Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas EM NOME DA POLÍTICA

Guedes abre guerra com privatização da Petrobras e Fachin prega a paz

Ministro da Economia quer iniciar estudos para venda da estatal e magistrado descarta interferência militar


13/05/2022 04:00 - atualizado 13/05/2022 07:36

O ministro da Economia, Paulo Guedes
O ministro da Economia, Paulo Guedes, durante entrevista para anunciar intenção de vender a Petrobras (foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

 

O ministro da Economia, Paulo Guedes, bateu boca com um sindicalista, ontem, na entrada do ministério. O bate-boca aconteceu enquanto Guedes concedia entrevista coletiva a jornalistas ao lado do novo ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, para falar da intenção de privatizar a Petrobras.

 

“Eu não quero falar de quem roubou a Petrobras, assaltou a Petrobras. Durante anos, roubaram, foram condenados, eu não quero falar isso. Eu quero simplesmente receber como um programa de governo que teve 60 milhões de votos, receber aqui um pedido do novo ministro de Minas e Energia e encaminhar o processo.”

Amauri Segalla: 'Petrobras privatizada? Ninguém acredita

 

O sindicalista, então, retrucou: “Destruiu o patrimônio do povo brasileiro, ministro”. Ao que o ministro da Economia respondeu: “Nós vamos devolver ao povo brasileiro o que é deles”. Diante disso, Guedes, então, encerrou a entrevista coletiva e deixou o local.

 

“Dá para baixar o som um minuto só para a gente falar aqui?” Quem pediu foi o ministro Paulo Guedes. O ministro foi atendido. Só que foi antes de a confusão começar. Os sindicalistas começaram a gritar que privatizar a Petrobras e o pré-sal é golpe contra o patrimônio público.

 

Melhor então mudar de assunto, embora nem tanto. “Quem trata de eleições são forças desarmadas. Portanto, as eleições dizem respeito à população civil, que de maneira livre e consciente escolhe seus representantes. Logo, diálogo, sim, colaboração, sim, mas na Justiça Eleitoral quem dá a palavra final é a Justiça Eleitoral. E assim será durante a minha presidência.”

 

A declaração partiu de nada menos, deixando bem claro, foi o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Edson Fachin. A fala dura do magistrado ocorre em meio à tensão entre a corte que ele preside e as Forças Armadas por causa das urnas eletrônicas.

 

Fachin fez questão ainda de ressaltar que o processo eleitoral brasileiro é totalmente seguro. E atacou, sem citar o alvo, nem precisava de tão claro que é. Mas deixou bem claro com uma frase bem forte: “No Brasil de hoje, quem põe em dúvida o processo eleitoral é porque não confia na democracia”.

 

“Quem trata de eleições são as forças desarmadas. E, portanto, as eleições dizem respeito à população civil, que, de maneira livre e consciente, escolhe seus representantes. Diálogo sim, colaboração sim, mas, na Justiça Eleitoral, quem dá a palavra é a Justiça Eleitoral.”

É ainda do ministro Fachin reforçando que não há motivo que afaste o país da democracia e garantiu que o pleito de outubro ocorrerá em paz e segurança.

Dá uma banana

A Maior Feira de Bananicultura do Brasil está marcada para 10 a 12 de maio de 2022, no centro de eventos da cidade de Pariquera-Açu/SP. Durante o evento, serão aplicados todos os protocolos de segurança sanitária. Feito esse registro, vamos ao que interessa: Agenda oficial da Presidência da República em 12 de maio de 2022: 16h-16h40 – Ato alusivo à visita à 10ª Feibanana. Ou seja, o presidente Jair Messias Bolsonaro (PL) participou ontem da feira.

 

Bento Albuquerque
(foto: EVARISTO SÁ/AFP)

 

Naufragou!

Começou mal o novo ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida. Ele entregou, ontem, ao ministro da Economia, Paulo Guedes, um pedido para privatizar a Petrobras. E ele quer até o pré-sal em alto-mar. Navegou muito mal em seu primeiro ato, depois de assumir o ministério no lugar do almirante Bento Albuquerque (foto). “Não considero que esteja no radar ou na mesa de discussão neste momento a privatização da empresa, porque o momento é muito ruim para isso”, deixou claro o presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

Só rezando

A Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 2.832/21, da deputada Soraya Manato (PTB-ES), que institui o Dia Nacional do Cristão, a ser celebrado anualmente, no primeiro domingo de junho. “Além da relevante expressão numérica, os cristãos têm impacto ao participar da sociedade brasileira. Ocupam espaço na política, na mídia, no esporte e na cultura, bem como representam significativo papel em questões sociais, de assistência, dignidade humana, combate às drogas e à fome”, destacou o relator, deputado Jefferson Campos (PL-SP).

Tem internet

A Neko, empresa do grupo Surf Telecom, comunicou à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) que desistiu do lote arrematado no leilão do 5G, que é a nova geração de internet móvel. “Depois da instrução, o processo será enviado ao conselho diretor para deliberação”, informou a empresa. Cabe ao conselho diretor da Anatel extinguir a outorga dada à empresa. Ela é a segunda empresa a desistir de lote arrematado no leilão do 5G. Ela havia arrematado um dos lotes da faixa de 26GHz, destinada à nova geração de internet móvel.

Tancredo Neves

A Comissão de Educação, Cultura e Esporte aprovou, ontem, o importante projeto que declara o ex-presidente Tancredo Neves Patrono da Redemocratização Brasileira. A decisão é terminativa e segue para sanção presidencial, salvo recurso para votação em plenário. Claro que não haverá. Afinal, Tancredo de Almeida Neves (1910-1985) foi eleito presidente da República pelo Colégio Eleitoral, em 15 de janeiro de 1985. A sua eleição marcou o fim de 21 anos de ditadura militar. Na véspera da posse, foi internado com problemas abdominais. Morreu em 21 de abril.

PINGA FOGO

Em tempo sobre a ‘Dá uma banana’: depois de participar da 10ª edição da Feibanana, no Vale do Ribeira, o presidente Jair Messias Bolsonaro voltou para Brasília. Eles tem irmãos e outros parentes morando na região.

 

Bolsonaro é pré-candidato à reeleição e tem percorrido o país sempre que pode. Já ontem, antes de voltar a Brasília, ele ainda ressaltou: “O Brasil é um país que está tendo inflação. Sei disso, mas assumo a minha responsabilidade”. Mas buscou saída: “Isso se faz presente no mundo todo”.

 

Em tempo: 9h-11h25. Partida de Brasília (DF) para Porto Alegre (RS). 12h, proferir palestra aos integrantes da Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul (FArsul). Desta vez é a agenda do vice-presidente da República, general Hamilton Mourão (PRTB). Haja banana!

 

Mais um Em tempo, desta vez da nota ‘Naufragou’: “Não considero que esteja no radar ou na mesa de discussão neste momento a privatização da empresa, porque o momento é muito ruim para isso”, ressaltou o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco.

 

senador Izalci Lucas
(foto: JEFFERSON RUDY/AGÊNCIA SENADO)

 

E tem mais um Em Tempo. Presente à reunião, o senador Izalci Lucas (foto) (PSDB-DF) exaltou a trajetória de Tancredo: “Eu, como mineiro, não poderia deixar de manifestar a importância de reconhecer Tancredo Neves pelo seu trabalho”.

 

Ao justificar, Fátima Bezerra ressaltou que a atividade política de Tancredo foi decisiva para a consolidação das instituições democráticas. Sobre ela, vale um detalhe de sua trajetória política: foi deputada estadual e federal, senadora e governadora do Rio Grande do Norte. Sendo assim: FIM! 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade