Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Uma nova letra grega, um novo problema

Quando muitos já estavam pensando nos trios de carnaval, festas de réveillon e retorno das atividades, vêm uma nova péssima notícia: a variante Ômicron!


03/12/2021 06:00

Ilustração, planeta com máscara e vírus próximo
Pelo desenrolar da história, a COVID-19 veio pra ficar, mas ainda precisamos entender como vamos lidar com a presença e esse 'temperamento' mutável do vírus Sars-CoV-2 (foto: Pixabay)
Para um bom entendedor de pandemia e Covid-19 sabe que, dos mesmos criadores de pingo é letra, uma nova letra é uma nova fase da pandemia. O que uma letra grega muda nas variantes do Sars-Cov-2? As cepas de maior preocupação devido ao risco à saúde pública mundial, segundo a OMS, recebem a nomenclatura de uma letra grega. Alfa, Beta, Gama e Delta já estão controladas, ao que tudo indica.

Parece que esse ano não vamos ter um mês de paz, mesmo com os recordes de vacinação. Quando muitos já estavam pensando nos trios de carnaval, festas de réveillon e retorno das atividades, vêm uma nova péssima notícia: a variante Ômicron! "Dr. Erickson, mas desse jeito vai faltar letra no alfabeto grego, não vai?" Pelo desenrolar da história, a COVID-19 veio pra ficar, mas ainda precisamos entender como vamos lidar com a presença e esse 'temperamento' mutável do vírus Sars-CoV-2.

No dia 26 de novembro, a OMS se pronunciou sobre esta última variante, que foi identificada inicialmente em Botsuana e África do Sul, mas já pode ser encontrada em Israel, Holanda, Alemanha, Hong-kong, China, Bélgica - e agora até no Brasil. Além da dispersão geográfica, o que é motivo de atenção dos cientistas é a presença de mais de 50 mutações na porção S (SPIKE) do vírus, a região que pode conferir agressividade ao vírus,
o que tecnicamente chamamos de virulência.

Quando comecei a escrever este texto não havia sido identificado nenhum caso da nova variante no país, porém ao atualizar sabemos que há mais de 5 casos já registrados no Brasil. Para que seja possível controlar a dispersão desta nova cepa o fluxo de viajantes entre diversos países do mundo já foram alterados e alguns bloqueados.

O que incomoda tanto?

- Não sabemos como será a evolução das pessoas contaminadas por essa cepa;

- Não sabemos como será a defesa desenvolvida a partir das vacinas já utilizadas na população.

A ausência de respostas causa insegurança, principalmente, por todo o caos já vivido devido à Covid-19 no mundo. Um pequeno detalhe curioso nesse momento de classificação é que a OMS decidiu pular duas letras para classificar a nova cepa, a letra Nu e Xi, pois em inglês a Nu poderia se confundir com o som de New (novo) e Xi poderia se confundir com o atual presidente Chinês Xi Jinping. Já temos problemas demais para ter que lidar com desastres de comunicação, concordam ? Vamos continuar com as orientações de sempre, ok?!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade