Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas ANNA MARINA

Dormir bem é fundamental para a boa saúde

A falta de sono interfere nas funções cognitivas, imunológicas e emocionais. Mude hábitos para evitar o drama da insônia


postado em 10/02/2020 04:00


 
De acordo com a Associação Brasileira do Sono (ABS), 73 milhões de brasileiros sofrem de insônia. Essa bendita dificuldade para dormir é a queixa mais comum entre as pessoas com distúrbios do sono, seguida do ronco e da apneia. Só para esclarecer: a insônia pode ser caracterizada tanto pela dificuldade em pegar no sono, a chamada insônia inicial, quanto para voltar a dormir após despertar no meio da madrugada.
 
O problema tem crescido expressivamente. Prova disso é que um dos itens mais comuns na lista de metas de início do ano é dormir melhor. A falta de sono e a noite maldormida levam à redução de rendimento das atividades diárias. De acordo com a International Stress Management Association, o Brasil está em segundo lugar no ranking mundial de pessoas afetadas pela síndrome de Burnout, causada pelo excesso de estresse relacionado ao trabalho. Pode-se dizer que dormir bem passou a ser uma necessidade. Profissionais da saúde tratam dessa questão há algum tempo, pois a falta de sono interfere nas funções cognitivas, imunológicas e emocionais.
 
De acordo com a doutora Verena Senn, ph.D em neurociência, o primeiro pilar de uma boa experiência de sono é o colchão. Ele deve ter ergonomia eficaz, cuja firmeza proporcione quantidade saudável tanto de alívio de pressão quanto de apoio. Ela recomenda também um bom travesseiro. Além disso, é importante considerar a distribuição de calor no corpo, pois, durante a noite, experimentamos diferentes fases do sono: leve, profundo, sonho e REM (Rapid Eye Movement). No sono profundo, a temperatura do corpo diminui e o colchão deve aliviar o calor.
 
Especialistas afirmam que o consumo de remédios para dormir se tornou epidemia. Em oito anos, o crescimento foi de 560%. Mas isso não representa solução para o problema. O ideal é mudar hábitos para conseguir dormir bem. Por isso, vamos citar aqui algumas dicas:
 
Comece a desacelerar o ritmo cerca de duas horas antes de ir para a cama; tome banho quente 10 minutos antes de ir dormir; anote tudo o que estiver pensando em fazer no dia seguinte. Nada de músicas agitadas, jogos ou televisão barulhenta. O ideal é não ter TV no quarto. Deixe o ambiente o mais escuro e silencioso possível. Mantenha no quarto plantas que liberem oxigênio à noite, como a espada-de-são-jorge.
 
Alimente-se bem até duas horas antes de ir dormir, para não ficar de estômago vazio. Nada de ingerir cafeína pelo menos oito horas antes de ir para a cama. Evite ingerir bebidas alcoólicas seis horas antes de repousar. Não fume nas seis horas que antecedem o repouso. Consumir abacaxi, banana e maçã durante o dia pode ajudar. Nada de exercícios à noite, eles são muito importantes, mas deixe-os para a manhã.
 
Use a cama só para repousar. Computador, leitura, celular, televisão e alimentação devem ficar para outro ambiente. Procure dormir sete horas por noite, no máximo. Deite-se apenas quando estiver com sono, evite sonecas durante o dia. Mantenha os pés aquecidos. Se depois de 20 ou 30 minutos deitado não conseguiu dormir, procure se distrair fora do quarto com alguma atividade relaxante. E, por último, mantenha horários constantes para o repouso, mesmo nos fins de semana.

(Isabela Teixeira da Costa/Interina)

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade