Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas EM DIA COM A POLÍTICA

Em meio a trovões, Bolsonaro quer tempo para fechar reforma administrativa

Presidente admite que pediu mais uma semana para evitar cometer equívocos em proposta que já é esperada no Congresso Nacional


postado em 08/11/2019 06:00 / atualizado em 08/11/2019 08:24

Na saída do Palácio da Alvorada, o presidente falou sobre o teor de mais uma reforma que está sendo desenhado, mas não se comprometeu com data de envio ao Parlamento(foto: Antônio Cruz/Agência Brasil)
Na saída do Palácio da Alvorada, o presidente falou sobre o teor de mais uma reforma que está sendo desenhado, mas não se comprometeu com data de envio ao Parlamento (foto: Antônio Cruz/Agência Brasil)

“Peço para tirar a mão da grade aqui, dá uma zebra num raio, tira a mão da grade, pessoal.” Enquanto respondia aos jornalistas que o cercaram pedia o presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), depois do barulho de um trovão, que o fez encerrar a entrevista assim que a chuva ficou mais intensa.

Pouco antes, voltou a afirmar que o megaleilão do pré-sal agradou ao governo. Disse ainda que tende a diminuir a matriz energética “que vem do fundo da Terra”. Questionado se o resultado do leilão foi bom para a Petrobras, Bolsonaro disse: “Não vou entrar em detalhes”.

Quando respondia aos repórteres, ele foi interrompido pelo barulho de um trovão. “Deus abençoando, presidente”, aproveitou logo um fã. A chuva forte com muito vento prejudicou o trânsito e alagou vias importantes no Plano Piloto de Brasília, inundando as alças de acesso às quadras residenciais e comerciais, as chamadas Tesourinhas.

Ainda na saída do Palácio da Alvorada, o presidente Bolsonaro tratou da reforma administrativa, mas não bateu o martelo sobre como será. “Pedimos mais uma semana. Teve boa notícia nesta semana, mais uma semana. Até porque você tem que mandá-la para lá com a menor quantidade possível de arestas. Às vezes a gente comete equívoco.” Melhor mudar de assunto.

''Ainda na saída do Palácio da Alvorada, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) tratou da reforma administrativa, mas não bateu o martelo sobre como será''



MINISTÉRIO DA CIDADANIA DECRETO DE 7 DE NOVEMBRO DE 2019 O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, caput, inciso XXV, da Constituição, resolve: NOMEAR Roberto Rego Pinheiro, para exercer o cargo de Secretário Especial da Cultura do Ministério da Cidadania. Brasília, 7 de novembro de 2019; 198º da Independência e 131º da República. JAIR MESSIAS BOLSONARO Osmar Terra. Registro no Diário Oficial da União (DOU).

Uai, quem é Roberto Rego Pinheiro? “A intocável' Fernanda Montenegro faz uma foto pra capa de uma revista esquerdista vestida de bruxa. Na entrevista, vilipendia a religião da maioria do povo, através de falas carregadas de preconceito e ignorância.”

Tem mais: “Acuso Fernanda de mentirosa, além de expor meu desprezo por ela, oriundo de sua deliberada distorção abjeta dos fatos”. Vale repetir: quem é Roberto Rego Pinheiro?. Para que fique claro, trata-se de Roberto Alvim, o seu nome artístico. Como é? Um artista e ainda ataca Fernanda Montenegro? Me poupe!


O filho e a luz

A Assembleia Legislativa vai criar a licença-maternidade para as parlamentares ainda este ano. O pedido de inclusão do direito no Regimento Interno foi feito pela deputada Ana Paula Siqueira (Rede) em agosto, quando ela deu à luz seu filho Manoel. O anúncio foi feito ontem pelo presidente da Casa, Agostinho Patrus (PV), em audiência que marcou um ano da Comissão em Defesa dos Direitos da Mulher. “Neste local onde tantos temas são tratados, nós temos que corrigir de imediato essa questão, para nós tão cara. Com certeza, ainda este ano, regulamentaremos a licença-maternidade e a licença-paternidade na Assembleia”, prometeu Agostinho.

Voz aos leitores

Ricardo Falci: Fracasso seria se dos R$ 106 bilhões esperados tivessem arrecadado R$ 20 bilhões ou R$ 30 bilhões, mas estamos falando de R$ 70 bilhões... Gerson Rezende Silva em resposta a Falci: Mas, é o governo comprando dele próprio. Onde estão os investidores estrangeiros? Cadê os parceiros americanos? Os EUA, a paixão bozonariana, inclusive, barraram, novamente, nossa carne. Não entendeu, ainda, porque estão dizendo que os leilões foram um fracasso?

Voto a favor

“A proposta amplia a transparência da divulgação tanto dos resultados de pesquisas eleitorais quanto da metodologia utilizada para a sua confecção.” A frase é da deputada Margarida Salomão (PT-MG), relatora que deu parecer favorável para retirar do texto a proibição de divulgação do resultado de pesquisa nos sete dias anteriores à data de realização da eleição. Ela prevê que pesquisas serão inscritas em sistema eletrônico à disposição da população, com acesso às informações do instituto de pesquisa, o valor, origem dos recursos pelo contratante e a metodologia.

Summit em MG

A convite do presidente do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), Sérgio Gusmão, o deputado Antonio Carlos Arantes(PSDB) assistiu a um dos painéis de debates do Pré Brics Summit Minas Gerais, a reunião preparatória para o 11º encontro de cúpula que reúne o Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Ela ocorre em Brasília na próxima semana, em 13 e 14 deste mês. Arantes participou de almoço com o presidente do BDMG, Sérgio Gusmão, que reuniu ainda o vice-presidente de Política e Estratégia do Asian Infrastructure Investiment Bank (AIIB), Joaquim von Amsberg, e o diretor da instituição asiática Alberto Ninio.

Os Brics

Deram uma polêmica danada na sessão de ontem do Supremo Tribunal Federal (STF). Nada a ver com o ex-presidente Lula. É a cúpula dos Brics, leia-se Brasil, Rússia, Índia, China e a África do Sul, que acontecerá em 13 e 14 deste mês, em Brasília, e os chefes de governo ficarão na capital entre os dias 12 e 15. Esta é a segunda vez que a cidade recebe o encontro do grupo. Com uma agenda desta, faz todo sentido, menos para alguns ministros do Supremo.

Pinga-fogo

Em tempo: sobre a nota Voto a favor: Atualmente, a lei obriga que as pesquisas sejam registradas na Justiça Eleitoral, mas apenas partidos e coligações podem solicitar informações aprofundadas sobre os levantamentos divulgados na imprensa. É mais um detalhe sobre as pesquisas eleitorais.

Mais um, sobre a maternidade: os termos em que o direito será concedido deverão estar no Regimento Interno, que só pode ser alterado por meio de Projeto de Resolução da Mesa Diretora. Ana Paula defende que as deputadas não percam as suas prerrogativas durante a licença-maternidade.

É grave a crise. Pelo menos para o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). É, sempre ele, mas não dá para brigar com a notícia. Desta vez, ele perdeu uma ação na Justiça contra nada menos que o Facebook e o Instagram.

Por fim… A Câmara dos Deputados lançou, ontem, o Projeto Modernizar, com o objetivo de discutir o futuro, aprofundando assuntos que possam aperfeiçoar as atividades do Legislativo e a formulação de políticas públicas.

Diante disso, o jeito é seguir o conselho e deixar para modernizar as notícias de hoje. Se der, diante de tanta confusão que elas andam trazendo. Um bom dia a todos.
 


Publicidade