Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Nas férias, saiba como minimizar incômodos comuns em viagens de avião

Especialista em sono ensina a enfrentar jet lag, zumbido e a sensação de ouvidos tampados. Quem usa aparelho deve adotar cuidados especiais


postado em 22/01/2020 04:00 / atualizado em 21/01/2020 17:57


Temporada de férias é uma ótima maneira de descansar da rotina do dia a dia. Porém, por mais programadas que sejam, as férias têm fatores de chatice física que podem ser controlados. Um deles é o chamado jet lag, que não aparece só em viagens de avião, mas também de carro. O problema ocorre, principalmente, depois de longas jornadas, por causa de alterações de duas a três horas no fuso horário, que provocam dificuldade de adormecer nos períodos desejados. Isso causa insônia, sonolência excessiva, mal-estar, ansiedade, dor de cabeça, fadiga e desordens estomacais.

Como escapar desse desconforto e aproveitar melhor os passeios de férias? Segundo a consultora do sono da Duoflex Renata Federighi, o distúrbio acontece porque o relógio biológico fica desorientado quando os horários e a sequência habitual do dia e da noite são alterados. “Ao viajar para um novo fuso horário, os ritmos circadianos demoram para se ajustar. Adequar o sono e a alimentação são as principais medidas a serem tomadas para aliviar o incômodo”, comenta.

Ela dá dicas simples para minimizar os efeitos do jet lag. “A adaptação a novos horários leva tempo. Então, se a viagem for de curta duração, o melhor é tentar manter os horários de dormir e comer o mais próximos possíveis da rotina normal, para não estranhar na volta. No caso de viagens mais longas, o ideal é tentar se habituar ao horário do destino alguns dias antes de embarcar”, aconselha. Outra recomendação é não consumir álcool, cafeína e estimulantes, como refrigerante e alguns chás, pelo menos três a quatro horas antes de dormir. “Isso evita distúrbios nos padrões de sono”, informa.

Um problema que surge nas viagens de avião é o incômodo na audição, como a sensação de ouvido tampado e o zumbido. Para quem usa aparelho auditivo o desconforto pode ser ainda maior. Algumas dicas ajudam a minimizar o problema: desentupir o ouvido; os velhos truques de bocejar, engolir saliva e mastigar chiclete durante o voo; fazer movimentos para que a tuba auditiva se abra e se feche. Dessa forma, é possível manter o equilíbrio da pressão do ar entre os dois lados da membrana do tímpano, aliviando o incômodo e o possível zumbido.

Busque o assento ideal. Quem tem problemas de audição deve ficar na lateral do avião oposta à orelha com melhor escuta. Por exemplo, caso ouça melhor com a orelha direita, o ideal é optar por um lugar na janela da fileira esquerda. Assim, será mais fácil ouvir recomendações e serviços dos comissários de bordo. Quem usa aparelho auditivo só deve retirá-lo caso sinta desconforto, incômodo ou dores devido à rápida mudança de altitude, pois o avião, em geral, chega a 10 mil, 12 mil metros. Lembre-se de que aparelhos auditivos permitem compreender as orientações dos comissários.

Quem tem aparelho auditivo com bluetooth pode mantê-lo ligado quando passar pela segurança, durante o voo, e nos períodos da decolagem e da aterrissagem. No entanto, você deve selecionar o modo avião ao embarcar na aeronave. Se possível, escolha assentos longe dos motores. Por mais que aviões mais modernos sejam silenciosos, as áreas próximas a esses equipamentos ainda são barulhentas.


Publicidade