Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas SAÚDE

Pernas bonitas? Mitos e verdades sobre as varizes

Existem vários tipos de tratamentos para corrigir o problema, mas escolha do método mais adequado deve ser feita pelo angiologista ou cirurgião vascular


20/05/2022 04:00 - atualizado 19/05/2022 22:50

Médico trata varizes de paciente
Com o avanço tecnológico, há inúmeros procedimentos para o tratamento de varizes (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)

 
A predisposição genética pode facilitar o desenvolvimento de varizes. portanto, se alguém da sua família registrar essa doença, é possível que ao longo dos anos também se manifeste em você. Contudo, apenas a hereditariedade não é determinante, isso porque é preciso associação a outros fatores, como tabagismo, sedentarismo e uso de anticoncepcionais.
 
Ficar muito tempo em pé pode causar varizes. Passar longos períodos em pé é prejudicial à saúde circulatória, pois a contração muscular é fundamental para o retorno venoso e, quando a pessoa fica nessa posição por muito tempo, os membros inferiores não recebem estímulos e com a força da gravidade, o percurso do sangue das extremidades do organismo ao coração fica prejudicado.
 
Existem muitas dúvidas sobre se o uso contínuo de salto alto pode ocasionar varizes e de que forma evitá-las. No senso comum, esse tipo de sapato pode ser um inimigo para manter a saúde das pernas em dia. O uso de salto em si não vai gerar varizes, mas, sim, ele favorece o surgimento delas.

Algo que muitas pessoas não sabem é que na panturrilha temos uma bomba muscular que funciona como um segundo coração do corpo. Ela é a responsável por bombear de volta para o coração e pulmões o sangue venoso, enviado para a parte inferior do corpo, tendo assim extrema importância no sistema circulatório.
 
Varizes podem ser tratadas de maneira não invasiva. Há inúmeros procedimentos para o tratamento de varizes. Com o avanço tecnológico da medicina, há técnicas não invasivas, como o uso de laser, que permite mais conforto ao paciente e uma recuperação mais rápida. As varizes são decorrentes de predisposição familiar e de outros fatores e hábitos, como sedentarismo, obesidade e uso de hormônios. Para quem já tem um perfil que se encaixa nesses quadros, o uso de salto alto frequentemente pode ser ainda mais arriscado, e o gatilho para ocasionar as varizes.
 
Embora seja muito comum as pessoas associarem varizes apenas a partir da fase adulta da vida, elas também podem estar presentes em crianças e adolescentes. Atividades físicas podem ajudar a prevenir o desenvolvimento de varizes. Há atividades físicas que ajudam a potencializar a circulação sanguínea, como as caminhadas, por isso auxiliam nas medidas preventivas das varizes.
 
Não existe um “melhor tratamento”. O melhor tratamento para uma pessoa pode não ser o melhor para outra. A escolha do método mais adequado para cada caso deve ser feita pelo cirurgião vascular, após avaliação detalhada em consulta. O ultrassom doppler venoso das pernas ajudar a entender melhor a circulação nas veias. Recentemente, a evolução tecnológica proporcionou o aprimoramento das técnicas tradicionais e o surgimento de novos métodos menos invasivos, que garantem recuperação mais rápida e tranquila. O tratamento pouco invasivo apropriado para cada caso depende do tamanho e da quantidade de varizes.
 
Os vasinhos nas pernas, também chamados de telangiectasias, são o menor tipo de varizes. O tratamento com aplicações (escleroterapia) pode ser realizado no consultório com ótimos resultados, recuperação rápida e mínimo desconforto. Na maioria dos casos é necessária mais de uma sessão para tratar todos os vasinhos. Uma outra opção é o laser transdérmico, que tem bons resultados em vasos mais finos. Aquelas veias azuladas, mais calibrosas e salientes, já são varizes propriamente ditas.
 
A minicirurgia com anestesia local é um método pouco invasivo que remove as veias indesejadas e permite alta no mesmo dia e recuperação rápida. Para as varizes relacionadas a problemas na veia safena, a cirurgia ainda é uma excelente opção. Atualmente, ela é realizada com auxílio do ultrassom, com menos cortes e menos dor pós-operatória. É possível tratar a veia safena com laser ou radiofrequência, métodos menos invasivos que proporcionam uma recuperação ainda mais tranquila.

Para os casos mais avançados, em que a cirurgia não é possível, ou nos casos em que a pessoa não pode operar devido a algum outro problema sério de saúde, pode-se realizar a escleroterapia com espuma. Nesse procedimento, um medicamento com aparência de um mousse ou espuma é injetado nas varizes, causando a sua diminuição. A escleroterapia com espuma é menos eficaz do que a cirurgia e pode causar manchas definitivas na pele.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade