Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas ANNA MARINA

Perda auditiva e epilepsia podem ser sintomas precoces do mal de Parkinson

Especialista afirma que profissionais da saúde devem estar atentos às descobertas de importante estudo realizado em Londres


04/07/2022 04:00 - atualizado 04/07/2022 01:46

Ilustração de Valf mostra rosto de homem, tendo ao fundo a imagem de neurotransmissores e tubo de ensaio
(foto: Valf/EM/D.A Press)

Tenho uma amiga que se preocupa, desde o ano passado, com o leve tremor que sente no maxilar. É imperceptível aos olhos de quem vê, mas ela diz que sente. Como a mãe teve mal de Parkinson, está cismada. Já foi a vários médicos, até hoje nenhum encontrou nada, mas ela não consegue se desligar do problema. Tudo isso por medo da desagradável doença.

Afinal, o que é esse Parkinson que todo mundo teme tanto? Trata-se de uma doença neurológica que causa tremores, lentidão de movimentos, rigidez muscular e desequilíbrio, além de alterações na fala e na escrita.

Os sintomas começam sutis. Os tremores aumentam gradualmente, amplia-se a lentidão de movimentos, a pessoa passa a arrastar o pé para caminhar, adotando postura inclinada para a frente.

O motivo é a degeneração de células situadas na região do cérebro chamada substância negra. Essas células produzem dopamina, que conduz as correntes nervosas ao corpo. A falta ou diminuição de dopamina afeta os movimentos, provocando os sintomas descritos acima.

Ainda não há cura, mas o paciente pode ter vida normal à base de medicamentos que combatem os sintomas e seu progresso. São importantes também a fisioterapia, a terapia ocupacional e, se necessário, a fonoaudiologia, no caso de alterações na fala e na voz.

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) apontam que aproximadamente 1% da população mundial com idade superior a 65 anos tem a doença. No Brasil, estima-se que 200 mil pessoas convivam com esse diagnóstico.

A perda auditiva e a epilepsia podem indicar sinais precoces do mal de Parkinson, fatores que até então não eram ligados ao diagnóstico da doença. A conclusão é de pesquisadores da Universidade Queen Mary, de Londres.

O estudo analisou dados médicos de mais de 1 milhão de moradores de Londres durante quase 20 anos, entre 1990 e 2018, para explorar os primeiros sintomas e fatores de risco com o objetivo de entender como a doença de Parkinson se manifesta antes do surgimento de sinais mais severos.

O resultado da análise foi surpreendente. Vários sintomas surgiram nos pacientes até uma década antes do diagnóstico de Parkinson, entre eles os já conhecidos tremores nas mãos (até 10 anos antes) e problemas relacionados à memória (até cinco anos antes).

Porém, chamou a atenção a grande incidência de casos de perda auditiva e epilepsia em pessoas que, mais tarde, foram diagnosticadas com Parkinson. Até então, esses sintomas não eram ligados à doença.

De acordo com a neurologista Cristina Simonet, os resultados da pesquisa londrina revelaram que a perda auditiva e a epilepsia são novos fatores de risco, sintomas precoces do mal de Parkinson.

“É importante que profissionais do atendimento primário de saúde estejam cientes dessas ligações e entendam o quão cedo os sintomas de Parkinson podem aparecer, para que os pacientes obtenham um diagnóstico o quanto antes e os médicos consigam agir precocemente, oferecendo tratamentos capazes de melhorar a qualidade de vida das pessoas”, informa a principal autora do estudo.

(Isabela Teixeira da Costa/Interina)

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade