esses times citados, que, com certeza, não são candidatos ao título. Vão figurar na competição, como fazem todos os anos, brigando para manter-se nela. Flamengo, Atlético Mineiro, Corinthians, Internacional, São Paulo, Santos, Fluminense, Palmeiras, Athletico e Red Bull Bragantino, os dois últimos pelo fato de estarem se tornando grandes, são os que têm condições de ganhar o caneco. E, fazendo uma peneira mais rigorosa, ficamos com Flamengo, Corinthians, Palmeiras e Atlético Mineiro. Podem anotar que daí sairá o campeão de 2022.

Portanto, será vergonhoso em 2022 vermos o Cruzeiro em mais uma série B, com o agravante de ter o Vasco, que não conseguiu subir, o Grêmio, que está prestes a cair, além de Chapecoense, já rebaixada, Sport, praticamente rebaixado, Bahia e Juventude correndo sérios riscos.

Ou seja: a Série B não será moleza. Como a promessa do CEO da XP Investimentos é de que o Cruzeiro vai se transformar em empresa, e terá aporte forte para contratar jogadores e pagar dívidas na Fifa e com credores, não há outra expectativa que não seja a volta do grande campeão à elite.

Segundo o projeto Clube-empresa, o atual presidente vira uma rainha da Inglaterra, mandando apenas no clube social. O futebol será tocado pela empresa que comprará o clube, e pelo CEO contratado para gerir o projeto. Uma pena que Rodrigo Caetano esteja empregado, pois é, disparado, o melhor executivo do nosso futebol. Sério, ético, correto e competente. Não faz conchavo, nem rachadinha com empresários, privilegia sempre o clube. Nunca vimos ninguém acusá-lo de nada imoral ou ilegal. Ao contrário de alguns no mercado, queimados por jogadores, dirigentes, clubes e torcedores, gente de caráter duvidoso. Ainda há gente boa no mercado. Paulo Bracks, ex-América, atualmente no Internacional, é outro executivo sério e correto. O Cruzeiro tem que pensar em profissionais assim. A volta ao passado pode ser um caminho ruim.

A vaidade no clube deve ficar de lado e todos trabalharem para a volta à elite, na temporada 2023. Não há outro caminho. Não sei se Luxemburgo vai ficar. Se o projeto for correto e a empresa que comprar o clube, contratar gente série e competente, que não esteja queimada no mercado, ele fica. Caso contrário, pega o seu boné e vai embora.

Dos grandes clubes, Cruzeiro, Vasco e Fluminense são os únicos que caíram e não voltaram no ano seguinte. Uma mancha que jamais sairá desse clube vencedor e campeoníssimo das Minas Gerais. Os culpados estão aí e a torcida sabe quem são. Desde os malfeitores, acusados pela Polícia e Justiça, até os incompetentes, que não conseguiram tirar o clube do buraco. O caminho agora é a transformação do Clube em empresa. Se isso não acontecer, acabou. A falência será líquida e certa.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade