Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA

O desejo fatal pelos antibióticos: o que não mata faz mal, sim

O tratamento adequado evitará a resistência aos antibióticos e garantirá um bom controle para a saúde de todos


25/02/2021 10:09 - atualizado 25/02/2021 10:25

(foto: Arek Socha/Pixabay)
(foto: Arek Socha/Pixabay)


"Doutor, eu só vou melhorar com Benzetacil!"; “Não adianta dar comprimido, no meu caso parece água.” Um dos dilemas do consultório é a expectativa do paciente em relação ao seu problema e o desafio do médico em oferecer os melhores cuidados.

Claro que a participação dos pacientes nas decisões é fundamental, porém é preciso ter bastante cautela para que a opinião tenha o conhecimento necessário para a tomada de decisão.

Muitas pessoas buscam meu consultório com a expectativa de uma receita de antibiótico para resolver o problema - há uma ilusão de que esse tipo de medicamento seja capaz de curar tudo. Ainda que tosse, catarro, febre e mal-estar sejam desgastantes é importante realizar um diagnóstico para fazer o tratamento adequado.

A observação e os cuidados são fundamentais nas primeiras 48 horas e, neste momento, o foco deve ser controlar os sintomas e aguardar. Essa atitude é correta e não causa danos ao paciente. “Mas então não vamos fazer nada?”  Tratar os sintomas é fazer muito. Controlar a febre, a inflamação, lavar o nariz, higienizar o local e, principalmente, fazer repouso são ações essenciais para que no momento correto o tratamento seja certeiro. 

Ao fechar o diagnóstico é possível realizar o tratamento eficaz e correto, mas muitos pacientes optam por fazer o processo inverso: partem de um medicamento e querem que a doença se encaixe no tratamento que ele escolheu.

Não é raro encontrar casos em que o paciente apresentou um dia de tosse e febre e durante a consulta informou: “Doutor, já fui logo tomando um antibiótico para resolver mais rápido, eu já tinha em casa, mas acabou e agora só preciso da receita para comprar mais”. A famosa “gaveta de remédios” que, muitas vezes contém sobras de tratamentos incompletos e conjuntos de “emergência”, pode trazer sérios problemas aos pacientes.

Os medicamentos que exigem receita médica necessitam ser controlados por diversos motivos. Os antibióticos são protagonistas de um dos maiores desafios da medicina mundial - o uso racional de medicamentos - pois o uso descontrolado pode causar danos irreversíveis para a população.

Antibióticos utilizados de forma incorreta podem impulsionar o crescimento de bactérias poderosas e que não responderão aos tratamentos disponíveis. Hoje, doenças que são facilmente tratáveis podem se tornar incuráveis ao longo dos anos devido não somente à escolha errada de antibióticos, mas também à dose, ao tempo e quantidades inadequadas.

A famosa Benzetacil, terror das crianças e tão utilizada no passado, ainda é um ótimo medicamento, porém deve ser reservada para o tratamento de doenças que só respondem a ela como a sífilis ou em casos muito especiais.

Se você vai ao médico buscando benzetacil para tratamento de dor de garganta, primeiro deve ser orientado se não é uma infecção viral, se for bacteriana prepare-se para tratar com medicamento via oral e com muita responsabilidade, pois o tratamento incompleto é tão danoso quanto o uso incorreto.

A falta de cuidado pode prejudicar todo o planeta, lembra que falamos sobre isso no texto das vacinas? Cuidar bem da saúde é um carinho individual e uma responsabilidade coletiva.

O médico está capacitado para fazer um bom acompanhamento e tratamento e, por isso, é tão necessária a relação de confiança - a famosa relação médico/paciente tem que acontecer! Isso irá diminuir a ansiedade, os gastos fúteis e os tratamentos inapropriados.

Muitas doenças são autolimitadas e irão melhorar entre 5 e 7 dias, com ou sem tratamento, porém medidas de conforto como controle da febre, tosse, alergia, dor e mal-estar ajudam bastante a tolerar esses dias de enfermidade, confie no seu médico. Ele quer o seu bem.

Quando falamos também que o colo de avó é importante, estamos falando que descanso, comida saudável, sopa quente, chá e carinho contribuem para a melhora dos pacientes. Para um forte resfriado viral recomendo os medicamentos sintomáticos, distância de antibióticos, filme, pipoca e uma boa leitura como essa.

Como sempre reforço aqui, a informação de qualidade é fundamental para entender o próprio corpo e as doenças. Os vírus que frequentemente são os causadores das doenças mais comuns do dia a dia certamente dão risadas quando alguém gasta dinheiro com antibióticos ou toma agulhadas dolorosas e desnecessárias.

O tratamento adequado evitará a resistência aos antibióticos e garantirá um bom controle para a saúde de todos. É importante sempre lembrar que as doenças têm características próprias e que muitas vezes não é possível reduzir o tempo delas e, então, o foco deve estar no tratamento dos sintomas. A impaciência e a ansiedade podem se tornar piores que a própria doença. 

Tem alguma dúvida ou gostaria de sugerir um tema? Escreva pra mim: ericksongontijo@gmail.com 









*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade