Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA DO JAECI

Manifesto covarde e demagogo

'O manifesto deles, via rede social foi fraquíssimo, não explicou nada e não mostrou realmente o que eles definiram'


09/06/2021 13:03 - atualizado 09/06/2021 13:31

(foto: Lucas Figueiredo/CBF)
(foto: Lucas Figueiredo/CBF)

A imprensa e a torcida brasileira ficaram esperando até a madrugada para saber qual a posição que os jogadores da Seleção Brasileira tomariam com relação a Copa América. Muito barulho se fez para nada. O manifesto deles, via rede social foi fraquíssimo, não explicou nada e não mostrou realmente o que eles definiram. Começaram mentindo ao dizer que “eles representam 220 milhões de brasileiros”. Mentira! A mim esses caras nunca representaram e não vão representar. Jogadores “nutella”, que pouco sabem de bola, alguns, reservas em seus clubes na Europa, mas com cadeira cativa na Seleção.


O que se esperava é que eles dissessem que não disputariam a competição, pois é inadmissível o país com o segundo maior número de mortos pela Covid-19, no Planeta, chegando a casa dos 500 mil, realizar qualquer evento esportivo. Sei que muitos dirão que estamos com o Brasileirão, Copa do Brasil e Libertadores em disputa. Porém, eu jamais fui a favor da volta do futebol. Gravei e escrevi, várias vezes, que só quando toda a população estivesse vacinada, coisa que está longe de acontecer. Não disputar a Copa América, neste momento, não significa deserdar da Seleção Brasileira. Significa mostrar sentimentos por tanta gente morta. E olha que a terceira onda está chegando, e mais forte ainda.

Leia também: Digo não a todas as competições esportivas

Na verdade, pelo que eu soube, a maioria ficou P da vida porque as férias estão aí, e os jogadores querem mais aproveitar. Vejam o exemplo de Neymar: fez festas durante a pandemia, não se importou com ninguém, e jamais se importaria. Esses caras só olham para o próprio umbigo. Tomaram de 7 a 1 da Alemanha, sujando a gloriosa história da camisa amarela, e embarcaram para a Europa, para curtir o verão daquele continente, em iates, jatos e helicópteros. Enquanto isso, crianças, no Mineirão, choravam pela maior vergonha do esporte nacional.

Se fosse Zico, Reinaldo, Sócrates, Ronaldo ou Romário, por exemplo, eles dariam entrevistas, condenando a competição e dizendo que não a disputariam. Esses caras eram ídolos e tinham posição firme. Respeitavam a hierarquia, mas tinham opinião própria, da qual não abriam mão. Nós somos trouxas mesmo. Esperar de Neymar, que nunca foi líder de nada, uma posição diferente da que ele tomou! Nem mesmo nos movimentos contra o racismo, a gente vê Neymar dar opinião. LeBron James, Kevin Durant, Lewis Hamilton, todos negros como Neymar, fizeram movimentos fortes contra o racismo e continuam a fazer. Nunca vimos Neymar tomar uma posição. Ele não me representa em nada!

A Copa América é uma competição caça-níquel, retrógrada, ultrapassada e de péssimo nível técnico. As seleções da América do Sul, inclusive a Argentina, estão decadentes. Vejo alguns enaltecendo 6 jogos e 6 vitórias com 100% de aproveitamento. Que Beleza! Aí na hora que é pra valer, Copa do Mundo, tomamos um pé na bunda e voltamos para casa mais cedo. Sim, lá a banda toca diferente. Temos que encarar seleções europeias, que estão anos-luz à nossa frente.

Quero ver ter 100% de aproveitamento encarando Inglaterra, Bélgica, França, Espanha, Holanda, Itália. Ganhar de seleções de qualidade duvidosa, qualquer um de nós ganha. Enalteceram que há 35 anos o Brasil não ganhava do Paraguai, lá em Assunção. Quantos jogos foram realizados nesse período? O povo brasileiro se deixa levar por qualquer coisa. Parece que gosta de ser iludido. Se bem que pelo que percebo nas minhas redes sociais, a maioria detesta essa seleção que aí está.

Exaltaram Neymar, que bateu Zico e Romário na artilharia na Seleção. Ora bolas, na época dos craques, os jogos eram muitos mais difíceis, pois as equipes eram qualificadas, e não se jogava tantas partidas. Hoje se joga contra Cingapura, Japão, Zâmbia e outras equipes de péssima qualidade. Não tenho dúvidas de que ele deve ultrapassar até Pelé, pois, pelo excesso de jogos, contra essas seleções fuleiras, fica fácil. Quero ver meter 3 gols na Alemanha, na França...

Portanto, amigos e amigas, eu não me surpreendi com um manifesto tão fraco e omisso. Esperar desses caras mais do que eles podem dar, é demais. A maioria tem muito dinheiro, mas não tem berço. Os exemplos estão aí, com alguns deles envolvidos em escândalos, como Neymar, “acusado por uma funcionária da Nike, de tê-la assediado”. Não cabe a mim dizer se aconteceu ou não. Cabe as autoridades investigarem e à Justiça, punir, caso o crime seja comprovado. Dinheiro não compra berço, nem educação, nem caráter. Isso, você aprende em casa, com seus pais e familiares. É o que você leva para o resto da vida.

Uma pena que num momento tão grave do Brasil, a gente seja obrigado a engolir uma competição esportiva. O povo passando fome, sem emprego, contaminado por essa maldita doença, e a bola rolando, de Norte a Sul do país, como se nada estivesse acontecendo. Dá nojo dessa gente! Resta uma esperança: o STF vota amanhã a liberação ou impedimento da Copa América em solo brasileiro. Tomara que a Suprema Corte diga não. O momento é inoportuno, inapropriado e terrível para o povo brasileiro. “O futebol é a coisa mais importante, entre as menos importantes da vida”. Quanto a esses jogadores, não nos representam em nada. Há muito que a Seleção Brasileira já não encanta o torcedor. Ela é apenas mais do mesmo!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade