Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas ANNA MARINA

A moda 'bunda de fora' ignora a celulite

Ao contrário de antigamente, mulheres hoje em dia não se preocupam em esconder o distúrbio. Veja dicas de como preveni-lo e tratá-lo


27/12/2021 04:00 - atualizado 27/12/2021 07:57

Mulher com celulite
Alimentação, exercício físico e tratamentos estéticos reduzem e podem prevenir a celulite (foto: REPRODUÇÃO DE INTERNET)

Mocinhas novinhas, de perninhas longas e finas, são as privilegiadas para adotar sem restrições esses shorts que são a tendência mais forte da moda tropical e que estão cada vez mais curtos. Só para lembrar como os tempos estão mudando, gosto de voltar ao tempo da minissaia, que caiu como uma bomba na moda internacional. Sua criadora, a inglesa Mary Quant, ficou famosa e rica de um dia para o outro criando uma saia que ficava a 20cm do joelho. Duas de minhas amigas cariocas adoraram a novidade e vieram passar uns dias na capital usando minissaias que estavam longe de ser tão curtas quanto os shorts modernos. Saíram do hotel e, ao caírem charmosas pela Avenida Afonso Pena, foram logo seguidas por um bando de malandros encantados com a novidade. Se elas não entram correndo em uma loja, seriam agarradas em plena rua.

Hoje, a disputa é saber quem usa o short menor. Ninguém pensa em esconder a celulite, que antigamente era um problema que as mulheres queriam esconder o mais que pudessem. Mas ela está aí firme, parece que faz parte do conjunto de atrações da nova linha de moda “bunda de fora”. Pior da tendência é que os shorts viraram peça de roupa comum e são usados principalmente pelas imensas, que jamais deveriam colocar as pernas de fora. Mas são sempre as que exageram mais no tamanho, sempre mínimo.

Mas celulite o que é? Ela se caracteriza por alteração do tecido subcutâneo, onde há aumento tanto da rigidez das fibras que sustentam a epiderme quanto da camada de gordura por debaixo da pele, tracionando a pele para baixo, causando os furinhos. Esse distúrbio é gerado por diversos fatores, como predisposição genética, sedentarismo, má qualidade da alimentação, como ingestão exagerada de açúcar e gorduras, entre outros.

O tratamento da celulite é baseado na combinação de uma série de medidas para melhorar o aspecto da pele e evitar o acúmulo de gordura e má circulação sanguínea, impedindo que mais furinhos apareçam. Como se cuidar: evite carboidratos como massas, pães e doces, gordura, fritura, excesso de sal, refrigerante não dietético, álcool e chocolate. Aposte em frutas, verduras, leguminosas, carboidratos integrais e bastante água.

Exercício físico também é bom, mas não fique só no aeróbico, que ajuda a queimar gordura, mas não aumenta o tônus muscular. A flacidez da pele piora e muito o aspecto da celulite; portanto, a musculação e a ginástica também devem ser inseridas no treino.

Outra opção são os tratamentos estéticos, que visam melhorar a elasticidade das traves de fibrose, reduzir e nivelar a camada de gordura e diminuir a tensão entre elas. Entre as opções estão a subincisão, que, por meio de agulhas, é capaz de retirar as travas na fibra que puxam a pele para baixo; drenagem linfática, que é bem importante para evitar a retenção de líquidos e pode ser feita de uma a duas vezes por semana, dependendo do grau da celulite; radiofrequência: nesse caso, através do aquecimento da área, é capaz de remodelar o colágeno e aumentar a circulação do local, aumentar a elasticidade das fibras de colágeno; e, por fim, o ultrassom, que, através do aumento de energia causado pelo método, gera nivelamento entre as células e estímulo à produção de elastina, melhorando o aspecto externo e interno da celulite.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade