Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA

Como lidar com as frustrações

Se olharmos para a nossa vida e das outras pessoas, veremos que o fenômeno mais constante é exatamente a perda e a frustração decorrente dela


29/11/2020 04:00 - atualizado 27/11/2020 12:22

 
“Tenho tido uma constante sensação de impotência diante dos problemas. Sou casado, tenho duas filhas maravilhosas, mas me sinto pressionado pelo excesso de trabalho, por problemas financeiros, pelas cobranças de todos os lados. Uma frustração diante da vida.”


Fábio, de Sete Lagoas

Durante nossa existência, fomos, somos e seremos surpreendidos com um mundo que acontece diferente do que nós gostaríamos. A todo instante nos deparamos com dificuldades e desapontamos. E, em geral, não tão pequenos.
 
Vez por outra, nos deparamos com a perda de alguém que amamos, com o fracasso no vestibular, com alguma derrota profissional, com o desemprego, com uma traição, com alguma doença grave etc. Tudo isso nos causa irritação, tristeza e nos sentimos impotentes. É a sensação de frustração diante das perdas ou da ameaça de perder.

Se olharmos para a nossa vida e das outras pessoas, veremos que o fenômeno mais constante é exatamente a perda e a frustração decorrente dela. Desde a perda do útero materno, dos seios da mãe, do conforto do lar ao ir para a escola, das decepções amorosas na adolescência, dos problemas profissionais, financeiros ou de saúde.

O problema portanto não é a frustração. É como nos colocamos diante dela. Algumas pessoas reagem melhor que outras às frustrações da vida. Enquanto umas toleram graves situações, apesar da tristeza, e partem para novas conquistas, outras, à menor dificuldade, se recolhem e ficam prostradas. Há algumas coisas em comum para as pessoas desse segundo tipo.

Primeiro, a facilidade para levar a sério as próprias fantasias. É a luta entre a realidade e os “deverias” torturadores da nossa cabeça. Se eu era uma esposa tão boa e dedicada, não “deveria” ter sido abandonada. Se eu estudei tanto, “não deveria” ter perdido o vestibular. Se eu... não deveria... Ocorre que o mundo nem sempre acontece de acordo com os nossos desejos.

Por isso, podemos desejar tudo o que quisermos, mas não podemos levar tão a sério os nossos desejos. Aprender a ver e lidar com as situações reais e gastar menos energia em lamentar as coisas, enfatizando como deveriam ser.

Segundo, a sensação de injustiça que acompanha as pessoas quando se frustram. Essa sensação de injustiça é fruto de nossa vaidade, de nos levarmos a sério demais, de nós nos atribuirmos uma importância que na verdade não temos, diante da vida e do Universo.

Do alto de nossa onipotência, estamos sempre achando que o mundo existe para nos satisfazer e que nunca podemos ser contrariados. A falta de limites na infância nos prepara para a dificuldade de adaptação ao imprevisto, às contrariedades, às perdas.

Nos momentos de frustração é muito comum, além da raiva, às vezes descontrolada, a pessoa se perguntar: “Por que comigo?” Se entendermos que a vida não privilegia ninguém; se contemplarmos a semelhança humana na imperfeição e nas perdas durante a vida, a verdadeira pergunta diante dos obstáculos seria mais humilde: “Por que não comigo?”

Em terceiro lugar, o sentimento de culpa, sempre presente na frustração. O que mais dói nesse momento é o desconforto interno por nos sentirmos culpados pelo que ocorreu ou está ocorrendo. Ninguém tem domínio total sobre a realidade.

Muitos acontecimentos que ocorrem não dependem de nossa competência ou habilidade. Aceitar a nossa impotência diante de determinados fatos é melhor que nos acusarmos por eles.

A terrível frase: “Querer é poder” é responsável por grandes sensações de fracasso. Daí a outra frase comum nesses momentos: “Se eu soubesse...” Se eu soubesse com antecedência o que iria acontecer, eu seria...Deus.

Quando não alargarmos o nosso limiar de frustração e a enfrentamos de maneira construtiva ela pode se transformar em depressão. Como fazer isso?

Perdoar-se pela imperfeição e a do mundo.

Saber que, em geral, as coisas e as pessoas são o que são e não o que “eu” gostaria que fossem.

Não dramatizar excessivamente, exagerando os problemas. Tudo passa.

Não se apegar à postura de vítima, de injustiçado, de pobre coitado.

Não cultivar uma visão amarga da vida, só vendo o lado negativo.

Não levar nada muito a sério.

Nem a vida, nem você!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade