Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Clínica médica

Os riscos do uso inadequado de antibióticos

Semana Mundial de Conscientização do Uso de Antibióticos chama a atenção para um problema de saúde pública


20/11/2020 06:00 - atualizado 19/11/2020 14:56

(foto: divulgação)
(foto: divulgação)
“Doutor, você pode passar uma injeção pra resolver esses problemas? Uma Benzetacil é tiro e queda!”

A saúde é cheia de insatisfações e quebras de expectativas, nem sempre a melhora é fruto da ação realizada pela equipe de saúde, medicina é a certeza das incertezas, muitas vezes a grande decisão médica é o que não será feito ou proposto para o paciente, já falamos muitas vezes em nossa coluna Primum non nocere - antes de tudo não prejudicar.

A situação descrita no início do texto é extremamente comum e escolhi compartilhá-la para iniciar a reflexão de um tema muito importante para a saúde: o uso racional e adequado dos antibióticos.

A semana do dia 18 a 24 de novembro é marcada por ser a Semana Mundial de Conscientização do Uso de Antibióticos. E por que precisamos falar sobre isso? Para se ter uma ideia, 700 mil pessoas morrem por ano devido a não resposta ao tratamento com antibióticos - a famosa resistência bacteriana.

Essa resistência acontece quando há o uso indiscriminado de antibióticos, se não houver cautela podemos viver novamente pesadelos da década de 40, quando ainda não existiam antibióticos e as bactérias patogênicas faziam a festa.

O primeiro antibiótico foi descoberto, segundo os relatos, de maneira acidental. Em 1928, ao retornar de suas férias, o médico escocês Alexander Fleming percebeu que suas culturas bacterianas, especialmente de Staphylococcus aureus estavam contaminadas com mofo e não cresceram como outras sem esta contaminação.

O mofo Penicillium liberava substância que futuramente seria denominado Penicilina. Uma mudança para os tratamentos de Pneumonia, Sífilis, Difteria, Meningite e outras tantas doenças bacterianas que assolavam a humanidade. 

A descoberta dos antibióticos revolucionou a história da medicina e o tratamento com eles colocou o médico na posição de protagonista da cura e não somente espectador do sofrimento e do avançar de muitas doenças.

Muitos dos pioneiros nesse tratamentos foram agraciados com o Nobel de Medicina. Não há dúvidas sobre a importância dos antibióticos, porém são armas que devem ser usadas de maneira precisa e com parcimônia. 

Com frequência, pacientes chegam às consultas com a convicção de que um antibiótico é a solução ideal para o que estão sentindo e se esquecem dos medicamentos sintomáticos que agem contra a dor, febre, tosse, coriza e mal-estar. 

O desenvolvimento da farmacologia possibilitou a descoberta de fármacos mais adequados e com doses, tempo e indicações mais precisas. Isso levanta um outro ponto fundamental nessa discussão: a utilização correta, seguindo a prescrição do seu médico.

A famosa “gaveta de remédios” que, muitas vezes contém sobras de tratamentos incompletos e conjuntos de “emergência”, pode trazer sérios problemas aos pacientes. Se sobrou medicamento, provavelmente é porque não foi realizado o tratamento completo.

Tenha uma certeza: você não precisa iniciar o uso de antibióticos antes de ver o seu médico, muitas vezes essa tentativa de ganhar tempo pode ser mais prejudicial que a própria doença.

Confie no seu médico, dê tempo ao tempo e entenda que na saúde a expectativa e a vontade são bem diferentes das possibilidades. 

Tem alguma dúvida ou gostaria de sugerir um tema? Escreva pra mim: ericksongontijo@gmail.com 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade