Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Empresas do setor de combustíveis dão calote bilionário

Três empresas do setor de combustíveis aumentaram em mais de R$ 1 bilhão o calote aos cofres paulistas em um período de seis meses


postado em 17/10/2019 06:00 / atualizado em 17/10/2019 08:07

 
(foto: Diego Baravelli/Divulgação )
(foto: Diego Baravelli/Divulgação )
 
Três empresas do setor de combustíveis conseguiram a proeza de aumentar em mais de R$ 1 bilhão o calote aos cofres paulistas em um período de seis meses, segundo dados da Procuradoria da Dívida Ativa de São Paulo. As empresas são a Refinaria de Manguinhos, cuja dívida aumentou R$ 461 milhões entre abril e outubro (de R$ 3,05 bilhões para R$ 3,47 bilhões), a Petromais Distribuidora, que acrescentou mais R$ 347 milhões em seu portfólio de impostos não pagos, e a Monte Cabral Distribuidora, que somou R$ 231 milhões em sua dívida no mesmo período.

Conhecidas devedoras de ICMS, essas empresas não recolhem o próprio imposto e o de substituição tributária, o que é considerado apropriação indébita. Os calotes podem estar com os dias contados. No caso de Manguinhos, o presidente do STF, Dias Toffoli, deve julgar em breve o pedido de inscrição estadual da refinaria em São Paulo. A medida não impedirá que a empresa atue no estado, mas a obrigará a recolher o imposto antes de entregar o combustível aos postos.


rAPIDINHAS

» Falar inglês e espanhol fluentemente faz bem para o bolso. Segundo pesquisa da agência de empregos Catho, o domínio de um terceiro idioma pode aumentar a remuneração em até 112%. O estudo constatou que, nos cargos de chefia, o inglês se tornou um requisito básico que não diferencia ninguém. Daí a importância de conhecer outras línguas.

»  A britânica Logicalis, especializada em tecnologia da informação, tem faturado alto no Brasil. No último ano fiscal, a empresa obteve receitas de R$ 1,5 bilhão no país, ou 36% a mais do que no ano anterior. Em toda a América Latina, o resultado também foi positivo, com avanço de 19% dos negócios.

 
»  Poucos setores têm recebido tantos investimentos quanto o de energia renovável. Segundo a ONU, na última década esse mercado captou US$ 2,6 trilhões, quase o PIB inteiro da França. Há alguns dias, o Google anunciou que investirá US$ 150 milhões em projetos na área.

»  A gigante americana do agronegócio Cargill está habituada a ganhar prêmios na área da diversidade. Nesta semana, a empresa lançou uma iniciativa que deverá aumentar a sua reputação. Em seu site, anunciou a abertura de um processo seletivo voltado para o público trans. As vagas são para o Centro de Serviços Compartilhados (CBS) de Uberlândia, no interior mineiro.
 
 

99 usa inteligência de dados no trânsito

A empresa de transporte urbano 99, antiga 99 Táxi, entregou à cidade de Porto Alegre um sistema de gestão de trânsito. Chamada de “Mapa de Fluidez”, a iniciativa usa a inteligência de dados para melhorar a mobilidade urbana. “As informações são provenientes do GPS dos motoristas conectados à plataforma e coletados a cada dois segundos”, diz Miguel Jacob, responsável pelo programa. Porto Alegre é o primeiro município do país a receber a tecnologia desenvolvida por brasileiros e chineses.
 
 
 
A multiplicação das escolas bilíngues

As novas exigências do mercado de trabalho explicam a multiplicação das escolas bilíngues. Nos últimos 5 anos, o número de instituições com esse perfil cresceu 10% no país, segundo dados da Abebi, a associação do setor. O mercado em alta anima a brasileira International School, que definiu como meta se tornar a maior plataforma de educação bilíngue do mundo. Desde 2018, o número de alunos da rede quase dobrou, chegando a 85 mil pessoas. Atualmente, são 240 escolas em 23 estados.
 
 
 
(foto: Canopy Growth/Divulgação)
(foto: Canopy Growth/Divulgação)
 
Gigante da maconha quer investir no mercado brasileiro

A canadense Canopy Growth, maior produtora de cannabis do mundo, acompanha de perto os debates sobre a regulamentação da maconha medicinal no Brasil. Em setembro, dois executivos da empresa foram a Brasília para conhecer a posição dos parlamentares sobre o assunto. A Canopy está avaliada em US$ 7,8 bilhões – o equivalente, na bolsa brasileira, a uma companhia do porte das Lojas Americanas. O mercado global da cannabis é uma realidade, movimentando por ano US$ 30 bilhões.


US$ 77 bilhões
é quanto deverão movimentar as operações de fusões e aquisições na América Latina em 2020. Em 2019, o valor será de US$ 90 bilhões. Segundo o relatório Transactions Forecast, crises políticas e o acirramento de guerras comerciais globais vão prejudicar os negócios


 
 
(foto: Olivier Douliery/AFP)
(foto: Olivier Douliery/AFP)


Mulheres: nunca aceitem receber menos do que o seu colega homem para o mesmo trabalho. Nunca!”
Kristalina Georgieva
economista búlgara que se tornou a segunda mulher na história o ocupar o cargo de diretora-geral do Fundo Monetário Internacional


Publicidade