Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Com real barato, empresas estrangeiras procuram executivos brasileiros

Empresas de diversas partes do mundo buscam profissionais no Brasil. Procura se concentra em áreas como finanças, tecnologia, comunicação e marketing


04/07/2022 04:00 - atualizado 03/07/2022 18:24

Imagem mostra notas de dólar
Salários pagos em dólar são um dos atrativos para os brasileiros contratados por empresas do exterior (foto: Luis ROBAYO / AFP)
As possibilidades trazidas pelo home office (que permite que se trabalhe em qualquer lugar) e a expressiva desvalorização do real em relação ao dólar (o que tornou a mão de obra brasileira mais barata) têm levado empresas de diversas partes do mundo a procurar profissionais no Brasil.

Segundo especialistas, a procura internacional se concentra em áreas como finanças, tecnologia, comunicação e marketing. Já há executivos do país liderando equipes globais a partir de suas casas em solo brasileiro.

Para os contratados – chamados no mercado de expatriados virtuais –, as vantagens são incontestáveis, como a possibilidade de receber em moeda forte, como euro ou dólar, e a preservação do contato com familiares e amigos.

"Em um cenário de emprego escasso no Brasil, o movimento também representa uma chance única para quem busca boas colocações", afirma Eduardo Tancinksy, consultor especializado em marcas.
 

Atletas descobrem o mercado de cannabis

Os atletas estão atentos ao mercado de cannabis. Em junho, o fundo MadFish, do tenista mineiro Bruno Soares, dono de três títulos Grand Slam no currículo, liderou um aporte de R$ 12 milhões na Ease Labs, farmacêutica que produz medicamentos à base do produto.

No basquete, os astros da NBA John Wall e Carmelo Anthony participaram, em 2021, de uma rodada de US$ 5 milhões na californiana LEUNE. No futebol, o inglês David Beckham é sócio da Cellular Goods, fabricante de cosméticos de cannabis.

Setor aéreo supera níveis pré-pandemia


A oferta de assentos em voos no mercado doméstico brasileiro finalmente superou os níveis pré-pandemia de COVID-19. Em maio, conforme dados apurados pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o indicador ASK (assento-quilômetro) subiu 6% diante do mesmo mês de 2019.

Ou seja: há três anos o setor estava em queda livre ou sem sair do lugar. A Latam liderou o mercado brasileiro pelo critério RPK (passageiros-quilômetro), com participação de 33,7%, à frente de Azul (33,3%) e Gol (32,6%).
 
 

Europeus enfrentam caos nos aeroportos

 
Caos no aeroporto em Barcelona, por causa de greve de funcionários da Ryanair
Aeroportos da Europa vivem dias de caos por causa de greves (foto: LLUIS GENE/AFP)

 
As cenas lembram os piores momentos do caos aéreo no Brasil: aeroportos lotados, filas intermináveis, bagagens extraviadas. É isso o que enfrentam os viajantes que passam pelos terminais europeus em plenas férias de verão. Apenas no último sábado, cerca de 100 voos foram cancelados em Lisboa, Madri e Paris. Na capital espanhola, os tripulantes das companhias de baixo custo Ryanair (foto) e EasyJet entrarem em greve por aumento nos salários e melhores condições de trabalho.
 

Rapidinhas


  • O comércio eletrônico não matou as lojas físicas, diferentemente do que projetaram muitos analistas. Uma pesquisa da fintech Superdigital mostrou que elas responderam por 87% das vendas do varejo em maio. Na verdade, a solução vencedora parece ser a que combina os dois canais - os físicos e digitais. É assim no Brasil e no mundo.


  • Embora seja a terceira maior fabricante de motocicletas do mundo - atrás das japonesas Honda e Suzuki -, a Indiana Bajaj Auto é desconhecida no Brasil. Isso deverá mudar. A empresa vai instalar uma linha de montagem no Polo Industrial de Manaus, que deverá abastecer o mercado brasileiro ainda em 2022.


  • As exportações de petróleo bruto do Brasil totalizaram 5,8 milhões de toneladas em junho, o que representa queda de 27,7% em relação mesmo mês de 2021. Os dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), contudo, mostram um recuo de receitas bem menor, de 2,9%. Isso ocorreu devido ao aumento do preço do combustível no mercado internacional.


  • O começo do fim dos carros a combustão tem data marcada: 2035. Em decisão histórica, os 27 ministros do meio ambiente da União Europeia assinaram acordo para proibir a venda de novos veículos que emitam CO2 a partir daquele ano. Alguns países, como Itália e Alemanha, pretendem antecipar a medida.

 

  • US$ 81,5 bilhões é a previsão de superávit da balança comercial (exportações menos importações) em 2022, segundo o Ministério da Economia. Se o número se confirmar, será o melhor resultado anual desde o início da série histórica, em 1989
 
Marcelo Rebelo de Sousa, presidente de Portugal
Marcelo Rebelo de Sousa, presidente de Portugal (foto: NELSON ALMEIDA / AFP)


"Temos uma nova lei que permitiu até mais uma geração adquirir a nacionalidade portuguesa. E o brasileiro tem hoje hipóteses mais amplas para poder ter a residência, para ter os seus documentos formais e circular na Europa"
 
Marcelo Rebelo de Sousa, presidente de Portugal, ao ressaltar que os brasileiros são bem-vindos no país

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade