Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Coluna

Psicanalista usa fábula da Branca de Neve para ensinar a viver

Diante do abismo e do caos provocados pela perda, especialista explica os 'sete sintomas' pelo qual a pessoa enlutada deverá passar


02/11/2020 04:00 - atualizado 02/11/2020 07:05


Renan Cola, psicanalista da É Freud, Viu? e especialista em neuromarketing assina o texto abaixo, sobre o luto e o branco:

“Não existe uma só pessoa na face da Terra que não conheça a prodigiosa fábula A Branca de Neve e os sete anões. Aquela em que a alabastrina protagonista cantarola, logo no início da trama, à beira de um poço artesiano: 'Um dia eu serei feliz. Sonhando assim.' A moça pálida, entretanto, ao buscar ventura, só não sabia que precisaria passar por uma labiríntica jornada.

E que fatídica peregrinação seria essa? Assim como acontece na trama, o indivíduo que almeja encontrar o seu príncipe ou princesa encantada (o), necessita passar pelo caminho que o psicanalista suíço Carl Jung denominou de 'individuação'. Isto é: atrever-se rumo à sombria floresta interna, perder-se e, só assim, poder acoplar as suas partes rumo ao happy ending.

Na visão do fundador da psicologia analítica, individuar-se é tornar-se um ser unificado e indivisível em que cada pedacinho do psiquismo é reconhecido, aceito e assimilado pelo centro de si mesmo (self). E como este processo se dá na prática? A primeira etapa, para Jung, parte da vontade de abrir mão da fase 'sou o dono do mundo' rumo ao processo de luto reparador.

Sabe aquela cena em que Branca de Neve está no meio do bosque e, de tamanho terror, cai aos prantos no chão ao dar de cara com múltiplos seres abomináveis? Pois bem, pode-se dizer que os fantasmas, simbolicamente, representam os seus fragmentos mentais dissociados e o choro epifânico, o big moment da personagem na narrativa, que cai no abismo da não existência.

Os episódios que vêm em seguida são conhecidos. Lembra-se da cantoria: 'Eu vou, eu vou, para casa agora eu vou. Parara-tim-bum, parara-tim-bum!'? De maneira metafórica, ela personifica aquela pequena voz, lá no fundo do inconsciente, que premedita a chegada dos 'sete sintomas' pelo qual a pessoa enlutada passará até que o ciclo integrativo se complete. E quais seriam eles? 'Zangado', o mais rabugento dentre os homenzinhos da trama, alude à raiva que ronda aquele que caiu em enegrecimento. Rejeitar a realidade, inconformando-se com ela, é a maneira envenenada pela qual a bruxa que habita o aparelho psíquico se utiliza para se evadir do desprazer proporcionado pela perda da onipotência de pensamento.

E o que dizer do 'Soneca'? Muitas vezes, querer dormir em um lindo 'esquife de cristal' até que o cavalo branco chegue é o mecanismo de defesa ideal para não sentir tudo aquilo que se foi. Em outras palavras, sonolência em excesso ou estar continuamente em estado de letargia, apesar de ser um sintoma comum, devem ser tolerados e sentidos como parte do processo. Mãos ao rosto e 'Atchim!'. A melancolia e o baixo estado de espírito podem reverberar diretamente no sistema imunológico do desolado. Logo, não é estapafúrdio que resfriados, gripes, dores pelo corpo e demais somatizações deixem os dias menos belos. A dica é: cuide-se. Quanto mais afeto você tiver em relação aos seus sintomas, mais rápido eles irão embora.

Sentindo-se 'Dengoso'? A perda do objeto amado possui outra importante consequência: na seara emocional, ainda restam fragmentos do 'era uma vez' de outros tempos. Aqueles que, mesmo morando em um palácio, eram engolidos com ódio enquanto lavava os excrementos da Rainha Má. São eles que o (a) perseguem, gerando estados de desamparo e insegurança.'Feliz' porque comeu a deliciosa torta de maçã? No pesar, o estado exagerado de felicidade nada mais é do que uma estratégia de fuga psíquica. Intitulada mania, quando o sujeito se dá conta, já está dançando e cozinhando para outros pequenos seres diminutos que conhecera outro dia no bosque perto de casa. Isso sem falar da pitoresca habilidade de falar com animais.

Dando muitas ordens por aí? Talvez seja aquela parte de você que, nesta etapa, se comporta como o' 'Mestre'. Diante do abismo e do caos provocados pela perda, querer controlar o mundo à sua volta é uma forma refratária de compensação: “Controlo o lado de fora para que, ilusoriamente, eu tenha a sensação de que estou conseguindo controlar o lado de dentro”. Por fim, se você chegou ao aspecto 'Dunga' do luto, parabenize-se. Isto significa que, por mais estranha seja a sua mágoa, já é capaz de conviver e se divertir com a sombra daquilo que um dia padeceu. Pegue o seu espelho de mão, admire-se e, só então, profetize a frase: “Espelho, espelho meu. Existe alguém mais inteiro do que eu?”. Verá como tudo terá valido a pena.” 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade