Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas ANTôNIO ROBERTO

Passado e futuro

"A fixação de objetivos claros para a nossa vida, sejam eles materiais, espirituais, sociais ou afetivos, nos tira de uma postura passiva diante do amanhã e nos institui donos da nossa própria vida"


postado em 19/05/2019 07:00

(foto: Reprodução/Flickr)
(foto: Reprodução/Flickr)
“Tenho muito medo de enfrentar a vida. Sou bastante insegura. Sinto-me covarde e sem criatividade para tentar sair dos problemas. Tudo que começo a fazer quase sempre não termino. Quanto mais sofro mais desorientada fico e menos coragem tenho de reagir. Já estou desesperada pois temo muito meu futuro. Gostaria de algumas palavras suas de ajuda.” - Gisele, de Belo Horizonte

A importância dessa carta é que me enseja a possibilidade de falar de dois inimigos cruciais para a felicidade humana: o passado e o futuro. A raiz de todos os nossos sofrimentos é o pensamento. Ele é que nos leva para as dores do passado e as preocupações com o amanhã. A capacidade de lembrar e de prever é um grande dom dos homens desde que não nos leve ao sofrimento e desespero.

Qual o papel do passado em nossa vida? A única e exclusiva função do passado é o aprendizado. Aprender com nossos erros, nossos fracassos, nossas quedas. O passado é um mestre e não um algoz. Quando olhamos para trás e sentimos culpa ou mágoa ou saudade ou vergonha estamos nos envolvendo numa teia de sofrimento sem saída de vez que o que passou, passou e é impossível voltar atrás.

Há uma linda história no Antigo testamento que ilustra magistralmente o perigo de resistir às mudanças através do apego ao passado. Havia duas cidades: Sodoma e Gomorra, e Deus resolveu destruí-las. Chamou Ló e sua mulher, comunicou a eles o seu propósito e concedeu a eles o direito de fugirem quando ele estivesse aniquilando as duas cidades. E impôs uma única condição: “Quando vocês fugirem da catástrofe, Não olhem para trás”. A mulher de Ló, ao transgredir a ordem, foi castigada virando uma estátua de sal. O simbolismo é claro. A estátua é imóvel e o sal conserva. Viramos estátua de sal quando vivemos a vida pelo retrovisor lamentando o que ocorreu e perdendo a oportunidade de aprender com a experiência. Isso ocorre com frequência nas relações familiares, sociais ou afetivo-sexuais, quando deixamos o passado dominar nossos relacionamentos, nos esquecendo da beleza de viver daqui para a frente.

Se olharmos para trás sem o desejo de crescer e de mudar e, portanto, sem esperança nós nos sentiremos desanimados, impotentes e tristes. Grande parte do nosso sofrimento é pensarmos no futuro por meio do medo, sobretudo o medo de perder o que conseguimos ou o medo de não alcançar aquilo que desejamos.

Aqui também duas posturas são possíveis ao olhar para o amanhã. Podemos ver o futuro como incentivo à construção da nossa vida, como referência para o nosso desenvolvimento ou podemos vê-lo, como infelizmente nos foi ensinado, como algo catastrófico, perigoso, atemorizador. A ansiedade, o medo, a preocupação são formas de nos escravizarmos ao futuro.

O futuro não é para ser temido, mas construído. A fixação de objetivos claros para a nossa vida, sejam eles materiais, espirituais, sociais ou afetivos nos tira de uma postura passiva diante do amanhã e nos institui donos da nossa própria vida. Em vez de tentar adivinhar o futuro, por meio de nossas superstições e pressentimentos, é saber que ele será em grande parte, aquilo que dele fizermos.

Gisele, perdoe-se pelo seu passado e veja no amanhã uma tela em branco onde você vai pintar um quadro, que pode, às vezes, não ser o melhor do mundo, mas que será seu, fruto da sua coragem de dar algo de si e que a levará à felicidade.ofrer ou lutar. Eis a questão.


Publicidade