Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas BRASIL S/A

Sequela das badernas: barbeiragens políticas e imperícias

''O crescimento econômico deste ano é forte na aparência, já que se trata de reposição das perdas da crise de 2020''


29/08/2021 04:00 - atualizado 29/08/2021 08:45

"A inflação é danosa especialmente para os mais pobres, cujo número voltou a crescer neste governo" (foto: Bruno Peres/CB/D.A Press)

Se febre, azia e taquicardia são avisos de que há algo errado com o corpo, inflação costuma ser sintoma de desgoverno e desorientação do sistema político que o circunda. A volta da inflação combina, no Brasil, barbeiragens políticas com imperícia fiscal e monetária.
 
A inflação é danosa especialmente para os mais pobres, cujo número voltou a crescer neste governo, mas ela indica também a ausência de planejamento e governança do Executivo, explicitada pela monumental incompetência no enfrentamento da pandemia, e de qualquer coisa que implique coordenação pelo Estado de estratégias de desenvolvimento.
 
Sem convencimento dos investidores e empreendedores de que há um ciclo forte e longo de crescimento, a economia não decola, estagna, como tem sido desde a recessão do biênio 2015-2016. Na falta desse pressuposto, a expectativa é de que um crescimento vigoroso acabará frustrado pelo aperto do gasto público e da taxa Selic operada pelo Banco Central para esfriar o consumo e as importações.
 
A economia agradece ao bom desempenho exportador do agronegócio e minérios. Ambos equilibram as contas externas, juntamente com os ingressos de capital atraídos pelos maus motivos dos juros altos e a pechincha dos ativos que orbitam as atividades extrativistas.
 
Mas sem investimento em indústrias competitivas no mercado global, cuja pré-condição é a inovação tecnológica, não se tem um setor de serviços pujante, pois dependente do gasto corrente e de crédito, que reagem em prazo curto aos programas de austeridade. E serviços são os grandes empregadores urbanos e geradores de renda.
 
De certo modo, estamos à mercê da maldição de países petroleiros, que se acomodam com a riqueza natural, o agro para nós, sem cuidar da diversificação produtiva que impulsiona o dinamismo do trabalho.
 
O que esperar de um presidente que outro dia lamentou não ter como enfrentar sozinho a inflação? Culpou os governadores, malandramente ignorando o monopólio federal da emissão de moeda e crédito.

Patetadas em vez da Disney

A pandemia chegou com este pano de fundo, agravado pela tentativa pueril do governo de inflar o crescimento desvalorizando a moeda. A inflação disparou depois que o câmbio desandou contra o real entre o fim de 2019 e início de 2020. O ministro Paulo Guedes celebrou o que chamou de novo regime – “câmbio para cima e juro para baixo”.
 
Teve até um de seus gracejos mais infames, ao dizer que “empregada doméstica estava indo para Disney, uma festa danada”. O real levado às cordas danou foram os preços com a reabertura da economia graças ao aumento da vacinação. Foi-se a Disney e vieram as patetadas.
 
Não fosse o roteiro de agressões e desaforos encenado teatralmente todos os dias por Bolsonaro e a inflação, o desemprego, a volta da fome, as milhares de famílias que perderam emprego e renda em meio à pandemia morando em barracas nas ruas como se vê até em bairros nobres de São Paulo, estariam ocupando as atenções do noticiário.
 
Essa é a realidade que os atos que ele mesmo convocou para 7 de setembro tentarão encobrir. Difícil que consiga. Por isso, apela a absurdos, como na sexta-feira: “Tem que todo mundo comprar fuzil, pô. Povo armado jamais será escravizado. Eu sei que custa caro. Daí tem um idiota: ‘Ah, tem que comprar é feijão’. Cara, se não quer comprar fuzil, não enche o saco de quem quer comprar”. Pois é...

Difícil é encher o “saco”

Não é fácil encher o saco, servindo-se da expressão de Bolsonaro, quando a inflação acumulada em 12 meses até agosto chegou a 9,30%, contra 2,44% um ano atrás, na métrica do IPCA-15. Notícia ruim não falta, embora velha, como a crise hídrica conhecida desde o apagão de 2001 e, não obstante, tratada com o remendo das termelétricas.
 
A tarifa vai continuar subindo – afinal, segundo Guedes, “qual o problema de a energia ficar um pouco mais cara” – sem descartar o risco de racionamento de eletricidade e mesmo de água em regiões populosas do Sul e Sudeste. Contenção via preço talvez não baste, e física, implicará outro baque nas fragilizadas cadeias produtivas.
 
Para a indústria de transformação, sem expansão notável há vários anos e dependente da importação de semicondutores, hoje escassos no mundo, não há margem para novos custos como os da moeda depreciada. E isso com renda corroída pela inflação, crédito onerado pela alta de juros e o emprego ainda fraco. Parece a quadratura do círculo.
 
O crescimento econômico deste ano é forte na aparência, já que se trata de reposição das perdas da crise de 2020. O que se prevê para 2022, tipo 1,5% de crescimento, tem mais a ver com a estagnação da indústria desde os anos 1980 e da demanda agregada depois de 2014.

O futuro é aqui e agora

Espantoso é que a agenda política esteja dominada pela encenação patética de radicais delirantes apoiados por ruralistas e traders de papéis. Grupos neofascistas há na borda de todas as sociedades ocidentais, mas só ocupam o centro do palco com apoio do capital.
 
O empresariado de expressão está longe desses extremismos ou não haveria a tentativa de viabilizar quem desloque Bolsonaro e tenha chance contra Lula. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, está na área, promovido por Gilberto Kassab, líder do PSD. O governador João Dória transita no mesmo pedaço. Mas falta algo a eles todos.
 
As ideias econômicas estão escassas e, quando há, são as mesmas do século passado, que advogam a ortodoxia do mercado. Isso quando os novos conservadores do Partido Republicano de Trump defendem o fim do reaganismo e a promoção do ativismo na linha do New Deal.
 
Nada surpreendente: o futuro tem chegado ao Brasil quando já virou passado no mundo. Mas nesta década de grandes rupturas tecnológicas o futuro é aqui e agora. Essa é a questão a formular e implantar já nos primeiros dias de 2023. Tipo o quê? Digitalização maciça do setor público e das pequenas e médias empresas nacionais, apoio à escalabilidade empresarial, foco na educação fundamental, no ensino profissionalizante tecnológico e na pesquisa aplicada, a geração de emprego e renda sem receio fiscal. Tudo isso é só para começar.
 
O presidente eleito da Fiesp, Josué Gomes da Silva, dedica-se a pensar tal projeto. Ou se vai por aí ou a crise que nos consome não terá fim.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade