Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Trabalho x lazer

Com o tempo, o corpo descobrirá o prazer que estava perdendo e aprenderá a gostar de trabalhar e brincar, síntese básica para a verdadeira felicidade


postado em 29/12/2019 04:00 / atualizado em 28/12/2019 18:35






“Sou viciado em trabalho. Tudo o que representa não estar 
trabalhando me traz muita ansiedade, mal-estar e angústia.”


José Cotta, de Belo Horizonte

A aceitação ativa dos opostos é a base de todo equilíbrio humano. Nosso mundo é dual: dia e noite, bom e ruim, nascimento e morte, luta e fuga, e assim por diante. O lado paterno – lado direito que representa o trabalho, a conquista, o esforço, o social, as obrigações, o árduo da vida – e o lado esquerdo, que é o afeto, o lazer, o materno, a poesia, o descanso e o amor.

Historicamente, esses dois lados sempre estiveram em luta. Na Grécia antiga, só as classes baixas trabalhavam e eram mal-vistas. Na revolução industrial, o trabalho foi exigido como o principal valor social e o lazer passou a ser considerado ruim, apenas tolerado para dar ao corpo energia para o trabalho.

Recentemente, as atividades lúdicas voltaram a ter valor e busca-se um equilíbrio entre as duas estruturações do tempo humano: o trabalho e o descanso. Por formação familiar e social, algumas pessoas supervalorizam um dos lados, gerando um desequilíbrio psicológico nas suas vidas. Muitos conhecem a síndrome da segunda-feira, que sucumbe milhares de pessoas no domingo, ao imaginarem o iminente acordar e recomeçar as lides semanais no trabalho, cheio de rotinas, estresse e obrigações.

O leitor sofre de outra síndrome antagônica a essa, que é o “pânico do lazer”. Milhares de pessoas também sofrem desse mal. Para elas, o tempo destinado ao lazer, como férias, feriados, fins de semana ou qualquer dia sem trabalho, vem acompanhado de sintomas emocionais de estresse, angústia e crises de ansiedade. Em estado de movimento operativo, essas pessoas se sentem bem do ponto de vista físico e quando param o trabalho começam a surgir os problemas.

Atrás desse comportamento existem dois conteúdos psicológicos. A compulsividade e o perfeccionismo. O trabalho, nesse caso, funciona como objeto de compulsão, assim como em outras pessoas é o comer, o comprar, o limpar ou o transar, e serve para esconder e driblar numa angústia e depressão não consentidas e, portanto, não tratadas. Pessoas assim são estressadas e ansiosas e, por isso mesmo, trabalham mais que 10 horas por dia, têm dificuldade em delegar tarefas para seus empregados por seu traço de perfeição, que as leva a imaginar que ninguém fará o trabalho melhor que elas. E isso serve também de racionalização para seu comportamento nada racional.

O medo de fracassar e uma tentativa de controlar o futuro podem estar também atrás dessa aversão ao lazer. A frase americana time is money (tempo é dinheiro), assim como a famosa fábula de La Fontaine, a formiga e a cigarra, são incentivadores culturais para a manutenção desse comportamento. E o que agrava é que a pessoa acometida por esse desvio imagina ser impossível um equilíbrio que lhe permita viver bem no trabalho e fora dele. No entanto, encontramos muitas pessoas que conseguiram uma harmonia entre seus lados.

Inúmeros executivos, assoberbados com suas tarefas empresariais, aprenderam e conseguiram um estilo de vida que lhes permite viver com a família, desenvolver hobbys relaxantes e levar a sério o lado engraçado da vida.

Antigas perguntas populares – Você trabalha para viver ou vive para trabalhar?; Você veio a este mundo a passeio ou a negócios? – podem servir de reflexão para aqueles que precisam mudar seu comportamento obsessivo para o trabalho.

Se queremos uma melhor qualidade de vida, se desejamos evitar o descontrole de ansiedade, tal como o estresse agudo ou a depressão profunda, temos de buscar o saudável equilíbrio entre o repouso e o trabalho. Em casos mais graves, a solução é procurar tratamento com especialistas emocionais e, paralelamente, se dedicar a atividades que reeduquem seu corpo para o relaxamento. Exercícios físicos, meditação, ioga, massagens e oração podem ajudar no relaxamento e desligamento do trabalho.

No início será um pouco penoso, mas com o tempo o corpo descobrirá o prazer que estava perdendo e aprenderá a gostar de trabalhar e brincar, síntese básica para a verdadeira felicidade.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade