Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

A estratégia que permite realizar internação domiciliar

Como a Assistência Domiciliar beneficia o cuidado do paciente e contribui para a liberação de leitos hospitalares


09/04/2021 06:00

(foto: Unsplash)
(foto: Unsplash)

Você está preocupado com as superlotações dos hospitais? Todos nós estamos, e alguns estão na frente das decisões de quem ocupará o próximo leito hospitalar. Com ocupação na capital mineira de 2.217 leitos de enfermaria e 1.126 leitos de UTI, a COVID-19 não dá trégua e os números, quando comparados a outras cidades, por incrível que pareça, não são dos piores. O Brasil bateu novo recorde e já registrou mais de 4 mil mortes por COVID-19 em um único dia.

O isolamento social e a higienização correta continuam sendo ações necessárias e podem ser adotadas por cada um de nós. A vacinação vem caminhando, não na velocidade que gostaríamos, mas está caminhando. Além delas, há uma outra estratégia que já comentamos aqui e que está sendo cada vez mais necessária e utilizada para aumentar os leitos: a Assistência Domiciliar (AD).

Há dois anos atrás, no texto Atenção domiciliar - a evolução do home care e uma solução humanizada para cuidar da saúde, falei sobre essa modalidade continuada de prestação de serviços na área da saúde, realizada nas moradias dos pacientes, e como ela pode trazer bons resultados.

Diante do cenário delicado que estamos vivendo e do risco de um colapso no sistema de saúde - público e privado -, a Assistência Domiciliar traz uma possibilidade real de aumento dos leitos comuns e de UTI. Através de equipes treinadas, transformamos cada domicílio em um ponto de cuidado estratégico para o paciente e para a família - é a mágica de transformar o isolamento social em um isolamento assistencial.

Um dos objetivos da Assistência Domiciliar é realizar e apoiar a desospitalização precoce, oferecendo ao paciente a estrutura necessária - equipamentos e profissionais - para que receba os cuidados em casa, de forma humanizada e individualizada.

Para atender as necessidades de cada indivíduo, a AD oferece um atendimento multiprofissional, realiza terapias medicamentosas, ventilatórias e atende pacientes com dispositivos complexos como gastrostomia, traqueostomia e respiradores, garantindo, assim, maior inclusão, humanidade e conforto para o paciente e a família.

Esta modalidade é capaz de manejar pacientes de maneira segura e responsável, sem comprometer o desempenho do paciente fora do ambiente hospitalar. Os cuidados realizados por meio da Assistência Domiciliar podem ser paliativos, preventivos, atendimentos pontuais, hospitalização domiciliar, atenção na fase pré e pós óbito.

O ambiente hospitalar deverá ser reservado para os pacientes que mais necessitarem de cuidados intensivos. Pacientes previamente internados em hospitais poderão continuar recebendo o mesmo cuidado em suas residências, via Assistência Domiciliar - movimento que permitirá a liberação de leitos hospitalares para receber os casos mais graves da COVID-19.

Assim como todas as situações da medicina, a AD deve ser avaliada caso a caso com a equipe médica responsável pelo cuidado do paciente internado.

A AD está disponível no sistema público e privado. No SUS, ela está em expansão por meio do Programa Melhor em Casa e EMAD (Equipe Multidisciplinar de Atenção Domiciliar). Em Belo Horizonte, além dos programas Melhor em Casa e EMAD, a prefeitura possui o Programa Mais Vida em Casa, realizado em parceria com o Hospital das Clínicas da UFMG.

Já no sistema privado, as operadoras e planos de saúde realizam a assistência domiciliar por meio de equipes próprias ou por empresas parceiras e especializadas neste cuidar - mais conhecidas como Home Care.

Há cinco anos, atuo na Assistência Domiciliar fazendo o cuidado dos pacientes e a gestão dos serviços e equipes assistenciais e o que descrevo aqui não é um projeto, é uma realidade que leva dignidade e assistência de qualidade.

Por isso, é tão importante avaliar a AD como uma estratégia real e plausível diante do desconhecido que nos espera. As estatísticas mudam de um dia para o outro, as curvas de crescimento e cura não são confiáveis.

Eu acredito na ciência e na medicina. Como médico e cientista, me propus a estudar diariamente, e sei que a certeza de ontem pode não ser a de amanhã, por isso se apegar a promessas, vontades e opiniões não é uma boa saída. Todas as pessoas do mundo desejariam uma resposta prática, lógica e segura para combater o coronavírus, mas isso não é justificativa para mudar a rota das descobertas.

Decisões heróicas podem ser fatais e, sinceramente, gostaria de relembrar a todos meus colegas da saúde, aqueles que são responsáveis pela vida das pessoas: Primum non nocere - Primeiro, não prejudicar. O princípio da não-maleficência deve guiar nossos passos e nossa consciência.

De maneira bem objetiva, a Dra. Ho Yeh LI, coordenadora da UTI de moléstias infecciosas do HC da USP em sua espectacular aula, disponível na internet pelo CREMESP, diz: não inventa. Faz o que você já sabe.

Tem alguma dúvida ou gostaria de sugerir um tema? Escreva pra mim ericksongontijo@gmail.com

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade