Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas ANNA MARINA

Moda tenta se adequar aos novos tempos e ficar relevante

Edição da SP Fashion Week, que terminou no domingo (8), mostrou coleções antenadas com os problemas da atualidade e adotou políticas inclusivas


09/11/2020 04:00 - atualizado 09/11/2020 07:36

Num dos anos mais dramáticos da história, falar sobre roupas poderia soar esdrúxulo. Mas, para as grifes da São Paulo Fashion Week, que começou na última quarta-feira e foi até ontem, domingo (8), é a hora de mostrar como a moda pode se desgarrar dos rótulos de ser um setor acéfalo, racista e consumista.

Produzir os vídeos exibidos on-line pelo evento e em projeções pela cidade foi um desafio sem precedentes. Uma das estreias deste ano, a Aluf, da estilista Ana Luisa Fernandes, usou a matéria-prima da coleção que havia desenvolvido no início do ano – a marca é conhecida por defender atitudes sustentáveis.

"Muitas marcas estavam desenvolvendo coleções para um outro momento do mundo. Conseguimos remanejar o que tínhamos, em vez de fingir que nada daquilo havia sido criado", afirma Fernandes.

Mesma ideia teve Juliana Jabour, que voltou à SPFW com 40 looks com estampas de esportes como beisebol, basquete e futebol americano. Os temas têm a ver com a parceria com a marca de bonés New Era.

"Quando paralisamos tudo, as pessoas que colaboram comigo ficaram sem trabalho. Então, mais do que nunca, o desfile foi necessário", diz Jabour. Ela adaptou parte das peças que estavam prontas, retirou as mais pesadas, para o desfile ter uma cara de verão, e manteve os traços do punk vinculados à própria história. Olhar para o sistema, repensar formatos e reafirmar os códigos estéticos da moda foi o lado mais visível desta SPFW.

Look da Misci, grife do estilista mato-grossense Airon Martin, que estreou neste ano na semana de moda paulista com uma coleção que resumiu a nova atitude da moda(foto: Misci/Divulgação)
Look da Misci, grife do estilista mato-grossense Airon Martin, que estreou neste ano na semana de moda paulista com uma coleção que resumiu a nova atitude da moda (foto: Misci/Divulgação)

O estilista Isaac Silva, da nova geração de designers que investigam a cultura brasileira sob o prisma da diversidade racial, chamou a própria equipe para vestir as peças no vídeo que mostrou no domingo.

As criações são uma homenagem ao orixá Iemanjá e também à avó, Jacira, que morreu neste ano e o ajudou a entender mais sobre a moda.

"É uma coleção de agradecimento por tudo que passei nesses meses de isolamento, quando não sabíamos o que esperar, e a marca estava no amarelo, sem caixa", disse ele.

Sua homenagem, repleta de alfaiataria suntuosa, malharia e flores, se destacou em colaborações com a artista Jacqueline Paes e a designer Neon Cunha, ativista da luta por reconhecimento dos transexuais.

Assim como em diversas semanas de moda, como as de Milão e Paris, que passaram a pôr em primeiro plano a sustentabilidade e a inclusão racial e de gênero, a SPFW se preparou para uma nova fase.

Ela é orquestrada pela organização junto ao coletivo Pretos na Moda e procurou fazer com que os desfiles se tornassem multirraciais e respeitassem mais os profissionais dos bastidores.

Metade dos modelos no evento agora deve ser negra, indígena ou afrodescendente, sob pena de exclusão pelo descumprimento da regra. A medida foi a primeira oficializada de um projeto mais amplo de inclusão e reconhecimento desses segmentos antes apagados nas passarelas.

Talvez uma das estreias desta São Paulo Fashion Week, que prometeu resumir todas essas mudanças no sistema da moda numa única apresentação, foi a Misci, do estilista mato-grossense Airon Martin.

O designer estreou na semana de moda com a coleção Brasil Impúbere, com um vídeo gravado no distrito de Atafona, em São João da Barra, no Rio de Janeiro, uma área que vem sendo engolida pelo mar e virou metáfora do descaso com o meio ambiente.

Nas cenas, protagonizadas pela modelo de ascendência indígena Emilly Nunes, as roupas foram feitas com matéria-prima brasileira. Uma delas foi de seda rústica produzida no Paraná, de onde vêm alguns dos fios desse tecido, considerado dos melhores do mundo.

"O papel da moda hoje é trazer o usuário para a reflexão sobre este país, que precisa de amadurecimento, de se reconhecer e, a partir disso, evoluir", afirmou o estilista. 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade