Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas ANTÔNIO ROBERTO

O segredo para alcançar a felicidade é compreender os desafios de viver

Falar que alguém é feliz é o mesmo que dizer que ele tem bom relacionamento consigo mesmo, com as pessoas e com as coisas


03/10/2021 04:00 - atualizado 03/10/2021 09:41



Você sempre fala em felicidade. A vida, porém, está cada dia mais complicada e isso nos dificulta muito na tentativa de sermos felizes. Qual é o segredo? A procura do prazer? Qual o valor da relação afetiva para uma boa qualidade de vida? Com o tempo, serei feliz?”

Flávia , de Contagem

O maior segredo para a felicidade é compreender e aceitar algumas coisas da vida. A primeira delas é a compreensão da transitoriedade da existência, e é da realidade humana a transformação, a mudança, a passagem e a impermanência. 
Lidamos mal com esses fenômenos porque nos deram um profundo desejo por segurança, estabilidade e permanência, daí nossa resistência às mudanças e nosso apego às coisas e pessoas.Os grandes problemas das pessoas estão relacionados a isso: o envelhecimento, a doença, as separações, as perdas e a morte. 

 Sofremos pelo fato de o mundo ser de uma forma da qual não gostamos, e em vez de aprender no decorrer da vida a gerenciar melhor os inevitáveis fatos negativos, gastamos uma quantidade enorme de energia para controlá-los. 
  
Melhor é gerenciar fatos inevitáveis da vida do que tentar exercer controle sobre eles
Os grandes problemas das pessoas estão relacionados ao envelhecimento, à doença, separações, perdas e à morte
 
A depressão é um exemplo típico de quem se entristeceu profundamente pela vida ser como ela é. A vida é para ser vivida, e não para ser mantida. O casamento, a família, o trabalho e as relações são para serem usufruídos, e não para serem conservados. A autoestima é a base para a felicidade, a autoaversão é origem de muito sofrimento. Quando nos aceitamos, há uma grande chance de transformação e de crescimento pessoal. 

Quanto ao prazer, temos duas possibilidades de orientação: ou somos orientados para a felicidade e o prazer ou para o controle e o poder. A felicidade é uma disponibilidade para a vida e, portanto, para a alegria, o prazer e a plenitude. Não podemos, no entanto, confundir essa predisposição com a necessidade compulsiva para o prazer imediato, tanto o meu prazer quanto a rea- lidade fazem parte da vida e às vezes temos de abrir mão dele ou adiá-lo em vista das consequências.

Quando estamos disponíveis para a vida, somos abertos ao prazer e às dores necessárias. O pesar, a tristeza, a raiva diante de uma morte, por exemplo, são necessários para resolução interna da perda, e a Flávia pergunta ainda sobre o valor das relações afetivas na nossa qualidade de vida. 

O homem é um ser relacional, tudo na vida humana está inserido em relacionamentos. Sem as relações nós nem saberíamos quem somos, e falar que alguém é feliz é o mesmo que dizer que ele tem bom relacionamento consigo mesmo, com as pessoas e com as coisas. As relações ligadas à família e à amizade são também fundamentais para nosso equilíbrio psicológico e, portanto, na qualidade de nossa vida. Todas as ou- tras relações, embora importantes, são secundárias frente a essas. 

A relação de trabalho se destaca por fornecer meios que viabilizam as ou- tras relações e por permitir a expressão do nosso potencial e pela quantidade de tempo que dedicamos a ela. A relação social, pública é periférica. A sociedade inverteu tudo, colocando as relações sociais e do trabalho em primeiro lugar e as relações familiares, amorosas para depois. Isso, porém, não significa que as pessoas só serão felizes se estiverem casadas ou namorando. 

Confundimos frequentemente o amor com as molduras sociais do amor, e o que nos faz felizes é nossa capacidade de amar e sua expressão, e não, como nos ensinaram, possuir ou sermos possuídos por alguém. Com o tempo, serei feliz? 

A felicidade, assim como a sabedoria, não é uma questão de tempo. Co- nheço pessoas idosas que não sabem viver bem e pessoas jovens que o sabem. O importante é a compreensão da vida. Temos de nos dedicar a esse caminho e nos perguntar continuamente: o que podemos fazer para me- lhorar nossa qualidade de vida?. Temos de expandir nossas procuras: terapias, leituras, atividades corporais, caminhos religiosos, tudo que possa nos ajudar nessa busca. 

Devemos aprender a felicidade, pois a sociedade nos ensinou a infelicidade. O sucesso pessoal (não o sucesso social e profissional) é possível a todo mundo, e é nossa obrigação conquistá-lo, independentemente de po- sição social, do peso, da beleza, da altura, da origem familiar, da saúde, do fato de estar com alguém. Ser feliz é estar em conexão consigo mesmo, se sentir inteiro e, sobretudo, amar.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade