Publicidade

Estado de Minas BRASIL S/A

Problemas do Brasil estão só começando, agravados pelo vírus e recessão

Estamos empobrecendo a passos largos e não será brigando com todos que se chegará ao que fazer


postado em 31/05/2020 04:00 / atualizado em 31/05/2020 07:33

População de rua é o retrato mais visível nas grandes metrópoles brasileiras(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
População de rua é o retrato mais visível nas grandes metrópoles brasileiras (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)


“Acabou, porra!”, berrou o presidente Jair Bolsonaro, contrariado com a decisão do ministro do STF Alexandre de Moraes de busca e apreensão de computadores e celulares de blogueiros, deputados e empresários bolsonaristas no inquérito que apura uma rede de fake news e difamação na internet. Sinto dizer, presidente, não acabou.

Os problemas estão só começando, agravados pelo vírus e recessão. O número de contaminados e mortos pelo vírus Sars-CoV-2, ou COVID-19, continua aumentando e poderá ficar circulando por aí por muito tempo, mesmo com vacina, tal como o H1N1 e outros patógenos.

Não há sinal, também, de que a recessão vá acabar com o fim do isolamento social, assim como tudo reabre na segunda-feira depois do domingo e vida que segue, sem nada anormal. O novo normal é a transformação.

A mortandade de empresas será a sequela imediata da pandemia, tal como o desemprego, cujo pico se dará em maio e junho. No bimestre de março e abril, a destruição líquida de empregos totalizou 1,1 milhão de carteiras assinadas. Outros 8,1 milhões de assalariados tiveram o contrato de trabalho suspenso e os salários reduzidos.

Mais de 40 milhões de informais ficaram subitamente sem renda com as regras de distanciamento social. Tais medidas encolheram a PEA, população economicamente ativa, razão de a taxa de desemprego até abril ter avançado relativamente pouco, para 12,6% dos ocupados, já que milhares não saíram em busca de empregos. Correram para as filas de pagamento do auxilio emergencial de R$ 600 a R$ 1,2 mil.

No papel de “fisicultor” de PIB, no que repete o ex-ministro Guido Mantega, Paulo Guedes, atual titular da Economia, voltou a esbanjar otimismo. Ele: o governo está seguro de que vai furar as duas ondas da crise, na saúde e na economia. Fato: no primeiro trimestre o PIB recuou 1,54% sobre o período de outubro a dezembro, quando já havia caído 0,2%. Em suma, a economia tendia ao quarto ano de desempenho medíocre, talvez até em recessão, muito antes da pandemia.

O país está longe de poder desabafar gritando “acabou”, ainda que Bolsonaro tivesse aludido ao sentimento de que ora o Congresso, ora o Judiciário cerceariam suas ações, indiferentemente ao que consagra a Constituição: a independência dos três poderes, além da regra de convivência harmoniosa entre eles. Quem mesmo semeia desarmonia?

Condicionantes da fortuna

A verdade é que tudo na vida depende das circunstâncias e, no caso de um governante eleito, do contexto do seu governo, do ânimo entre os eleitores prós e contras, das expectativas imediatas e do futuro. O que há, exatamente, em cada um desses condicionantes da fortuna?

O governante precavido olharia para trás, buscando as razões que o levaram a se eleger, e para frente, procurando entender as grandes tendências em curso no mundo. Bolsonaro certamente não se elegeu por querer armar a população, fazer vista grossa para a devastação ambiental, legalizar grilagem na Amazônia, elevar número de pontos para a perda da carteira de habilitação, implicar com cadeirinha de bebê e com radares móveis nas estradas, os temas das medidas provisórias (MPs) que o Congresso reformou ou deixou caducar.

Mesmo intuitivamente, o sentimento popular há muito se move tanto pela percepção de que o país e a média das pessoas têm ficando para trás nos últimos anos quanto pela noção, certa ou não, de que boa parte do retrocesso se deve à corrupção. A Bolsonaro coube liderar tais transformações. Ciclópicas, parece aturdido pelo que não sabe.

Com tendência de regressão

O que será depende de nós mesmos. Se dermos corda ao que não tem futuro em lugar algum, já que passou o tempo de governos cesaristas em sociedades complexas (e isso explica também parte dos reveses da campanha à reeleição de Donald Trump), a bolha social tem risco de explodir (como explode a cada tropeço do regime de partido único da China, com planejamento central e viés de mercado).

A economia é o espelho de nossa já longa estagnação, tendendo para a regressão. Como reporta o economista Nilson Teixeira em artigo no Valor, o PIB recuará cerca de 1% nesta década, de 2011 a 2020. Per capita, a renda vai diminuir mais de 9%. A renda média, a preços de 2017, encolherá de R$ 2.706 (ou US$ 940) em 2010 para R$ 2.475 (US$ 730) ao fim de 2020, e isso se a taxa cambial parar em R$ 5,50.

Em uma frase: estamos empobrecendo a passos largos. Não há solução fácil, uma bala de prata. Sabe-se é que não será brigando com todos nem criando inimigos e conspirações em redes sociais que se chegará ao que fazer.

Como diz o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, a quem cabe iniciar um processo de impeachment, “a hora é de mais diálogo, paciência e sensatez”. Isso não é frase feita nem fake news, como sabe a intelligentsia das corporações fardadas e civis.

Cabeça fria e inteligência

Na linguagem da informática, é preciso deletar o que não funciona e reiniciar noutro modo. A tecnologia é o fio condutor. Ela está no foco das atenções no combate ao vírus e na reabertura das economias em todo o mundo. A tecnologia se conecta umbilicalmente à educação, área em que desde sempre o país também é reprovado.

Estender tapete vermelho às novas iniciativas empresariais é outro caminho que funcionou para todas as economias bem-sucedidas, países em que ortodoxias entraram em campo só depois que o desenvolvimento estava maduro. Aqui, em especial, a pobreza é uma chaga a enfrentar não só por razões éticas e de justiça social, mas pragmáticas.

O mercado de massa alcança, no máximo, 30 milhões de consumidores, contra mais de 100 milhões de pessoas na força de trabalho. Não faz sentido desperdiçar o potencial de consumo dos milhões de informais descobertos pelo governo graças ao auxílio emergencial.

Fake news é tratar essa legião de brasileiros como invisível. Ou maquinação de comunista se preocupar com a sua sorte. Isso, sim, é fake news. Bravatas e palavrões, quando muito, ajudam a desopilar o fígado. É com cabeça fria, união e inteligência, onde ela exista, que se acha a solução.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade