Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA DO JAECI

Será que há razão para voltar o Brasileirão em agosto sem público?

Diante dos números assustadores de casos e mortes da pandemia da COVID-19, fica difícil comemorar gols em uma partida de futebol


postado em 28/06/2020 17:38

O Flamengo chegou a fazer um jogo de retorno do Campeonato Carioca, mas a competição foi suspensa novamente(foto: Mauro Pimentel/AFP )
O Flamengo chegou a fazer um jogo de retorno do Campeonato Carioca, mas a competição foi suspensa novamente (foto: Mauro Pimentel/AFP )

A CBF marca a volta do futebol para agosto, se as autoridades médicas e sanitárias assim o permitirem. Até lá, deveremos ter controlado a pandemia do novo coronavírus, pois, em algum momento, isso acontecerá. A previsão é de jogos sem público e de que o campeonato invada 2021. Quanto a isso, não vejo problemas, já que os jogadores tiveram férias em janeiro e abril deste ano, justamente por conta da pandemia. Deve haver um recesso no Natal e Réveillon, e o término do Brasileirão lá para janeiro. Qual a razão de futebol sem público?


Sinceramente, acho péssimo. Vi cinco minutos do Campeonato Alemão, com arquibancadas vazias, e desisti. Acho que o mais prudente seria não termos futebol nesta temporada. Como alguém pode comemorar gols ou taças com mais de 50 mil mortos no país, até agora? Como as pessoas podem ser tão insensíveis a esse ponto? É verdade que o Brasil se “acostumou” a ter mais de 50 mil mortes, por arma de fogo ou arma branca, todos os anos, mas isso tem que ter um basta. Nossa vida não vale mais nada? A Fifa e a Conmebol estão marcando a volta das Eliminatórias para setembro. Também acho um absurdo. Mesmo porque, se não tivermos vacina contra o coronavírus, nos dois próximos anos, como fazer eventos da magnitude de uma Copa do Mundo?


A Olimpíada de Tóquio, adiada deste ano para 2021, corre sérios riscos de não se realizar. Sou um homem que adora o esporte, e, principalmente o futebol. Mas entre vidas e jogos, fico com as vidas! Sei que a ganância de dirigentes é grande. Tem uns e outros aí dizendo que os clubes vão quebrar se o futebol não voltar logo. Quem mandou esses irresponsáveis pagarem salários de Europa aos jogadores brasileiros? Quem mandou pagarem R$ 1 milhão a treinadores? Se esses desmandos não tivessem acontecido, os clubes poderiam ter até uma reserva em seus cofres. Porém, com tanta irresponsabilidade, vivem de pires na mão, mendigando adiantamento de cotas de TVs, tornando-se reféns delas. O que temos visto são clubes com os salários atrasados, devendo até cinco meses, caso do Vasco. Isso é o fim! Se o futebol brasileiro não se modernizar, não sobreviverá. Ou então, os outros clubes vão bater palmas para o Flamengo, único clube organizado, superavitário e campeoníssimo.

FILA GIGANTE

O Liverpool sagrou-se campeão da Premier League, pela primeira vez em sua história. Ficou 30 anos na fila, nesse novo modelo. Mesmo assim, está a dois títulos do Manchester United, maior ganhador do Inglês, pois ganhou muitos títulos no formato antigo da competição. No Brasil, temos o Atlético Mineiro há 49 anos na fila para ganhar o Brasileiro. Primeiro campeão, em 1971, nunca mais pegou na taça. Foi prejudicado em algumas situações, e, se a competição fosse por pontos corridos, teria sido campeão pelo menos umas quatro vezes. Coisas dos regulamentos esdrúxulos, que os dirigentes assinam. Em 1977, foi vice-campeão, invicto. Uma coisa inimaginável na Europa.


O Internacional, tricampeão brasileiro em 1975-76 e 1979, o último título de forma invicta – único time no Brasil a conseguir tal façanha –, está há 41 anos na fila. O Vasco da Gama, há 20 anos, o Botafogo há 25 anos, e por aí vai. Equipes gigantescas do nosso futebol, do ponto de vista instituição, que se apequenaram ao longo dos anos. É preciso mais equilíbrio no futebol brasileiro, como acontecia no passado. Clubes desse gigantismo não podem ficar tanto tempo sem conquistar a principal competição do país. Espero que o Brasileirão não se torne um Campeonato Espanhol, onde apenas duas equipes têm condições de ganhar a taça, e, esporadicamente, o Atlético de Madri entra na briga. Atualmente, Flamengo, Grêmio e Palmeiras são as únicas equipes em condições de levantar o troféu.
 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade