Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA

Seria amor o que sinto por ele?

O prazer mútuo, partilhado gratuitamente e aliado ao amor, expande a relação e a eleva a níveis cada vez melhores


16/08/2020 04:00 - atualizado 12/08/2020 14:38


“Estou namorando há dois anos com um rapaz que sempre afirma me amar. No entanto, ele me trata mal, vive falando dos meus defeitos e determina tudo. Encontra comigo quando quer, às vezes some, depois volta. Sofro muito com isso. Como é possível alguém amar e fazer isso com o outro?” 
Margarida, de Pouso Alegre

A atração entre as pessoas se dá em vários níveis, gerando aproximações diferentes. Existem verbos diversos para classificar as interações entre as pessoas. A confusão começa quando todos eles são reduzidos genericamente ao verbo AMAR. Não existe palavra mais banalizada nas nossas relações que o amor.

Essa palavra é usada indiscriminadamente e serve a todos os propósitos. Chega-se, às vezes, a verdadeiros absurdos, como, por exemplo, na famosa frase do marido paranoico que “matou a esposa por amor” (sic).

Compreender a relação afetivo-sexual começa por entender a diferença brutal entre o verbo “gostar” e o verbo “amar”. O verbo gostar, que originalmente se aplica às coisas, como no inglês I like, se refere à autossatisfação: Eu gosto de chocolate, de cinema, de transar, de ser elogiado etc. É um verbo egocêntrico, ligado ao prazer que sentimos na relação com o mundo.

O verbo amar, por outra forma, extrapola o conceito do nosso prazer imediato e contempla também a existência da outra pessoa, sobretudo nos seus direitos e desejos como pessoa humana, incluindo o principal deles que é viver em plenitude, ou seja, ser feliz. 

No amor você deseja a felicidade do outro, se empenha nisso, se interessa por tudo o que possa ajudá-lo a estar bem consigo mesmo. Quando uma relação é baseada no “gostar” mútuo as pessoas são coisificadas e a relação é sempre de uso e exploração.

A relação ciumenta e possessiva é exatamente isso. O ciumento não está interessado no crescimento do parceiro, tanto que não hesita em proibi-lo de trabalhar, estudar, ter amigos, se divertir (a não ser com ele), mesmo que essas coisas sejam essenciais para o processo de sua felicidade. Ao contrário, deseja a submissão do outro à sua vontade, ainda que isso produza sofrimento e perda da autonomia.

Imaginem uma relação em que os dois só conseguem conjugar o verbo gostar. É uma competição constante para ver quem manda em quem, quem deve se submeter, quem é o principal.

Acreditar que isso é amor pode levar os parceiros a um pacto diabólico, que, aliás é muito comum, no afã de provarem que se amam: à renúncia mútua dos próprios desejos, objetivos, da própria felicidade para satisfazer o outro, aplacando-lhe os medos e as inseguranças.

O resultado é um relacionamento cheio de conflitos, tristezas, choros e cobranças contínuas por mais renúncias, julgando-se erroneamente que não são felizes porque é pouco o que fazem um pelo outro. O prazer mútuo, partilhado gratuitamente e aliado ao amor, expande a relação e a eleva a níveis cada vez melhores.

Construir uma relação é cada um crescer na capacidade de amar.
O gostar simplesmente é um convite ao sofrimento e à destruição. Vocês já perceberam o vazio presente naquela afirmação: “Na cama, a nossa relação é ótima, mas no relacionamento somos péssimos”?

A verdade é que ninguém pode fazer alguém feliz. O processo da felicidade é pessoal, inalienável e intransferível. E quem não der conta de trilhar esse caminho, não conseguirá amar e tentará resolver sua infelicidade às custas da infelicidade do outro.

A leitora tem razão de estar confusa. O namorado afirma amor a ela e, ao mesmo tempo, trata-a mal, desqualifica-a, abandona-a, impõe sempre a própria vontade, ignorando-a como alteridade. E tudo isso com um propósito, ainda que não consciente: ter o controle total e absoluto sobre ela para não perder seu objeto de prazer, seja sexual, seja emocional, seja de qualquer natureza.

Com certeza o namorado não a ama, apesar de gostar muito dela. Ele a deseja demais, tanto que dela ele quer não só o corpo, mas também a alma. E por que ela se submete a ele? Será que ela o ama ou somente gosta dele?

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade