Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas EM DIA COM A POLÍTICA

Um pouco de medicina e os precatórios de novo na agenda de Brasília

Melhor deixar quem anda numa encrenca danada e é nada menos que o líder do Governo no Senado Federal, Fernando Bezerra (MDB-PE)...


17/11/2021 04:00 - atualizado 17/11/2021 07:49

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga
O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou ontem a dose de reforço da vacina contra o coronavírus para maiores de 18 anos (foto: Valter Campanato/Agência Brasil - 25/8/21)

“Hoje nós sabemos que é necessária uma proteção adicional dessa vacina. Como temos um quantitativo, não será um esforço muito grande. A sequência é: completou cinco meses da segunda dose, receberá uma dose de reforço, preferencialmente com uma vacina diferente”. Fala quem entende do assunto, afinal a declaração partiu do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

Já quem misturou as bolas foi nada menos que o presidente da República Federativa do Brasil, Jair Messias Bolsonaro. “O Brasil foi um dos cinco países que melhor se comportou na economia por ocasião da pandemia”. Provavelmente com uma ajudinha do ministro Paulo Guedes, da Economia, banqueiro e milionário, este entende.

Só depois voltou ao que mais interessava aos brasileiros. O presidente Jair Bolsonaro fez questão de destacar que o país também se comportou muito bem no tratamento do combate ao coronavírus da COVID–19”. Uai, não foram os brasileiros que ficaram em casa e usaram máscara sempre que fosse extremamente necessário sair de casa?

Melhor então, educadamente, quase mudar de assunto. É que já no finalzinho da sua agenda em Dubai, o presidente Jair Bolsonaro garantiu que o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) vai acontecer em uma absoluta tranquilidade. As datas marcadas para aplicação das provas são para os dias 21 e 28.  Depois daquela confusão toda, vale torcer para tudo correr bem.

Só que será difícil, afinal ainda tem a polêmica que envolve os precatórios. Melhor deixar quem anda numa encrenca danada e é nada menos que o líder do Governo no Senado Federal, Fernando Bezerra (MDB–PE). Melhor ele próprio tentar explicar.

“Nós estamos iniciando uma discussão, iniciando um debate. Tomei a iniciativa de procurar os autores de propostas alternativas para conhecer e valorizar essas iniciativas e posso lhe assegurar de que o tom do nosso encontro foi de muita colaboração e da disposição de construir entendimento”. Mas o problema é ainda maior para o líder bolsonarista.

“Ainda estamos ainda fazendo o nosso dever de casa. Nós vamos aprofundar a discussão dentro do governo”. E levou o tema para os senadores: Bezerra informou que o agendamento da votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios para a quarta–feira, isso mesmo, na semana que vem na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

A PEC dos Precatórios é a aposta do governo para viabilizar o tal Auxílio Brasil, de R$ 400. É novela que se estende e tudo por causa do Bolsa-Família, que é um nome muito melhor, mas vem da época dos governos petistas.

Mais emendas

O “Diário Oficial da União” (DOU) de ontem publicou a exoneração, a pedido, de João Roma do cargo de ministro da Cidadania. Ele tem mandato de deputado federal pelo Partido Republicanos da Bahia e deve voltar à Câmara Federal para apresentar emendas ao Orçamento de 2022. Na semana passada, o ministro do Trabalho e da Previdência Social, Onyx Lorenzoni, que também tem mandato de deputado pelo DEM gaúcho, se licenciou do cargo de ministro para propor emendas individuais ao orçamento do ano que vem.

Na área rural

A intenção do governo é usar os satélites das empresas de Elon Musk para levar internet de alta velocidade para a Amazônia. A missão coube ao ministro das Comunicações, Fábio Faria (RN). Administrador de empresas, ele está em sua praia: “o nosso objetivo é levar internet para áreas rurais e lugares remotos, além de ajudar no controle de incêndios e desmatamentos ilegais na floresta amazônica”. Ele acrescentou que o objetivo é conectar unidades de saúde e comunidades indígenas em áreas remotas, onde é mais difícil chegar internet por fibra ótica.

Prévias tucanas

@EduardoLeite impossibilitado de receber o governador de SP, @jdoriajr, no aeroporto para dar as boas–vindas ao RS, fiz um convite a ele para visitar–me no Palácio Piratini. Temos estilos de ação política marcadamente diferentes, mas somos do mesmo partido, o PSDB, e queremos mudar o Brasil. Deixando o Twitter para lá, o fato é que depois de semanas de tensão no ninho tucano por conta das prévias eles acertaram, ou pelo menos, tentaram. O governador gaúcho convidou o paulista para visitá-lo no Palácio do Piratini.

Por fim…

Tem implicância que vem do Palácio do Planalto. Só que não deu certo, virou caso de Justiça. O Ministério Público Federal (MPF) informou ter acionado a Justiça para garantir que todos os eventos culturais financiados pela Lei Rouanet possam exigir o passaporte sanitário que comprove a imunização contra a COVID–19. Na ação civil pública, a procuradora Ana Carolina Roman pede liminar. Faz sentido, afinal, em sentido contrário, o governo federal alegou que os projetos que se candidatarem à aprovação pela Rouanet não podem exigir comprovante de vacinação.

pingafogo

.Em tempo, sobre as Prévias tucanas: João Doria e Eduardo Leite disputam voto a voto as prévias do PSDB, com votação marcada para domingo. Ah! E tem também um terceiro na parada. É o ex–senador Arthur Virgílio (PSDB–AM).

.E tem mais da implicância do Planalto: a procuradora Ana Carolina Roman alegou que se trata de instrumentos de proteção da coletividade e da manutenção da saúde pública, valores de relevância social que não podem ser suplantados por expectativas de ordem pessoal”.

.O secretário especial de Cultura, Mário Frias, disse que a norma assinada por ele “visa a garantir que medidas autoritárias e discriminatórias não sejam financiadas com dinheiro público federal e violem os direitos mais básicos da nossa civilização”. Ah! Não confunda com o ministro, tá?

.Leia–se a insistência do presidente da República. Sendo assim, o melhor é encerrar bem rapidinho, a semana ainda, pelo jeito, promete mais polêmicas. FIM!






















*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade