Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas ONCOLOGIA

A COVID-19 pode promover o desenvolvimento tumoral em pacientes com câncer?

Estudos adicionais precisam ser realizados para que possamos estabelecer com mais precisão a relação entre infecção por COVID-19 e câncer


02/01/2022 04:00 - atualizado 02/01/2022 07:06

tumor cancerígeno
(foto: Store medisinske leksikon)


A análise de citocinas sanguíneas realizada em um estudo belga publicado em uma plataforma de pré-publicação sugere que a infecção por SARS-CoV-2 resulta em um ambiente de promoção de tumor sustentado em pacientes com câncer. Pacientes com câncer expostos à infecção por SARS-CoV-2 experimentam aumentos persistentes em citocinas, quimiocinas e fatores de crescimento (angiogênicos) (CCGs) além daqueles observados em pacientes não expostos, indica uma análise belga de amostras de sangue em série, publicada recentemente.

A inflamação relacionada ao câncer, orquestrada por CCGs, demonstrou desempenhar um papel importante na progressão de cânceres sólidos e hematológicos, incluindo a proliferação e sobrevivência de células malignas, angiogênese e metástase. As descobertas atuais podem ajudar a explicar os piores resultados observados em pacientes com câncer infectados com SARS-CoV-2, particularmente naqueles com neoplasias hematológicas, e sugerir a necessidade de maior vigilância dos pacientes como parte do acompanhamento contínuo da COVID-19.

Pacientes ambulatoriais com câncer programados para exames de sangue de rotina durante a pandemia de COVID-19, incluindo 52 expostos e 54 não expostos ao SARS-CoV-2, foram estudados junto com 15 expostos e 42 profissionais de saúde não expostos das unidades de oncologia que compareceram.

Todos os participantes foram submetidos a imunoensaios CCG seriados de amostras de sangue total, com profissionais de saúde avaliados no início do estudo e após 1, 2 e 3 meses.  Dados clínicos, incluindo o pico de gravidade da doença na escala ordinal COVID-19 da Organização Mundial da Saúde, foram coletados.

Os pacientes foram divididos em cânceres sólidos (n = 36 para expostos, n = 32 para não expostos) e hematológicos (n = 16 para expostos, n = 22 para não expostos).  Mudanças nas concentrações de CCG ao longo do tempo foram determinadas.

Pacientes não expostos com câncer apresentaram níveis aumentados de 35 CCGs em comparação com profissionais de saúde não expostos, sem diferenças significativas entre pacientes com cânceres sólidos e hematológicos.

Entre os 19 CCGs comuns a ambos os tipos de câncer estavam citocinas como IL-6, TNF-alfa, IL-1Ra, IL-17A e VEGF, e citocinas e quimiocinas menos bem descritas, como Fractalkine, Tie-2 e T quimiocina celular CTACK. Pacientes expostos com câncer apresentaram sete CCGs que foram adicionalmente alterados de forma significativa em comparação com profissionais de saúde. Destes, TNF-alfa, IFN-beta, TSLP e sVCAM-1, que estavam elevados em pacientes com câncer hematológico, são conhecidos fatores promotores de tumor.

A análise longitudinal ao longo de 3 meses revelou que os CCGs como TNF-alfa, IL-2 e MCP-3 permaneceram elevados em pacientes expostos com câncer, mas não em profissionais de saúde. Em pacientes com neoplasias hematológicas, os níveis de IL-2 e MCP-3 aumentaram temporariamente durante o acompanhamento.

Entretanto, temos que ressaltar as limitações desse estudo. Os autores destacam várias delas, incluindo que é um estudo caso-controle, ou seja, retrospectivo. É necessário um estudo prospectivo para que esses achados sejam corroborados.   

Houve também um desequilíbrio nas características basais entre os pacientes com câncer e os profissionais de saúde. Os autores também observam que os pacientes com câncer que foram imediatamente transferidos para as enfermarias COVID-19 não foram incluídos na análise.

Portanto, estudos adicionais precisam ser realizados para que possamos estabelecer com mais precisão a relação entre infecção por COVID-19 e câncer, embora estes dados preliminares sejam desafiadores e ao mesmo tempo preocupantes.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade